O efeito da frequência de formas verbais no ensino e a produção de frases com o verbo Gustar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2435.2023v8n2ID32278

Palavras-chave:

Produção de frases, Verbo gustar, Espanhol L2

Resumo

Este artigo apresenta um estudo que objetiva analisar evidências de efeito de frequência de formas verbais no contexto de ensino formal e a produção de frases com o verbo gustar em espanhol por aprendizes brasileiros. A literatura mostra que, na aprendizagem da segunda língua, os aprendizes transferem estruturas da primeira língua. Porém, quando há distinções estruturais entre essas línguas, eles podem produzir erros, principalmente, ao se tratar de formas pouco ou não ensinadas. É o caso do verbo gustar (em espanhol), que não equivale totalmente, em termos de uso, ao gostar (em português) e, geralmente, é ensinado com a conjugação incompleta. Assim, a hipótese deste estudo é de que a frequência das formas conjugadas no ensino pode contribuir para a eficácia da produção dos aprendizes. Para avaliar essa hipótese, as produções foram divididas em dois grupos, segundo as formas conjugadas do verbo: 1) com formas conjugadas na terceira pessoa (gusta e gustan) que são mais frequentes no ensino; e 2) com formas conjugadas em primeira e segunda pessoa (gusto, gustas, gustáis e gustamos), que são menos frequentes no ensino. Os dados foram obtidos em tarefa de produção de frases, em que se indicava a forma verbal a ser usada em cada frase. Os resultados evidenciaram produções mais rápidas e acuradas com formas verbais mais frequentes (gusta e gustan), sendo significativa estatisticamente a diferença entre os grupos. Isso mostra que pode ser mais vantajoso aos aprendizes quando o contexto de ensino formal inclui todas as formas conjugadas do verbo gustar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorrainy de Jesus Souza, Universidade Federal de Goiás -UFG

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística - PPGLL/ UFG. Bolsista CAPES.

Susanna Lourenço Cunha, Universidade Federal de Goiás -UFG

Doutoranda em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás-UFG; Mestre Letras e Linguística e Licenciada em Letras: Espanhol pela UFG.

Elena Ortiz Preuss, Universidade Federal de Goiás - UFG

Doutora em Estudos da Linguagem, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Letras pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel). Realizou Estágio Pós-doutoral no Departamento de Espanhol e Português da Georgetown University. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq (PQ-2). Docente do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da UFG.

Referências

CAMPOS, H. Transitividad e intransitividad. In: BOSQUE MUÑOZ, I.; DEMONTE BARRETO, V. (Dir.). Gramática descriptiva de la lengua española. Tomo 2. Las Construcciones sintácticas fundamentales: relaciones temporales, aspectuales y modales. Madrid: Espasa Calpe, 2000. p. 1519-1574.

CANÇADO, M.; AMARAL, L.; MEIRELLES, L. L. Verboweb: uma proposta de classificação verbal. Revista da Anpoll, v. 1, n. 46, p. 123-141, 2018.

CANÇADO, M. Verbos psicológicos: uma classe relevante gramaticalmente? Veredas, v. 16, n. 2, p.1-18, 2012.

CANÇADO, M. Verbos psicológicos do português brasileiro e a análise inacusativa de Belletti & Rizzi: indícios para uma proposta semântica. DELTA - Documentação de estudos em linguística teórica e aplicada, v. 13, n. 1, 1997.

CANÇADO, M. Análise descritiva dos verbos psicológicos do português brasileiro. Revista de Estudos da Linguagem, v. 4, n. 1, p. 89-114, 1996.

COLUCCIELLO, Mariarosaria. Los verbos psicológicos en español e italiano. Cultura Latinoamericana, v. 22, n. 2, p. 97-115, 2015.

CUNHA, S. L. Processamento do verbo gustar por aprendizes brasileiros de espanhol como L2. 2022. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás. 2022.

CUNHA, S. L.; ORTIZ-PREUSS, E. O funcionamento sintático-semântico do verbo gustar na aprendizagem de espanhol por falantes de português: um levantamento bibliográfico. In: CARREIRA, R. A. R.; FLORES JUNIOR, W. J.; BATISTA, T. E. P. B. (org.). Pesquisas em linguística e literatura: PPGLL/UFG 2021. Goiânia: Cegraf UFG, 2021. p. 285-304. E-book. ISBN 978-85-495-0574-3. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/688/o/Pesquisas_em_Linguística_e_Literatura.pdf. Acesso em: 19 ago. 2022.

DELBECQUE, N.; LAMIROY, B. La subordinación sustantiva: Las subordinadas enunciativas en los complementos verbales. In: BOSQUE MUÑOZ, I.; DEMONTE BARRETO, V. (Dir.). Gramática descriptiva de la lengua española. Tomo 2. Las Construcciones sintácticas fundamentales: relaciones temporales, aspectuales y modales. Madrid: Espasa Calpe, 2000. p. 1965-2082.

DEKEYSER, R. Skill acquisition theory. In: VANPATTEN, B.; KEATING, G. D.; WULFF, S. Theories in second language acquisition: an introduction. New York: Routledge, 2020, p. 83-104.

DIAS, Luzia Schalkoski; MOROSOV, Ivete. O uso do verbo gustar por aprendizes brasileiros de espanhol como LE. Revista Intersaberes, v. 8, n. 16, p. 96-107, 2013.

DRUMMOND, A. (2007-2021). Ibex: Internet-based experiments. Disponível em: https://ibex.spellout.net/. Acesso em: 25 jun. 2022.

ELLIS, N. Frequency effects in language processing: a review with implications for theories of implicit and explicit language acquisition. Studies in Second Language Acquisition, 24(2), 2002, p. 143-188.

FINGER, I.; ORTIZ-PREUSS, E. A Psicolinguística do bilinguismo: estudando o processamento linguístico e cognitivo bilíngue. In: ORTIZ-PREUSS, E. FINGER, I. (org,). A dinâmica do processamento bilíngue. Campinas/SP: Pontes Editores, 2018, p. 31-57.

GASS, S. M.; MACKEY, A. Frequency effects and second language acquisition: a complex picture? Studies in Second Language Acquisition. Vol. 24 (2), 2002, p. 249-260.

GASS, S.; SELINKER, L. Second Language acquisition: an introductory course. New York: Routledge, 2008.

GIUSTI, G.; IOVINO, R. Psychological verbs as a vulnerable syntactic domain: A comparative study of Latin and Italian. Língua, v. 223, p. 29-45, 2019.

GROPPI, M. Nos gusta… Pero puede sorprendernos. Intersecciones: Revista da APEESP, 2013, p. 88-99 Disponível em: http://www.apeesp.com.br/wp-content/uploads/88_99.pdf. Acesso em: 25 jun. 2022.

ORDOÑEZ, S. G. Los dativos. In: BOSQUE MUÑOZ, I.; DEMONTE BARRETO, V. (Dir.). Gramática descriptiva de la lengua española. Tomo 2. Las Construcciones sintácticas fundamentales: relaciones temporales, aspectuales y modales. Madrid: Espasa Calpe, 2000. p. 1855-1931.

ORTEGA, L. Cognition. In: ORTEGA, L. Understanding second language acquisition. New York, Routledge, 2013, p. 82-109.

ORTIZ-PREUSS, E. Psicolinguística do Bilinguismo: Implicações em processos formais de aquisição de línguas. Ilha do Desterro. v. 72, n. 3, 2019, p. 291-309.

ORTIZ-PREUSS, E. Ensino do verbo gustar em espanhol para brasileiros: intervenção pedagógica baseada na instrução de processamento. Letrônica, v. 10, n. 2, p. 789-804, 2017.

ORTIZ-PREUSS, E.; SANZ, C. Aquisição de L2: Interação entre variáveis externas e internas. In: ORTIZ-PREUSS, E; COUTO, E K. N. N. do; RAMOS, R M. do (orgs.). Múltiplos olhares e Linguística e Linguística Aplicada. Campinas: Pontes, 2016, p. 121-134.

ORTIZ-PREUSS, E. Similaridade linguística entre português e espanhol: efeitos na produção de fala em L2. Revista (Con)Textos Linguísticos, v. 8, n. 10, p. 66-82, 2014.

RAE. REAL ACADEMIA ESPAÑOLA; Asociación de Academias de la Lengua Española. Nueva Gramática de la lengua española – Manual. Madrid: Espasa Libros, 2010.

RINGBOM, H.; JARVIS, S. The importance of crosslinguistic similarity in foreign language learning. In: LONG, M. H.; DOUGHTY, C. J. (Ed.). The handbook of language teaching. Oxford: Blackwell Publishing Ltd, 2011. p. 106-118.

ROBERTS, L. Individual Differences in Second Language Sentence Processing. Language Learning, 62: Suppl. 2, 2012. p. 172–188.

ROMERO, G. P. O. Procesamiento del input en la didáctica de lenguas afines: Un estudio basado en la Instrucción de Procesamiento para la enseñanza de las oraciones concesivas a aprendices brasileños. DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 35, 2019.

SANTIAGO ALONSO, G. Los efectos de la instrucción de procesamiento con input/output enriquecido para la adquisición del artículo en español. Colindancias: Revista de la Red de Hispanistas de Europa Central, n. 8, 2017, p. 221-249.

SANZ, C. et al. One size fits all? Pedagogical Conditions and Working Memory Capacity in Early Language Development. Applied Psycholinguistics, 2015.

SCHOLL, A. P.; FINGER, I. Elaboração de um questionário de histórico da linguagem para pesquisas com bilíngues. Nonada: Letras em revista, v. 2, n. 21, 2013, p. 12-17.

SOARES, E. C.; MENUZZI, S. de M. Introduzindo e problematizando papéis temáticos e hierarquias temáticas: uma questão de interfaces. Signo, v. 35, n. 59, 2010, p. 13-43.

THE JAMOVI PROJECT. Jamovi (Version 1.6) [Computer software]. 2021. Disponível em: https://www.jamovi.org. Acesso em: 28 mar. 2022.

VANPATTEN, B. et al. Introduction: the nature of theories. In: VANPATTEN, B.; KEATING, G. D.; WULFF, S. Theories in second language acquisition: an introduction. New York: Routledge, 2020, p. 1-18.

VANPATTEN, B. Input processing in adult L2 acquisition. VANPATTEN, B.; KEATING, G. D.; WULFF, S. Theories in second language acquisition: an introduction. New York: Routledge, 2020, p. 105-127.

VANPATTEN, B. Processing instruction. In: SANZ, Cristina (Ed.). Mind and Context in adult second language acquisition: methods, theory, and practice. Washington DC: GUP, 2005, p. 267-281.

VANPATTEN, B. Processing Instruction: An Update. Language Learning, v. 52, n. 4, p. 755-803, 2002.

VANPATTEN, B. Input Processing and Grammar Instruction in Second Language Acquisition. New Jersey: Ablex Publishing Corporation: 1996.

VANPATTEN, B.; CADIERNO, T. Input processing and second language acquisition: A role for instruction. The Modern Language Journal. v. 77, n. 1, p. 45-57, 1993.

VITA, C. P. A opacidade da suposta transparência: quando “amigos” funcionam como “falsos amigos”. 2005. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8145/tde-07082007-160214/publico/TESE_CLAUDIA_PACHECO_VITA.pdf. Acesso em: 28 mar. 2022.

ZEHR, J.; SCHWARZ, F. PennController for Internet Based Experiments (IBEX), 2018. DOI: 10.17605/OSF.IO/MD832.

Downloads

Publicado

16-11-2023

Como Citar

DE JESUS SOUZA, L.; LOURENÇO CUNHA, S.; ORTIZ PREUSS, E. O efeito da frequência de formas verbais no ensino e a produção de frases com o verbo Gustar. Revista Odisseia, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 139–158, 2023. DOI: 10.21680/1983-2435.2023v8n2ID32278. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/32278. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos