Teologia Política e Constituição da Ordem: Carl Schmitt e a Filosofia de Estado da Contrarrevolução

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2109.2022v29n60ID28981

Palavras-chave:

Teologia Política, Teoria da Constituição, Carl Schmitt, Louis Ambroise de Bonald, Joseph de Maistre

Resumo

O objetivo deste trabalho é desenvolver uma reflexão a respeito da leitura feita por Carl Schmitt dos intelectuais católicos como filósofos de Estado da contrarrevolução. Pontualmente, o trabalho concentra-se na relação estabelecida por Carl Schmitt entre Teologia Política e Constituição, a partir da análise das reflexões De Maistre e De Bonald, em especial no que diz respeito a leitura teológico-política de categorias centrais da teoria da constituição, como, por exemplo, a questão do poder constituinte e da constituição da ordem, uma reflexão crítica de tais categorias não para restaurar a monarquia, mas, sim, apontando para a defesa da ditadura. Assim, partindo de um método hermenêutico, foram analisados os textos de bibliografia primária e, doravante, obras outras de interlocutores, bem como outros autores que se dedicaram ao problema em análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Argemiro Cardoso Moreira Martins, UnB

Doutor em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor adjunto da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB)

Caio Henrique Lopes Ramiro, UnB

Doutorando em Direito na Universidade de Brasília (UnB). Professor substituto na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Professor de Filosofia do Direito do Centro Universitário Central Paulista (UNICEP).

Referências

ABELLÁN, Joaquín. Reacciones ante la Revolución Francesa (Edmund Burke, los pensadores alemanes y de Maistre y de Bonald). In: VALLESPÍN, Fernando. Historia de la teoria política. Vol. 5. Madrid: Alianza Editorial. 1993.

BENDERSKY, Joseph W. Carl Schmitt teorico del Reich. Il Mulino. 1989.

BONALD, Louis-Ambroise. Teoría del poder político y religioso. Trad. Julián Morales. Madrid: Tecnos. 1988.

BONAZZI, Tiziano. Conservadorismo. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. 9ª ed. Trad. Carmen C. Varriale et. al. Brasília: editora da UnB. 1997.

BUENO, Roberto. Uma interpretação conservadora revolucionária do político e da ditadura: o potencial totalitário de Carl Schmitt. Tese de doutorado. Universidade Federal do Paraná. 2011. Disponível na internet: http://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/28342. Acesso em: 05 de julho de 2012.

BUENO, Roberto. A política como autoritarismo: o projeto compartilhado de Donoso Cortés e Jaime Balmes à sombra de Carl Schmitt. In: Intus-Legere Filosofía, vol. 6, nº 1, p. 77-96. 2012.

BUENO, Roberto. Carl Schmitt, leitor de Donoso Cortés: ditadura e exceção em chave teológico medieval. In: Revista Brasileira de Estudos Políticos, Belo Horizonte, nº 105, p. 453-494.

BUENO, Roberto. Autoridade e política: a gestação do conceito de ditadura em Donoso Cortés e sua recepção por Schmitt. In: Agóra Filosófica, nº 1, p. 61-96. 2013.

BUENO, Roberto; RAMIRO, Caio Henrique Lopes (orgs.). Sonhos e pesadelos da democracia em Weimar: tensões entre Carl Schmitt e Hans Kelsen. São Paulo: LiberArs. 2017.

CRISTI, Renato. Carl Schmitt and authoritarian liberalism: strong state, free economy. University os Wales Press. Card. 1998.

D’ORS, Alvaro. Teologia política: uma revisión del problema. In: Revista de Estudos Políticos, nº 205, Madrid, pp. 41-79. 1976.

FERREIRA, Bernardo. O risco do político: Crítica ao liberalismo e teoria política no pensamento de Carl Schmitt. Belo Horizonte: UFMG. 2004.

FONSECA, Rita Sacadura. Introdução. A obra na vida do autor. In: MAISTRE, Joseph de. Considerações sobre a França. Trad. Rita Sacadura Fonseca. Coimbra: Almedina. 2010.

GAHYVA, Helga. Notas sobre o conservadorismo: elementos para a definição de um conceito. In: Política e sociedade. Florianópolis, vol. 16, nº 35, pp. 299-320.2017.

GORRAIS, Jesus Maria Oses. Joseph de Maistre: un adversario del Estado moderno. In: Revista de Estudios Politicos, nº 80, pp. 225-245. 1993.

HOBSBAWM, Eric. Ecos de Marselha: dois séculos reveem a Revolução Francesa. Trad. Maria Cecilia Paoli. São Paulo: Companhia das Letras. 1996.

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções: 1789-1848. 35ª ed. Trad. Maria Tereza Teixeira e Marcos Penchel. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2015

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Trad. João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Abril Cultural. 1974.

KANTOROWICZ. Ernst. Os dois corpos do rei: um estudo sobre a teología política medieval. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras. 1998.

KENNEDY, Ellen. Carl Schmitt en la República de Weimar: la quiebra de una constitución. Trad. Pedro Lomba Falcón. Madrid: Técnos. 2012.

MAISTRE, Joseph de. Considerações sobre a França. Trad. Rita Sacadura Fonseca. Coimbra: Almedina. 2010.

MANNHEIM, Karl. O significado do conservantismo. In: FORACCHI, Marialice Mencarini. Sociologia. São Paulo: Ática. 1982.

MARTINS, Argemiro Cardoso Moreira. O pensamento político-constitucional de Carl Schmitt no contexto histórico-político da república de Weimar. Dissertação apresentada ao programa de pós-graduação em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina. 1996.

MARTINS, Argemiro Cardoso Moreira. À sombra de Weimar: democracia e constituição no debate entre Hans Kelsen e Carl Schmitt. In: BUENO, Roberto (org.). Carl Schmitt, hoje: política, direito e teologia. São Paulo: Max Limonadi. 2015.

MARTINS, Argemiro Cardoso Moreira. O debate entre Hans Kelsen e Carl Schmitt em seu tempo e para além dele. In: BUENO, Roberto; RAMIRO, Caio Henrique Lopes (orgs.). Sonhos e pesadelos da democracia em Weimar: tensões entre Carl Schmitt e Hans Kelsen. São Paulo: LiberArs. 2017.

MORAES, João Quartim. Democracia e soberania do povo, da ilustração à Revolução Francesa. In: CHAHRUR, Alan Ibn; RAMIRO, Caio Henrique Lopes (Orgs.). Labirintos da filosofia do direito: estudos em homenagem a Oswaldo Giacoia Junior. São Paulo: LiberArs. 2018.

MURCIANO, Antonio Fornes. Providencialismo, decisionismo y pessimismo antropológico. Influencia de Joseph de Maistre en la teologia política de Donoso Cortés. In: Hispania Sacra, 127, pp. 235-260. 2011.

NETTO, Leila Escorsim. O conservadorismo clássico: elementos de caracterização e crítica. São Paulo: Cortez. 2011.

NISBET, Robert. Conservadorismo. Lisboa: editorial Estampa. 1987.

RAMIRO JUNIOR, Luiz Carlos. Secularização e contrarrevolução. In: [Syn]thesis, Rio de Janeiro, vol. 6, nº 2, pp. 157-166. 2013.

ROMANO, Roberto. O pensamento conservador. In: Revista de Sociologia e Política, nº 3, p. 21-31.1994.

ROMANO, Roberto. Conservadorismo romantico: origem do totalitarismo. São Paulo: editora Brasiliense. 1981.

SÁ, Alexandre Franco de. Sobre a jusitificação racional do poder absoluto: racionalismo e decisionismo na teologia política de Carl Schmitt. In: Revista Filosófica de Coimbra, Coimbra, nº 23, p. 157-180.2003.

SÁ, Alexandre Franco de. O poder pelo poder: ficção e ordem no combate de Carl Schmitt em torno do poder. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. 2009.

SCATOLA, Merio. Teologia política. Trad. José Jacinto Correia Serra. Lisboa: Edições 70. 2009.

SCHMITT, Carl. La dictadura: desde los comienzos del pensamiento moderno de la soberanía hasta la lucha de clases proletaria. Trad. José Díaz Garcia. Madrid: Revista de Ocidente. 1968.

SCHMITT, Carl. I tre tipi di pensiero giuridico. In: Le categorie del ‘politico’: saggi di teoria politica. Trad. Gianfranco Miglio e Pierangelo Schiera. Bologna: Società editrice il Mulino. 1972.

SCHMITT, Carl. El Leviathan en la teoría del Estado de Tomás Hobbes. Buenos Aires: Struhart & Cía. 1990.

SCHMITT, Carl. O conceito do político. Trad. Alvaro L.M. Valls. São Paulo: Vozes. 1992.

SCHMITT, Carl. Teologia Política. Trad. Inês Lohbauer. In: A crise da democracia parlamentar. São Paulo: Scritta. 1996a.

SCHMITT, Carl. A situação intelectual do sistema parlamentar atual. Trad. Inês Lohbauer. In: A crise da democracia parlamentar. São Paulo: Scritta. 1996b.

SCHMITT, Carl. Catolicismo romano e forma política. Trad. Alexandre Franco de Sá. Lisboa: Hugin. 1998.

SCHMITT, Carl. La teoría política do mito. In: AGUILAR, Héctor Orestes. Carl Schmitt, teólogo da política. México: Fondo de Cultura Ecónomica. 2001a.

SCHMITT, Carl. El ser y el devenir del Estado fascista. In: AGUILAR, Héctor Orestes. Carl Schmitt, teólogo da política. México: Fondo de Cultura Ecónomica. 2001b.

SCHMITT, Carl. El giro hacia el Estado totalitário. In: AGUILAR, Héctor Orestes. Carl Schmitt, teólogo da política. México: Fondo de Cultura Ecónomica. 2001c.

SCHMITT, Carl. El Führer defiende el derecho. In: AGUILAR, Héctor Orestes. Carl Schmitt, teólogo da política. México: Fondo de Cultura Ecónomica. 2001d.

SCHMITT, Carl. Interpretácion europea de Donoso Cortés. Trad. Francisco de Asís Caballero. Buenos Aires: Struhart & Cia. 2006.

SCHMITT, Carl. Legalidade e legitimidade. Trad. Tito Livio Cruz Romão. Belo Horizonte: Del Rey. 2007.

SCHMITT, Carl. Ética de Estado e Estado pluralista. In: MOUFFE, Chantal (et. all.). El desafio de Carl Schmitt. Buenos Aires: Prometeo Libros. 2011, pp. 283-301.

SCHMITT, Carl. Ditadura y estado de sitio. In: SCHMITT, Carl. Ensayos sobre la dictadura. 1916-1932. Trad. José Diaz Garcia; Pedro Madrigal Devesa. Madrid: Tecnos. 2013.

SCHMITT, Carl. La época de la neutralidad. Buenos Aires: Struhart & Cia. S/d.

SCHMITT, Carl. Romantismo político. Trad. Luis A. Rossi; Silvia Schwarzböck. Revisão: Jorge E. Dotti. Buenos Aires: editorial Struhart. s/d.

SCHMITT, Carl. Ex captivitate salus: experiencias de los años 1945/1946. Trad. Anima Schmitt de Otero. Buenos Aires: editorial Struhart & Cia. 1950.

SOBOUL, Albert. Jean-Jacques Rousseau et le jacobinisme. Studi Storici, Ano 4, nº 1, Istituto Gramsci, Roma, Jan.-Mar., 1963, pp.3-22. Disponível em: Acesso em: 8 out. 2021.

VILLACAÑAS, José Luis. Poder y conflito: ensayos sobre Carl Schmitt. Madrid: Biblioteca Nueva. 2008.

VILLACAÑAS, José Luis. Teologia e mitologia política. Um retrato de Carl Schmitt. Trad. António Bento. Disponível na internet: http://www.bocc.uff.br/pag/bento-antonio-carl-schmitt-teologia.pdf. Acesso em: 1º de fevereiro de 2013.

VOVELLE, Michel. Jacobinos e jacobinismos. Tradução: Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2000.

Downloads

Publicado

25-11-2022

Como Citar

CARDOSO MOREIRA MARTINS, A.; LOPES RAMIRO, C. H. Teologia Política e Constituição da Ordem: Carl Schmitt e a Filosofia de Estado da Contrarrevolução. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), [S. l.], v. 29, n. 60, p. 103–130, 2022. DOI: 10.21680/1983-2109.2022v29n60ID28981. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/28981. Acesso em: 16 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Carl Schmitt e o pensamento político contemporâneo