TOWA, Marcien. A ideia de filosofia negro-africana.

  • Luís Thiago Freire Dantas Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: História da Filosofia, Filosofia Africana, Estudos Pós-Coloniais

Resumo

A grande parte da vida intelectual do filósofo camaronês Marcien Towa consistiu em um debate acerca do trânsito da filosofia africana na discussão com a europeia, principalmente no que se refere à exposição de um diálogo equânime entre as tradições. Esse movimento impulsionado pela formação acadêmica na École Normale d’Instituteurs na França, onde defendeu uma dissertação sobre Bergson e Hegel, permitiu a esse filósofo compreender a necessidade de construir uma série de refutações àqueles acadêmicos que deslegitimavam a existência de uma filosofia africana. Por essa forma, Towa defendeu a tese de doutorado Identité et Transcendence que tinha como principal crítica as teorias de identidades que reduziriam a filosofia dos povos africanos a uma etno-filosofia, ou entenderiam a contribuição a africana somente no plano artístico e corporal, jamais no filosófico e científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Thiago Freire Dantas, Universidade Federal do Paraná
Doutorando em Filosofia pela UFPR. Mestre em Filosofia pela UFPR. Especialista em Educação das Relações Étnico-Raciais pelo NEAB-UFPR. Licenciado em Filosofia pela UFS.
Publicado
16-12-2016
Como Citar
DANTAS, L. T. F. TOWA, Marcien. A ideia de filosofia negro-africana. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 23, n. 42, p. 299-306, 16 dez. 2016.