The notion of sense: presenting a non-fregean alternative

Autores

  • Rodrigo Jungmann

Resumo

Há sérios problemas, contudo, no que concerne à caracterizaçáo da noçáo de sentido fregeano. Por vezes, Frege sugere que o sentido de um nome próprio é dado por uma descriçáo definida associada, cujo conteúdo individua a referência do nome em questáo. Por sua vez, Bertrand Russell rejeita expressamente o sentido fregeano, e, ao mesmo tempo, afirma que nomes próprios comuns revelam-se, quando analisados, como descrições definidas disfarçadas. Essa posiçáo, hoje conhecida como descritivismo, foi atribuída, por Saul Kripke, entre outros, a Frege e Russell, a despeito de suas posturas teóricas diversas. Infelizmente, os paradoxos da referência também sáo espinhosos para as teorias de referência direta. Neste artigo, fazemos um sumário das dificuldades para ambos os lados da disputa e apresentamos uma defesa da interpretaçáo náo-fregeana do sentido de Michael Devitt, a qual evita os problemas do descritivismo mas rejeita a referência direta. Faz-se um uso crucial da teoria histórico-causal, que náo temos razáo para abandonar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

23-09-2010

Como Citar

JUNGMANN, R. The notion of sense: presenting a non-fregean alternative. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), [S. l.], v. 16, n. 25, p. 121–138, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/443. Acesso em: 15 jul. 2024.