O país que não existiu: tempo e narração em O Brasil é bom, de André Sant’Anna

Palavras-chave: Literatura contemporânea. Historicidade. Experiência. Expectativa. Século XXI.

Resumo


A literatura expressa ideologias e temporalidades, obras ficcionais podem  propor sociedades distintas das que vivemos. Neste ensaio analiso como, no livro O Brasil é bom (2014), André Sant’Anna critica a conjuntura política ao mesmo tempo em que realiza uma projeção distinta de seu país. Nessa discussão, a temporalidade é o elemento que confere profundidade histórica e política ao livro. Realizo a análise em quatro passos: primeiro apresento o escritor de acordo com seu lugar social de enunciação; posteriormente explico a proposta estética do livro; num terceiro momento discuto a historicidade da obra, em diálogo com Reinhart Koselleck, a partir da relação temporal entre experiência e expectativa; e finalmente analiso as orientações ideológicas de Sant’Anna, para evidenciar como sua proposta estética se desdobra em intencionalidades políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Gomes de Araujo, Universidad Autónoma Metropolitana - Azcapotzalco

Sou estudante de doutorado em Historiografia na Universidad Autónoma de México (UAM-Azcapotzalco), mestre em História pela Universidade Federal do Paraná (PGHIS-UFPR). Tenho interesse pelas interações entre a historiografia e outras formas de relação com o passado, como a literatura e o audiovisual, e por temas relacionados à narrativa, apropriações e práticas culturais, teoria da história e historiografia.

Publicado
20-12-2020
Como Citar
GOMES DE ARAUJO, R. O país que não existiu: tempo e narração em O Brasil é bom, de André Sant’Anna. Revista Odisseia, v. 5, n. Especial, p. 179-195, 20 dez. 2020.