Pornodyssey

Pornodyssey: traduzindo ritmo, registro e rebuliço

Palavras-chave: Tradução Literária, Reinaldo Moraes, Pornopopéia, Literatura Brasileira Contemporânea

Resumo

O romance celebrado, Pornopopéia, por Reinaldo Moraes, representa uma espécie de Ulysses joyceano do underground da cidade de São Paulo, nos excessos dos anos 80 estendidos até o início do século 21. Apesar da sua importância na literatura brasileira contemporânea e talvez por causa da sua complexidade linguística e literária na produção do humor distinta da obra, nunca foi traduzida para o inglês. Este artigo reporta em alguns resultados de uma pesquisa de estágio pós-doutoral, em que realizamos a tradução literária comentada dessa obra épica, Pornopopéia, traduzida como Pornodyssey. O arcabouço teórico-metodológico da pesquisa baseou-se de forma geral em um modelo de língua pela perspectiva da Teoria de Gênero e Registro (TGR) (MARTIN; ROSE, 2008) e no conceito da tradutologia de Berman (2012), enquanto a prática tradutória orientada nos conceitos adaptados de ‘total translation’ (tradução total) de Rothenberg (2010), a Teoria de Jazz de Frota (1998), ‘normas’ de Toury (1995),  a discussão de Milton (1998) sobre metáforas para a prática tradutória. Alguns resultados apontam às seguintes características que contribuem ao humor e que apresentam desafios distintos na prática de traduzí-los:  code-mixing e switching, trocadilhos, haiku, a velocidade de mudanças entre múltiplos registros desde eruditas aos de rua, a sonoridade, neologismos, blends e transgressões linguísticas, semânticas e genéricas, além das transgressões de cunho social. A partir dessas reflexões e das de tradução em si, esperamos oferecer para o leitor anglófono o prazer da leitura da obra de Reinaldo Moraes, ao mesmo tempo divulgar a literatura e a cultura brasileira para uma ampla comunidade de fala anglófona pela tradução, e por fim, contribuir com reflexões da prática tradutória para os estudos da tradução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jennifer Sarah Cooper, UFRN

Jennifer Sarah Cooper, PhD., é professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), no Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas, desenvolvendo pesquisas na área de linguística aplicada e tradução. Suas traduções da poesia brasileira estão disponíveis em várias antologias, e ela está atualmente colaborando em uma Antologia das Américas com Jerome Rothenberg e Javier Taboada. É doutora em Estudos da Linguagem - Linguística Aplicada - UFRN; Mestre em Literatura Comparada - tradução literária - San Francisco State University (SFSU); e bacharel em Inglês - Creative Writing, SFSU.

Publicado
31-08-2020
Como Citar
COOPER, J. S. Pornodyssey. Revista Odisseia, v. 5, n. 2, p. p. 81-101, 31 ago. 2020.
Seção
Várias