Samuel Beckett: O Real, O Ideal e A Linguagem.

  • Ulisses Augusto Guimarães Maciel Universidade Federal do Espirito Santo
Palavras-chave: Literatura. Romance. Representação. Samuel Beckett

Resumo


Esta análise busca evidenciar, nas obras Molloy, Malone morre e O inominável, a trajetória traçada por Samuel Beckett na composição de uma narrativa conhecida por desafiar os limites da representação, destacando a precariedade do pensamento e da linguagem, que fracassam em suas tentativas de apreender o real ser das coisas. Nesse contexto, considerando a representatividade um jogo que surge a partir do caos inarticulável da realidade, lançamos mão da filosofia cartesiana e do pensamento do filósofo checo-brasileiro Vilém Flusser a respeito da realidade e da linguagem, no intento de evidenciar, diante da palavra que silencia, o caráter impreciso do romance beckettiano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ulisses Augusto Guimarães Maciel, Universidade Federal do Espirito Santo
Mestre pela Universidade Federal do Espirito Santo - UFES e professor da rede pública municipal de ensino de Serra.
Publicado
12-07-2017
Como Citar
MACIEL, U. A. G. Samuel Beckett: O Real, O Ideal e A Linguagem. Revista Odisseia, v. 2, n. 2, p. p. 40 - 56, 12 jul. 2017.
Seção
Artigos