O reuso de águas residuais como meio de convivência com a seca no semiárido do Nordeste Brasileiro

  • Clara Yasmim De Souza Lucena Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Danilla Joyce Rocha dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Polyana Lorena Santos da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Eulália Dantas da Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Rebecca Luna Lucena Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

Segundo o Atlas dos desastres naturais do Brasil, as secas e estiagens são o tipo de desastre mais recorrente no país, responsável por 54% do total de desastres registrados, sendo a região Nordeste a mais afetada. Com o problema da carência hídrica nesta região do país, torna-se fundamental utilizar a água racionalmente e priorizar formas sustentáveis para o seu reaproveitamento. Nesse contexto, este trabalho tem por objetivo principal apontar as vantagens das ações de reuso de águas de esgoto no semiárido brasileiro, destacando as práticas mais adequadas e viáveis à região, tomando por base experiências já existentes em áreas semelhantes e suas possíveis aplicações no município de São Fernando/RN. Através da pesquisa documental e de campo, pode-se afirmar que no município de São Fernando/RN, as duas ETEs, que realizam tratamento do tipo secundário e se encontram em perfeito estado de funcionamento, podem servir de fonte de água para irrigação de alimento animal bem como para arborização urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’ SABER, A. N. Problemática da desertificação e da savanização no Brasil intertropical. Geomorfologia. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1977. 19p.

AB’SÁBER, A N. O domínio morfoclimático das Caatingas brasileiras. São Paulo, IGE-OG/USP, 1974.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13.969 / 97: Tanques sépticos - Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos - Projeto, construção e operação. Rio de Janeiro, 1997.

AYRES, R.S.; WESCOT, D.W. A qualidade da água na agricultura. UFPB, Campina Grande, PB, 1991, 217p.

BASTOS, R. K. X. Fertirrigação com águas residuárias. In: FOLEGATTI, M.V. (Coord.) Fertirrigação: Citrus, flores e hortaliças. Guaíba: Agropecuária, 1999. 279p.

BERNARDI, C.C. Reúso de água para irrigação. Monografia (Pós-Graduação), Gestão Sustentável da Agricultura Irrigada, Fundação Getúlio Vargas, Brasília-DF, 2003.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, Conselho Nacional de Recursos Hídricos. Resolução n° 54, de 28 de novembro de 2005 (publicada no DOU em 09/03/2006).

CARVALHO, N. L.; HENTZ, P.; SILVA, J. M.; BARCELLOS; A. L. Reutilização de águas residuárias. Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Monografias Ambientais - REMOA e-ISSN 2236 1308 - V. 14, N. 2 (2014): Março, p. 3164 - 3171

CAVALCANTE, K. D. B.; O uso de águas residuais e as vantagens de suas aplicações na agricultura. Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande-PB, 2015.

CEPED/UFSC. Atlas brasileiro de desastres naturais: 1991 a 2012 / Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. 2. ed. rev. ampl. – Florianópolis: CEPED UFSC, 2013. Volume Rio Grande do Norte. 103 p.

COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE. Postado em: 14 Jan 2014. Disponível em: <http://www.caern.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=12037&ACT=&PAGE=0&PARM=&LBL=>. Acesso em: 13 de Outubro de 2017.

COSTA, D. M. A; JÚNIOR, A. C. B. Avaliação da necessidade do reuso de águas residuais. Natal, 2005, p. 82.

CROMER, R. N. Irrigation of radiata pine with wastewater: A review of the potential for tree growth and water renovation. Aust. For., v. 43, p. 87-100, 1980.

CUNHA, A. H. N.; OLIVEIRA, T. H.; FERREIRA, R. B.; MILHARDES, A. L. M.; COSTA E SILVA, S. M. A importância da reutilização de água no país. Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas – UnUCET - UEG. 2011. Disponível em: < https://pt.scribd.com/document/266699804/Artigo-o-Reuso-de-Agua-No-Brasil-A-Importancia-Da-Reutilizacao-de-Agua-No-Pais>. Acesso em 2 de novembro de 2017.

DORIGON, E. B.; TASSARO, P. Caracterização dos efluentes da lavação automotiva em postos de atividade exclusiva na região AMAI – Oeste catarinense. Unoesc & Ciência – ACBS, Joaçaba, v. 1, n. 1, p. 13-22, jan./jun. 2010

FERNANDES, V. M. C. Padrões para reuso de águas residuárias em ambientes urbanos. Disponível em: http://cbhpf.upf.br/phocadownload/2seminario/padroesreusoaguaii.pdf Acesso em: 03/09/2017.

GERBA, C. P.; SMITH Jr, J. E. Sources of pathogenic microorganisms and their fate during land application of wastes. Journal of Environmental Quality, 34:42-48, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/semiarido.shtm?c=4>. Acesso em: 17 de Julho de 2017.

MAFFRA, C. MAZZOLA, M. As razões dos desastres em território brasileiro. In: Santos, R. (org.), Vulnerabilidade ambiental: desastres naturais ou fenômenos induzidos? 1ª Edição, Brasília: MMA, 2007.

MALVEZZI, R. Semi-Árido: uma visão holística. Brasília: Confea, 2007. 140p.

MARENGO, J. A.; ALVES, L. M.; ALVALA, R. C. S.; CUNHA, A. P.; BRITO, S.; MORAES, O. L. L. Climatic characteristics of the 2010-2016 drought in the semiarid Northeast Brazil region. Anais da Academia Brasileira de Ciências. Online version, p 1 – 13, 2017. DOI: 10.1590/0001-3765201720170206

MONTE, H. M.; ALBUQUERQUE, A. Reutilização de águas residuais. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos. Lisboa, Portugal. 2010.

MOSER, C. The asset vulnerability framework: reassessing urban porverty reduction strategies. World Development, New York, v. 26, n.1, 1998.

PAGANINI, W. S. Disposição de esgotos no solo, através de escoamento à superfície, com utilização de gramíneas: avaliação do processo quanto aos aspectos sanitários. 232f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

SARAIVA, V. M.; KONIG, A. Produtividade do capim-elefante-roxo irrigado com efluente doméstico tratado no semiárido potiguar e suas utilidades. Holos. Ano 29, Vol 1, p 28 – 46, 2013.

SCHAER-BARBOSA, M.; SANTOS, M. E. P.; MEDEIROS, Y. D. P. Viabilidade do reuso de água como elemento mitigador dos efeitos da seca no semiárido da Bahia. Ambiente & Sociedade, São Paulo v. XVII, n. 2, p. 17-32, abr.-jun. 2014.

SCHEER, G. G.; ZSCHORNACK, T.; MUNDSTOCK, C. M.; QUADROS, V.; Qualidade de água do efluente da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Cachoeirinha, RS. 2013.

SCHNEIDER, R. P.; TSUTIYA, M. T., Membranas filtrantes para o tratamento de água, esgoto e água de reuso. ABES-Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2001. 234 p.

TRINIDAD, J. G.; GONZÁLEZ, J. A. D.; LUJAN, A. V. Recuperación y Reutilización de las Aguas Residuales en la Producción Agrícola y Pecuaria de las Zonas Áridas. Anais do XI Congreso Nacional de Irrigación. Contaminación, Tratamiento y Reuso del Agua. Guanajuato, México, 19-21 de Septiembre de 2001.

VALE, M. B.; GRILO, J. A. S.; VASCONCELOS, N. S.; FREITAS, J. P.; PEDROZA F. A. Reuso de esgotos domésticos tratados para irrigação de Capim Elefante (Pennisetum purpureum): uma abordagem parasitológica, tendo em vista sua utilização como ração animal. Disponível em: http://engemausp.submissao.com.br/17/anais/arquivos/54.pdf , Acesso em Set 2017.

Publicado
23-05-2018
Como Citar
LUCENA, C. Y. D. S.; SANTOS, D. J. R. DOS; SILVA, P. L. S. DA; COSTA, E. D. DA; LUCENA, R. L. O reuso de águas residuais como meio de convivência com a seca no semiárido do Nordeste Brasileiro. Revista de Geociências do Nordeste, v. 4, p. 1-17, 23 maio 2018.