Análise do uso e ocupação do litoral de São Gonçalo do Amarante – Ceará - Brasil

Autores

  • João Paulo Portela Universidade Federal do Ceará
  • George Satander Sá Freire UFC
  • MARIA VALDIRENE ARAUJO ROCHA MORAES UFPI

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-3359.2017v3n2ID12928

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo ralizaar uma análise do processo de uso e ocupação do litoral do município de São Gonçado do Amarante, aliado aos impactos ambientais, compreendendo as praias de Pecém e Taíba. Primeiramente foram realizadas pesquisas bibliográficas e cartográficas referentes à temática proposta. Foram realizados trabalhos de campo entre os anos de 2014 a 2017, objetivando a obtenção de registros fotográficos e observações, no tocante as modificações impostas pelo homem. Os materiais geocartográficos constaram de imagens de satélites multitemporais e fotografias aéreas de 1965. As etapas de campo foram realizadas nos meses de abril/outubro dos anos de 2013/2016A construção do porto também trouxe mudança na ficionomia da praia do Pecém, como a progradação da área a sotamar da ponta do Pecém, bem como no aumento da ocupação da área ao entorno em virtude de sua atividade. O processo de uso e ocupação na área de estudo está voltado prioritariamente para atividade turística, onde a maioria das estruturas alocou-se em áreas de grande fragilidade ambiental. Tratando-se de uma zona bastante dinâmica, carece de contínuo monitoramento e diagnósticos que possam nortear o processo de ocupação mais ordenada e oferecer maior qualidade de vida para a população existente na região

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Portela, Universidade Federal do Ceará

GRaduado em Geograifa

Mestrado em Geologia

George Satander Sá Freire, UFC

PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA UFC

MARIA VALDIRENE ARAUJO ROCHA MORAES, UFPI

PROFESSORA DA COORDENAÇÃO DO CURSO DE GEOGRAFIA UFPI

Referências

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Brasília, 2000.

_______. Constituição Federal de 1988. Brasília, 1988.

_______. Decreto 24.643 de 10 de junho de 1934. Código das Águas. Brasília. 1934.

_______. Decreto 23.793 de 23 de janeiro de 1934. Código Florestal Brasileiro. Brasília. 1934.

_______. Lei Federal nº 7.661 de 16 de maio de 1988. Institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC). Brasília, 1988.

BRASIL. Disponível em <http://www.mma.gov.br/estruturas/250/_publicacao/250_publicacao30082011035301.pdf>. Acesso em 27 set. 2016.

BRITO, Francisco A.; CÂMARA, João B. D. Democratização e gestão ambiental: em busca do desenvolvimento sustentável. Petrópolis – RJ: Vozes, 1998.

CEARÁ. Anuário estatístico de 2012. Secretaria do Planejamento – SEPLAN. Fortaleza, 2012.

_______. Anuário estatístico de 2003. Fortaleza: [s.n.] 2003.

_______. Decreto nº 25.417 de 29 de março de 1999. Dispõe sobre a criação da Área de Proteção Ambiental – APA das Dunas da Lagoinha. Paraipaba, Ceará, 1999.

_______. Decreto nº 25.416, de 29 de março de 1999. Cria a APA do Estuário do Rio Curu, unidade de conservação de uso sustentável. Paraipaba, Ceará, 1999.

CRISTOFOLETTI, Antônio. Análise de sistemas em geografia. São Paulo: HUCITEC, 1979.

DIEGUES, Antônio C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: HUCITEC, 1996.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Disponível em <http://www.ibama.gov.br/>. Acesso em 25 mai. 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/>. Acessado em 02 jun. 2015.

MORAES, M. V. A. R.; LIMA, I. M. de M. F. Análise Geomorfológica a Partir de Dados SRTM: Município de Teresina, Piauí. Revista Equador, v. 4, p. 951-960, 2015.

MORAIS, J. Onofre de. Processos e Impactos em zona costeira, Geologia do Planejamento Regional. Revista de Geologia. Universidade Federal do Ceará. Vol. 9, Fortaleza, 1996.

PORTELA, João Paulo. Análise Ambiental do Município de Paraipaba-CE. Universidade Federal do Ceará. 2009. 164f. Dissertação (Mestrado em Geologia). Fortaleza, Ceará, 2009.

PARAIPABA. Lei orgânica do município. Prefeitura Municipal de Paraipaba, 1990.

ROCHA, Juliana G. Aspectos socioambiental e modelo de gestão em unidade de conservação municipal, estudo de caso: Juazeiro do Norte. Universidade Estadual do Ceará. 2004. Monografia (Especialização em Gestão ambiental) – Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2004.

SEMACE. Superintendência Estadual do Meio Ambiente. Programa de educação ambiental do Ceará. 2. ed. Fortaleza: SEMACE, 2003.

_______. Estação Escológica das Dunas do Pecém. Disponível em < http://www.semace.ce.gov.br/2010/12/estacao-ecologica-do-pecem/>. Acesso em 23 mar. 2017.

SOUZA, Stella T. A saúde das praias da Boa Viagem e do Pina, Recife – PE. Recife, 2004. Dissertação (pós-graduação em Oceanografia). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

UNESCO. Coasts: Managing Complex Systems. Enrivonment and Development. Briefs. United Nations Educations, Scientifc and Cultural Organization. Paris, 1993, 16p.

VASCONCELOS, Fábio P. Gestão Integrada da Zona Costeira: Ocupação Antrópica desordenada, erosão, assoreamento e poluição ambiental do litoral. Fortaleza: PREMIUS, 2005.

Downloads

Publicado

28-12-2017

Como Citar

PORTELA, J. P.; FREIRE, G. S. S.; MORAES, M. V. A. R. Análise do uso e ocupação do litoral de São Gonçalo do Amarante – Ceará - Brasil. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 55–74, 2017. DOI: 10.21680/2447-3359.2017v3n2ID12928. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/12928. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos