EROSÕES LINEARES NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO: AVALIAÇÃO DE UMA PARCELA EROSIVA EM MICROESCALA NA DEPRESSÃO SÃO FRANCISCANA

Resumo

Estudos sobre processos erosivos em ambientes semiáridos ainda são bastantes escassos na literatura geomorfológica, principalmente, aqueles relacionados a erosão linear. O objetivo desse trabalho foi selecionar uma parcela representativa do conjunto ambiental do município de Belém do São Francisco, semiárido pernambucano, para detalhar, o papel desempenhado pelos elementos do contexto natural sobre a deflagração de processos erosivos. Para isso, foi realizado um mapeamento em microescala em uma parcela de 30mx60m, por meio da análise de diferentes fatores condicionantes em uma ficha de campo descritiva. Os resultados apontaram que a interação sistêmica dos fatores condicionantes promove erosões com geometrias mais largas e alongadas com menor profundidade, comparando-se com processos erosivos comuns em áreas úmidas. Também foi verificado que a erosão linear, nestes ambientes, muitas vezes ocorre quando a erosão laminar já degradou o solo de maneira acentuada, proporcionando uma micro-topografia que favorece o escoamento de erosões lineares bem desenvolvidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joaquim Pedro de Santana Xavier, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Possui graduação em Bacharelado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2018) e mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2020). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: sig, geotecnologias, solos, análise multicritério e processos erosivos.

Edilson Amaral Tavares Coutinho , Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Graduado em Geografia - Bacharelado pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Graduando em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Fiz parte do Grupo de Pesquisa em Geotecnologias Aplicadas a Geomorfologia de Encostas e Planícies - ENPLAGEO (UFPE) seguindo a linha de pesquisa: Mapeamento e diagnóstico de processos erosivos em ambientes semiáridos severos: aplicação no município de Curaçá (BA), onde fui aluno PIBIC entre os anos de 2018 - 2019. Trabalhei também como monitor da área de geografia no Espaço ciência, museu de ciência em Pernambuco. 

Kaio César de Oliveira Tavares, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutorando em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Possui graduação em curso de Licenciatura em Geografia (2017) pela Universidade Federal de Sergipe (UFS); É Mestre em Geografia pela Universidade federal de Pernambuco (2020). É integrante do Grupo de Estudos do Quaternário do Nordeste Brasileiro (GEQUA/UFPE), é colaborador do Grupo de Pesquisa em Geomorfologia do Quaternário e Modelagem Ambiental (QUACOMA/UFS). Tem experiência na área de ensino, Geografia Física e Geociências , com ênfase em Geomorfologia e Geotecnologias. Atuando principalmente nos seguintes temas: Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto, Desertificação, Dinâmica e Processos erosivos no semiárido Brasileiro, Pedologia (Solo x Paisagem), Sedimentologia, Morfoestratigrafia, Quimioestratigafica e Reconstrução Paleoambiental. 

Danielle Gomes da Silva, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2005), mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2007) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2013). Atualmente é docente da Universidade Federal de Pernambuco e líder do Grupo de Estudos em Mapeamento Geomorfológico e do Quaternário Continental (GEODEQC), vice-líder do Grupo de Pesquisa em Geotecnologias Aplicadas a Geomorfologia de Encostas e Planícies, Vice-coordenadora do Laboratório de Geomorfologia e Geotecnologias, e Vice-tutora da Empresa Júnior MapGeo Jr. Soluções Geográficas, ambos lotados na Universidade Federal de Pernambuco, onde atua como pesquisadora. Tem experiência na área de Geografia Física, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Geomorfologia do Quaternário, Cartografia Geomorfológica, Geomorfologia de Ambientes Semiáridos e Relação Solo X Paisagem.

Fabrizio de Luiz Rosito Listo, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Mestre e Doutor em Geografia Física pela Universidade de São Paulo (USP). Bacharel e Licenciado em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). É professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), atuando no Departamento de Ciências Geográficas. Na Graduação, é responsável pelas disciplinas da área de Geotecnologias. Membro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É coordenador do Grupo de Pesquisa ENPLAGEO (Grupo de Pesquisa em Geotecnologias Aplicadas a Geomorfologia de Encostas e Planícies) e do Laboratório de Geomorfologia e Geotecnologias (GEOTEC) do Departamento de Ciências Geográficas da UFPE. É membro do Conselho da União da Geomorfologia Brasileira (Gestão 2017-2020). Vice-líder do Grupo de Pesquisa em Mapeamento Geomorfológico e do Quaternário Continental - GEODEQC (UFPE). É Tutor da Empresa Jr. MapGeo: Mapeamentos e Soluções Geográficas junto ao Departamento de Ciências Geográficas da UFPE. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia e Geotecnologias aplicadas à Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: processos de dinâmica superficial em ambientes tropicais úmidos e semiáridos; cartografia de risco; geoprocessamento, modelos matemáticos de previsão e desastres naturais. Recebeu em 2013 o prêmio Young Geomorphologists durante a 8th International Conference on Geomorphology realizada em Paris pela International Association of Geomorphologists (IAG). 

Publicado
18-09-2020
Como Citar
XAVIER, J. P. DE S.; COUTINHO , E. A. T.; TAVARES, K. C. DE O.; SILVA, D. G. DA; LISTO, F. DE L. R. EROSÕES LINEARES NO SEMIÁRIDO PERNAMBUCANO: AVALIAÇÃO DE UMA PARCELA EROSIVA EM MICROESCALA NA DEPRESSÃO SÃO FRANCISCANA. Revista de Geociências do Nordeste, v. 6, n. 2, p. 106-111, 18 set. 2020.
Seção
Artigos