Fragilidade Ambiental aplicada em área de manancial no Nordeste brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-3359.2022v8n1ID24368

Resumo

O nordeste brasileiro é bastante afetado pela escassez hídrica proporcionada principalmente pelas características climáticas desfavoráveis. Devido a recente crise, entre 2010 e 2017, dezenas de cidades do semiárido enfrentaram sérios problemas que expôs a fragilidade dos atuais sistemas de abastecimento. Os estudos ambientais em mananciais de abastecimento são necessários para o planejamento territorial e a identificação das vulnerabilidades a processos de degradação, visando adequar às necessidades humanas à viabilidade ambiental. O objetivo deste trabalho consiste em mapear a Fragilidade Ambiental à erosão do Sistema Lacustre Bonfim, um conjunto de lagoas responsável pelo fornecimento de água à região Agreste do Rio Grande do Norte (RN). Foi utilizada a Fragilidade Ambiental em Sistemas de Informação Geográfica (SIG) com emprego da Análise Multicritério e Lógica Fuzzy, para integrar os atributos geoambientais a fim de verificar as relações entre processos erosivos de morfogênese e pedogênese associados ao assoreamento da região lacustre do manancial. 44,15 km² (61,15% da área) apresentou grau de Fragilidade Ambiental Médio, Forte e Muito Forte, indicando a necessidade de atenção com relação principalmente à regulamentos do uso do solo, dada a existência de atividades com alto poder de degradação em consonância com zonas com graus de fragilidade considerável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

14-04-2022

Como Citar

LOBO DE PAIVA, A. M.; AMARO, V. E. .; DI LOLLO, J. A. .; COSTA, C. W. . Fragilidade Ambiental aplicada em área de manancial no Nordeste brasileiro. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 128–147, 2022. DOI: 10.21680/2447-3359.2022v8n1ID24368. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/24368. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos