Etchplanação da Ibiapaba Setentrional, Noroeste do Ceará: abordagem dos principais processos erosivos

Autores

  • Marcelo Martins de Moura-Fé Professor do Departamento de Geociências Universidade Regional do Cariri-URCA

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-3359.2017v3n1ID11899

Resumo

A teoria da etchplanação propõe a análise integrada dos processos de morfogênese e pedogênese na análise geomorfológica de cunho evolutivo, mormente àquelas relacionadas as etapas de modelagem das feições morfológicas. Assim, a partir dos contextos intempérico-erosivos, relacionados a outros fatores naturais, tais como as litologias, topografia e parâmetros climáticos predominantes, dentre outros, esta base teórica foi utilizada para a evolução geomorfológica da Ibiapaba, com ênfase na abordagem dos principais processos erosivos verificados na região e suas implicações, objetivo principal deste trabalho. Metodologicamente, associado a esse princípio teórico, foi utilizado um contingente metodológico, o qual se apoiou nas etapas de gabinete, com detalhados e criteriosos levantamentos bibliográfico e cartográfico, na realização de levantamentos de campo e na análise integrada de todos os dados na etapa de laboratório, com ênfase nos mapeamentos temáticos da Ibiapaba e região.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Martins de Moura-Fé, Professor do Departamento de Geociências Universidade Regional do Cariri-URCA

Professor da Universidade Regional do Cariri (URCA), vinculado ao Departamento de Geociências (DEGEO) / Licenciatura em Geografia. Sub-chefe de Departamento, vice-coordenador do Laboratório de estudos em Geomorfologia e Pedologia do semiárido (GeoPed) da URCA, onde desenvolve projetos de Iniciação Científica e Extensão Universitária. Membro da Comissão de Pesquisa do DEGEO. Doutor em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará (PPGG-UFC) na modalidade: Dinâmica Ambiental e Territorial. Mestre em Geografia pela UFC (2008), Bacharelado (2006) e Licenciatura Plena (2005) em Geografia pela UFC, Especialização em Auditoria Ambiental (CENTEC, 2012). Tem experiência na área de Geociências / Geografia Física, especialmente em Geomorfologia Estrutural, Ambiental e Aplicada. Atualmente desenvolve projetos de pesquisa sobre Geodiversidade, Geoconservação, Geoturismo e Geoeducação no Geopark Araripe, na Região Metropolitana do Cariri (RMC) e na região da Ibiapaba.

Referências

ADAMS, G. (ed.) Planation Surface. Benchmark Papers in Geology, v. 22, Pennsylvania: Dowden, Hutchinson and Ross, 1975.

ALCÁNTARA-AYALA, I. Geomorphology, natural hazards, vulnerability and prevention of natural disasters in developing countries. Geomorphology, v. 47, p. 107-124, 2002.

AMORIM, R. R. e OLIVEIRA, R. C. Análise geoambiental dos setores de encosta da área urbana de São Vicente-SP. Sociedade & Natureza, v. 19, n. 2, p. 123-138, 2007.

ÁTILA, F. F. e CARVALHO, V. L. M. Morfogênese, pedogênese e etchplanação: análise integrada dos aspectos geoquímicos, mineralógicos e micromorfológicos dos solos de uma topossequência na depressão de Gouveia, Serra do Espinhaço - Minas Gerais. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 13, n. 2, p. 223-233, 2012.

BASTOS, F. H. Movimentos de massa no Maciço de Baturité (CE) e contribuições para estratégias de planejamento ambiental. Tese de Doutorado apresentado ao PPGG da UFC Fortaleza: UFC, 2012.

BÉTARD, F. e PEULVAST, J-P. Evolução morfoestrutural e morfo-pedológica do maciço de Baturité e de seu piemont: do Cretáceo ao presente. In: BASTOS, F. H. (Org.). Serra de Baturité: uma visão integrada das questões ambientais. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011.

BÜDEL, J. Climatic Geomorphology. Princeton: Princeton Univ. Press. 1982, 443p.

COELHO, A. T. e PEREIRA, A. R. Efeitos da vegetação na estabilidade de taludes e encostas (Boletim Técnico), v. 1, n. 2. Belo Horizonte: Deflor Bioengenharia, 2006. 22 p.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Mapa Geológico do estado do Ceará. Escala 1:500.000. CD-ROM, 2003.

DIKAU, R. Mass Movement. In: GOUDIE, A. S. (Ed.). Encyclopedia of Geomorphology. International Association of Geomorphologists, p. 644-652. London & New York: Routledge, 2004.

FLORENZANO, T. G. Introdução à Geomorfologia. In: FLORENZANO, T. G. (Org.). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

KARMANN, I. (2003). Ciclo da água, água subterrânea e sua ação geológica. In: TEIXEIRA, W. et al. (Org). Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos.

MOURA-FÉ, M. M. (2015). Evolução Geomorfológica da Ibiapaba setentrional, Ceará: Gênese, Modelagem e Conservação. Tese de Doutorado apresentado ao PPGG da UFC, Fortaleza-CE, 307 p.

NOVO, E. M. L. M. Ambientes Fluviais. In: FLORENZANO, T. G. (Org.). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

QUEIROZ NETO, J. P. Relações entre as vertentes e os solos: revisão de conceitos. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 12, n. 3, p. 15-24, 2011.

______. Geomorfologia e pedologia. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 1, n. 1, p. 59-67, 2000.

RICCOMINI, C.; GIANNINI, P. C. F. e MANCINI, F. Rios e processos aluviais. In: TEIXEIRA, W. et al. (Org). Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2003.

TRICÁRT, J. As relações entre a morfogênese e a pedogênese. Notícia Geomorfológica (Campinas-SP), Tradução: A. Christofoletti, n. 8, p. 5-18, 1968.

TWIDALE, C. R. The two-stage concept of landform and landscape development involving etching: origin, development and implications of an idea. Earth-Science Reviews, v. 57, p. 37-74, 2002.

VITTE, A. C. Considerações sobre a teoria da etchplanação e sua aplicação nos estudos das formas de relevo nas regiões tropicais quentes e úmidas. Revista Terra Livre, n. 16, p. 11-24, 2001.

Downloads

Publicado

30-06-2017

Como Citar

MOURA-FÉ, M. M. de. Etchplanação da Ibiapaba Setentrional, Noroeste do Ceará: abordagem dos principais processos erosivos. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 64–82, 2017. DOI: 10.21680/2447-3359.2017v3n1ID11899. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/11899. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos