Políticas de golpe - sobre o poder de voz e o poder de silenciamento

  • Janyne Sattler Docente do departamento de filosofia da UFSC
Palavras-chave: poder, política, distinção público/privado, feminismo

Resumo

A proposta deste artigo é refletir sobre os significados engendrados pela voz masculina como a voz do poder por excelência, sinônima de voz pública e de legitimidade política cuja outorga é atribuída em detrimento das vozes femininas ou femininizadas, relegadas ao silêncio da domesticidade. Tais significados são construídos a partir da distinção público-privado-doméstico, oriunda das teorias políticas contratualistas modernas e da imposição social e econômica do capitalismo compreendido como fenômeno de contrarrevolução às lutas sociais anti-feudais. Tais significados reproduzem, sob a luz de uma conceituação aparentemente emancipatória, as imagens de exclusão e silenciamento presentes nos castigos mitológicos impostos sobre mulheres como Io, Eco e Filomela, e que repercutem nas políticas misóginas de texto e de linguagem vivenciadas contemporaneamente por mulheres na política.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
31-01-2020
Como Citar
SATTLER, J. Políticas de golpe - sobre o poder de voz e o poder de silenciamento. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 27, n. 52, p. 87-113, 31 jan. 2020.