Pioneiras da Educação no Brasil: Mulheres, professoras e intelectuais

  • Rita de Cássia Fraga Machado Docente do PPGEDU/UEA
  • Fernanda Santos Paulo Doutora em educação pela UNISINOS/ Instituto de Desenvolvimento Social Brava Gente, BRAVAGENTE, Brasil
Palavras-chave: Pioneiras, educação brasileira, mulheres, professoras, intelectuais, feminismo

Resumo

As trajetórias teórico-práticas das intelectuais Nísia Floresta (1810-1885), Ana Maria Saul (1945) e Maria Lacerda de Moura (1887-1945) contribuíram e contribuem para movimentos de reinvenção da Educação nas dimensões popular, epistemológica, cultural, antropológica e política em uma perspectiva histórica. A compreensão de educação e universidade, neste texto, advém da trajetória das professoras que, em suas vidas e obras, possuem significativas contribuições para repensar a universidade na perspectiva da Educação libertadora. A sua prática profissional como mulheres intelectuais e militantes da Educação é permeada por processos de formação política. Entender esse processo na dimensão ético-política colabora no entendimento da Educação como concepção que disputa o projeto de sociedade. O objetivo deste artigo, portanto, é apresentar as trajetórias teórico-práticas dessas mulheres pioneiras da Educação brasileira. O seu trabalho é pouco conhecido pela academia, que por sua vez é machista. Desta maneira, faz-se necessário conhecer como suas trajetórias na educação brasileira possuem significativos impactos nas pesquisas educacionais, trazendo à vista o pensamento dessas mulheres, que é de suma importância para os estudos de educação e mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
31-01-2020
Como Citar
FRAGA MACHADO, R. DE C.; SANTOS PAULO, F. Pioneiras da Educação no Brasil: Mulheres, professoras e intelectuais. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 27, n. 52, p. 181-197, 31 jan. 2020.