Espectro da exclusão e da fome

Vidas secas no contexto do romance social brasileiro

Palavras-chave: Narrativa, Exclusão, Crítica social, Subdesenvolvimento, Nordeste brasileiro

Resumo


Este artigo tem por objetivo desenvolver uma análise crítica acerca da exclusão social em Vidas secas, de Graciliano Ramos. Diante disso, enfocamos um recorte específico a partir do que o romance representa como um dos pontos mais elevados do que se convencionou chamar de segunda geração modernista. Por sua vez, buscamos relacionar o contexto social do Nordeste brasileiro, marcado pela escassez de bens, em decorrência de longas estiagens, com a economia lexical que resulta em exemplo claro da concisão do que nesta obra se configura como seu elemento de maior significado. Por esse meio, há que se refletir acerca no aproveitamento das conquistas estéticas do Modernismo que amadurecem, por conta de uma narrativa que passa a questionar o lugar do homem no âmbito de uma sociedade que busca superar a situação de atraso secular servindo-se na literatura como tema social e tomada de consciência crítica acerca do dilema brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdemar Valente Junior, Dr., Universidade Castelo Branco

Concluiu o Bacharelato em Letras (Português-Literaturas de Língua Portuguesa) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1992, o Mestrado em Ciência da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1996, o Doutorado em Ciência da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2003 e o Estágio Pós-Doutoral na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em 2014. Professor Assistente da Universidade Castelo Branco e Professor Assistente na Faculdade Paraíso. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura e Cultura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: poesia, narrativa, música popular, teatro e cultura.

Publicado
04-12-2018
Como Citar
JUNIOR, V. V. Espectro da exclusão e da fome. Revista Odisseia, v. 3, n. 2, p. p. 131 - 144, 4 dez. 2018.
Seção
Artigos