RENOVAÇÃO DAS ÁGUASNO COMPLEXO ESTUARINO LAGUNAR MUNDAÚ-MANGUABA(ALAGOAS, BRASIL)SOB DIFERENTES CONFIGURAÇÕES DE EMBOCADURAS

Resumo


O presente trabalho analisa as alterações morfológicas ocorridas no Complexo Estuarino Lagunar Mundaú-Manguaba (CELMM), através de técnicas de geoprocessamento e da modelagem computacional. Inicialmente realizou-se uma análise multitemporal das variações das linhas de costa entre o período de 1986 até 2017 a partir de imagens dos satélites Landsat 5-TM e Landsat 8-OLI. As imagens foram vetorizadas em ambiente de Sistema de Informações Geográficas (SIG) para a posterior realização do cálculo das taxas de erosão e acreção. Após isso, algumas simulações foram realizadas com o auxílio do Sistema Base de Hidrodinâmica Ambiental (SisBaHiA®) para os parâmetros tempo de residência e idade da água, considerando três cenários com configurações de embocaduras distintas (2006, 2014 e 2017). Os resultados indicaram o predomínio da deposição de sedimentos na região da embocadura, com a dinâmica migratória no sentido sudoeste-nordeste. O tempo de residência apontou possíveis áreas de estagnação na região noroeste da laguna Manguaba e nas porções noroeste e sudeste da laguna Mundaú. O cenário de 2014 apresentou menores idades das águas, mostrando que as diferentes configurações de embocaduras interferem na renovação das águas do complexo estuarino lagunar.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
12-11-2021
Como Citar
KUMMER DA ROCHA PINHEIRO, M.; DE LOURDES DA NÓBREGA CUNHA, C.; ELANE BEZERRA LUZ, T.; SCUDELARI, A. C. RENOVAÇÃO DAS ÁGUASNO COMPLEXO ESTUARINO LAGUNAR MUNDAÚ-MANGUABA(ALAGOAS, BRASIL)SOB DIFERENTES CONFIGURAÇÕES DE EMBOCADURAS. Revista de Geociências do Nordeste, v. 7, n. 2, p. 295-306, 12 nov. 2021.
Seção
Artigos