Avaliação da qualidade da água superficial em bacias urbanas da Ilha do Maranhão

Autores

  • Veruska Costa de Jesus UFMA
  • Helen Nébias Barreto Universidade Federal do Maranhão
  • Amanda Ribeiro Bezerra Universidade Federal do Maranhão
  • Rafael Barra Amador Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-3359.2019v5n0ID18455

Resumo

O presente trabalho avalia a qualidade da água em duas microbacias urbanas (rios Urucutiua e Claro) situadas na Ilha do Maranhão, visando comparar os efeitos da urbanização e os impactos ambientais. Para isso, realizou-se  análise laboratorial de parâmetros físico-químicos e microbiológicos de amostras de água superficial coletadas bimestralmente (2013-2014) em quatro pontos e; o mapeamento do uso e ocupação do solo das microbacias por meio do SIG ArcGIS, em recorte temporal (2007-2014) de imagens de satélite Quickbird. Os resultados indicaram, a contaminação em níveis elevados por microrganismos patogênicos em todas as amostras: Escherichia coli, na bacia do rio Urucutiua e; Escherichia coli, Proteus mirabilis, Proteus penneri, e Chromobacterium violaceum, na bacia do rio Claro. Os parâmetros físico-químicos mostraram acidez elevada em todas as amostras; Oxigênio Dissolvido abaixo do recomendado em 75% das amostras do rio Claro e 33% do rio Urucutiua; e Nitrogênio total acima do permitido em 91,7% das amostras. O uso do solo mostrou que a microbacia do rio Urucutiua sofreu as maiores alterações, com expressiva supressão da vegetação (71,6%, em 2007 e; 34,1% em 2014) e aumento das áreas de solo exposto, enquanto a bacia do rio Claro apresentou consolidação do processo de urbanização. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

01-11-2019

Como Citar

COSTA DE JESUS, V.; NÉBIAS BARRETO, H. .; RIBEIRO BEZERRA, A.; BARRA AMADOR, R. Avaliação da qualidade da água superficial em bacias urbanas da Ilha do Maranhão. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 5, p. 54–72, 2019. DOI: 10.21680/2447-3359.2019v5n0ID18455. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/18455. Acesso em: 1 mar. 2024.