O trabalho entre o reconhecimento e a loucura: possíveis contribuições de Christophe Dejours para uma revisão da gramática moral dos conflitos sociais [The work between recognition and madness: Dejours' possible contributions to a review of the moral grammar of social conflicts]

  • Ricardo Rojas Fabres Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Reconhecimento, Honneth, Dejours, Trabalho, Sofrimento, Ética

Resumo

O artigo apresenta possíveis contribuições do psicanalista francês Christophe Dejours para a teoria do reconhecimento, de Axel Honneth. A partir da tese de Honneth sobre o fundamento normativo dos conflitos sociais, discute-se como a atual configuração do mundo do trabalho desenvolve impedimentos para reivindicações morais na terceira esfera do reconhecimento. Com base nos estudos da psicodinâmica do trabalho, pretende-se demonstrar que na luta contra o sofrimento no trabalho os sujeitos empregam defesas psicológicas que permitem afastar o risco de manifestações psicopatológicas ao mesmo tempo em que promovem um tipo de alienação que atenua a consciência moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Rojas Fabres, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutorando em Filosofia (UFRGS) e Bolsista do CNPq

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2008.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez, 1991.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. São Paulo: FGV, 1999.

DEJOURS, C. Psicopatología del trabajo – Psicodinámica del Trabajo. Revista Laboreal. v. 7, 2011, n. 1.

DEJOURS, C. A. Sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Rev. Port. Psicanál. v. 33, n. 2, 2013, p. 9-28.

DEJOURS, C; ABDOUCHELI, E. Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In: DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. (Org.). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994. p. 119-145.

DEJOURS, C; DESSORS, D; MOLINIER, P. Para comprender la resistencia al cambio. In: DESSORS, D.; GUIHO-BAILLY, M.-P. (Org.). Organización del trabajo y salud: de la psicopatología a la psicodinámica del trabajo. Buenos Aires: Lumen, 1998. p. 11-22.

DERANTY, J. Les horizons marxistes de l'éthique de la reconnaissance. Actuel Marx. n. 2, 2005, p. 159-178.

DERANTY, J. Repressed materiality: retrieving the materialism in Axel Honneth's theory of recognition. Critical Horizons. v. 7, n. 1, 2006, p. 113-140.

DERANTY, J. Work and the precarisation of existence. European journal of social theory. v. 11, n. 4, 2008, p. 443-463.

DERANTY, J. Critique of political economy and contemporary critical theory: a defence of Honneth’s theory of recognition. In: SCHMIDT-AM-BUSCH, H. C.; ZURN, C. (Ed.). The philosophy of recognition: historical and contemporary perspectives. Berlin: Akademie, 2009. p. 285-318.

DERANTY, J; DEJOURS, C. The centrality of work. Critical Horizons. v. 11, 2010, p. 167-180.

FRASER, N; HONNETH, A. Redistribution or recognition?: a political-philosophical exchange. Londres: Verso, 2003.

FROMM, E. Marx y su concepto del hombre. México: Fondo de Cultura Económica, 1975.

GERNET, I; DEJOURS, C. Évaluation du travail et reconnaissance. Nouvelle revue de psychosociologie. n. 2, 2009, p. 27-36, 2009.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: 34, 2003.

HONNETH, A. Trabalho e reconhecimento: tentativa de uma redefinição. Civitas – Revista de Ciências Sociais. v. 8, n. 1, 2008, p. 46-67, 2008.

HONNETH, A. El derecho de la libertad: esbozo de una eticidad democrática. Buenos Aires: Katz, 2014.

KOCYBA, H.; RENAULT, D. Reconnaissance, subjectivisation, singularité. Travailler. n. 18, 2007, p. 103-118.

MÁRKUS, G. Marxismo e Antropologia: o conceito de essência humana na filosofia de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

RENAULT, E. Psychanalyse et conception critique du travail: trois approches francfortoises (Marcuse, Habermas et Honneth). Travailler. n. 20, 2008, p. 61-75.

RENAULT, E. Reconnaissance et travail. Travailler. n. 18, 2007, p. 119-135.

SCHMIDT AM BUSCH, H.-C. ¿Se pueden alcanzar los objetivos de la Escuela de Frankfurt mediante la teoría del reconocimiento?. Arxius de Sociología. v. 22, 2010, p. 95-114.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: impactos pessoais no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Record, 2002.

ZURN, C. F. Recognition, redistribution, and democracy: dilemmas of Honneth's critical social theory. European Journal of Philosophy. v. 13, n. 1, 2005, p. 89-126.

Publicado
16-12-2016
Como Citar
FABRES, R. R. O trabalho entre o reconhecimento e a loucura: possíveis contribuições de Christophe Dejours para uma revisão da gramática moral dos conflitos sociais [The work between recognition and madness: Dejours’ possible contributions to a review of the moral grammar of social conflicts]. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 23, n. 42, p. 275-296, 16 dez. 2016.