TELESSAÚDE COMO FERRAMENTA DE APOIO À ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: UM OLHAR SOBRE AS TELECONSULTORIAS EM CARDIOLOGIA

  • Bruno Erick de Barros Lucena Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • José Diniz Junior Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Rosiane Viana Zuza Diniz Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

Introdução: O Sistema Único de Saúde do Brasil vem apresentado resultados promissores nas questões relativas à saúde da população, mas ainda enfrenta o desafio das desigualdades tão frequentes. Uma proposta para auxiliar o enfrentamento desse desafio é a telessaúde, prática relacionada à oferta de serviços de saúde utilizando tecnologias de informação e comunicação. Considerando a prevalência das doenças cardiovasculares e seu potencial de morbimortalidade em todo o Brasil, um programa de teleconsultoria em cardiologia pode melhorar a qualidade do atendimento aos pacientes, além de ter relevante importância como ferramenta de educação permanente em serviço.

Métodos: Trata-se de estudo observacional e descritivo que consiste na análise das Segundas Opiniões Formativas em cardiologia atualmente existentes no portal Telessaúde Brasil e das teleconsultorias em cardiologia realizadas no período de abril a novembro de 2014 no núcleo de Telessaúde do Rio Grande do Norte.

Resultados: Foram identificadas 56 Segundas Opiniões Formativas relacionadas à cardiologia no portal Telessaúde Brasil, sendo a maioria referentes à hipertensão arterial sistêmica (29%), solicitadas por médicos (59%) e com abordagem sobre aspectos relativos a apoio ao tratamento (30%). No núcleo de Telessaúde do Rio Grande Norte, foram realizadas 47 teleconsultorias em cardiologia, sendo a maior parte delas também relativa à hipertensão arterial (50%), requeridas em sua maioria por agentes comunitários de saúde (45%) e com enfoque direcionado a apoio ao tratamento (52%)

Conclusão: A teleconsultoria representa uma estratégia prática e eficiente, capaz de garantir a oferta de serviços de saúde, alcançando aqueles que vivem em áreas distantes e carentes. Conhecer a demanda das teleconsultorias é de extrema relevância, pois pode fornecer informações necessárias para suprir as deficiências existentes, quer sejam de natureza assistencial, gerencial e/ou educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Erick de Barros Lucena, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Médico Cardiologista do Hospital Universitário da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestrando em Ensino na Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
José Diniz Junior, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutor em Medicina (Otorrinolaringologia) pela Universidade Federal de São Paulo. Professor do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Rosiane Viana Zuza Diniz, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutora em Medicina (Cardiologia) pela Universidade Federal de São Paulo. Professora do Departamento de Medicina Clínica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

World Health Organization. Global Observatory for ehealth Series. v. 2. Genebra: WHO; 2010. Disponível em <http://www.who.int/goe/publications/ehealth_series_vol2/en/>. Acesso em 10 de novembro de 2014.

Ministério da Saúde, Brasil. Portaria nº 35, de 4 de janeiro de 2007. Institui, no âmbito do Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Telessaúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 4, 5 jan. 2007. Seção 1, p. 85.

Ministério da Saúde, Brasil. Portaria nº2.546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). 2011. Disponível em <http://www.saude.mt.gov.br/upload/legislacao/2546-[5054-041111-SES-MT].pdf>. Acesso em 03 de novembro de 2014.

RIBEIRO FILHO, J.L., MESSINA, L.A., LOPES, P.R. Rute 100: as 100 primeiras unidades de Telemedicina (RUTE). 1. ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2014.

ALKMIM, M.B.M. Fatores associados à utilização de sistema de teleconsultoria na atenção primária de municípios remotos de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2010. Dissertação (mestrado): Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina.

Ministério da Saúde (Brasil). Manual de Telessaúde para Atenção Básica / Atenção Primária à Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

CURIONI, C.C., CURY, M.T.F., CARMO, M.G. Potencialidades das atividades de teleconsultorias em Nutrição. J Bras Tele. 2013;2(3):41-45.

HADDAD, A.E. A Odontologia na Política de Formação dos Profissionais de Saúde, o papel da Teleodontologia como ferramenta do processo de ensino-aprendizagem e a criação do Núcleo de Teleodontologia da FOUSP. São Paulo, 2011. Tese (Livre-Docência em Odontopediatria): Faculdade de Odontologia da USP.

WEN, C.L. Telemedicina e Telessaúde: Inovação e Sustentabilidade. In Gold book [Internet]: inovação tecnológica em educação e saúde. Disponível em . Acesso em 20 de dezembro de 2012.

MARCOLINO, M.S., ALKMIN, M.B., ASSIS, T.G.P., SOUSA, L.A.P., RIBEIRO, A.L.P. Teleconsultorias no apoio à atenção primária à saúde em municípios remotos no estado de Minas Gerais, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2104;35 (5/6):345-52.

Ministério da Saúde, Brasil. Manual de Telessaúde para a Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde. Protocolo de resposta a teleconsultorias. Ministério da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013. Disponível em <http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/resposta_teleconsultorias.pdf>. Acesso em 20 de outubro de 2014.

SIMÃO, A.F., PRÉCOMA, D.B., ANDRADE, J.P., CORREA FILHO, H., SARAIVA, J.F.K., OLIVEIRA, G.MM., et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013: 101 (6Supl.2): 1-63.

GOFF JR, D.C., LLOYD-JONES, D.M., BENNETT, G., D'AGOSTINO, R.B., GIBBONS, R., GREENLAND, P., LACKLAND, D.T. et al. 2013 ACC/AHA guideline on the assessment of cardiovascular risk: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines.Circulation. 2014 Jun 24;129(25 Suppl 2):S49-73.

PERK, J., DE BACKER, G., GOHLKE, H., GRAHAM, I., REINER, Z., VERSCHUREN, M., et al; European Association for Cardiovascular Prevention & Rehabilitation (EACPR); ESC Committee for Practice Guidelines (CPG). European Guidelines on cardiovascular disease prevention in clinical practice (version 2012). The FifthJointTask Force of the EuropeanSociety of Cardiology and Other Societies on Cardiovascular Disease Prevention in Clinical Practice (constituted by representatives of nine societies and by invited experts). European Association for Cardiovascular Prevention & Rehabilitation (EACPR); ESC Committee for Practice Guidelines (CPG). Eur Heart J.2012;33(13):1635-701. Erratum in Eur Heart J. 2012;33(17):2126.

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de Telessaúde para a Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde: Protocolo de Telerregulação de Teleconsultorias. Ministério da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013.

Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): 1-51.

Ministério da Saúde, Brasil. Grupo Hospitalar Conceição. Protocolo de Hipertensão Arterial Sistêmica para a Atenção Primária em Saúde; Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição, 2009. Disponível em <http://www2.ghc.com.br/GepNet/publicacoes/protocolodehipertensao.pdf>. Acesso em 01 de dezembro de 2014.

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em <http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.pdf>. Acesso em 20 de novembro de 2014.

Publicado
08-05-2015
Como Citar
Lucena, B. E. de B., Diniz Junior, J., & Diniz, R. V. Z. (2015). TELESSAÚDE COMO FERRAMENTA DE APOIO À ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: UM OLHAR SOBRE AS TELECONSULTORIAS EM CARDIOLOGIA. Revista Brasileira De Inovação Tecnológica Em Saúde - ISSN:2236-1103, 5(1). https://doi.org/10.18816/r-bits.v5i1.6998
Seção
Artigos Originais