Mapeamento da erosividade e erodibilidade da vertente úmida do Maciço de Uruburetama/CE e entorno como subsidio ao planejamento ambiental

Erosivity and erodibility mapping of the humid slope of the Uruburetama/CE Massif and surroundings as a subsidy for environmental planning

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-3359.2023v9n2ID30719

Resumo

Os processos erosivos são gerados por causas naturais e humanas. As atividades antrópicas potencializam a perda de solos a partir de manejos inadequados e comprometem a produtividade agrícola e a sustentabilidade. Esta pesquisa objetiva realizar o mapeamento de erosividade e erodibilidade da vertente úmida do Maciço de Uruburetama/CE e entorno com o intuito de subsidiar medidas de proteção e manejo dos solos contra a erosão hídrica. O Mapa de erosividade foi obtido pelo interpolador IDW através do cálculo de erosividade realizado com base em registros pluviométricos de 23 estações de monitoramento da FUNCEME num intervalo de 10 anos (2010-2019). As classes de erosividade estão associadas a atuação de sistemas geradores de chuvas locais, que perdem força em direção ao continente. Assim, observou-se a ocorrência das classes de erosividade Moderada a Forte (92,66%) e Forte (7,34%). A erodibilidade dos solos foi processada por Krigagem Ordinária a partir do fator K obtido das análises de 92 amostras de solos deformadas (granulometria, estrutura do solo, matéria orgânica) e 92 indeformadas (permeabilidade) coletadas na área de pesquisa. As classes de erodibilidade estão associadas à distribuição e as características dos solos locais. A classe Muito Baixa (8%) está associada ao Planossolo Háplico Eutrófico e ao Neossolo Quartzarênico Órtico. A classe Baixa (83%) relaciona-se à ocorrência de Argissolo Vermelho-Amarelo e ao Neossolo Litólico, enquanto a classe Moderada (9%) associa-se ao Luvissolo Crômico.

Palavras-chave: Processos erosivos. Atividades antrópicas. Manejo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Viana Freires, UFC

Possui Graduação em Geografia (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Estadual do Ceará (2002 e 2003). É Especialista em Geoprocessamento Aplicado a Análise Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade Estadual do Ceará (2009). É Mestre (2012) e Doutor (2020) em Geologia pela Universidade Federal do Ceará. É Pós-Doutorando em Geologia pela Universidade Federal do Ceará (2020).

Cláudio Ângelo da Silva Neto, Universidade Federal do Ceará

Professor substituto no Departamento de Geologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutorando em Geologia pelo Programa de Pós-Graduação em Geologia da Universidade Federal do Ceará. Mestre em Geologia pelo Programa de Pós-Graduação em Geologia da Universidade Federal do Ceará. Bacharel em Geologia pela Universidade Federal do Ceará (2019 ).

Maykom Targino da Silva, Universidade Federal do Ceará

Bacharel em Gestão Ambiental (UERN), mestre em Ciências Naturais (UERN) e doutorando em Geologia (UFC). Membro do Laboratório de Geoprocessamento do Ceará (GEOCE - UFC) e colaborador do Núcleo de Estudos Socioambientais e Territoriais (NESAT - UERN) .

Cynthia Romariz Duarte, Universidade Federal do Ceará

Geóloga formada pela UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1994), com mestrado (1997) e doutorado (2002) em Geologia Regional pela mesma universidade. Professora do curso de graduação em Geologia e do Programa de Pós-graduação em Geologia na Universidade Federal do Ceará, atuando em disciplinas relacionadas às áreas de Sensoriamento Remoto, Geprocessamento e Cartografia. Atualmente é Vice Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Geologia da Universidade Federal do Ceará. 

César Ulisses Vieira Verissimo, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal do Pará (1985), mestrado em Geologia Regional pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1991), doutorado em Geologia Regional pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999) e pós-doutorado no Instituto de Geociências da UnB em 2009. Atualmente é professor Titular da Universidade Federal do Ceará estando lotado no Departamento de Geologia e Centro de Ciências da UFC. Foi coordenador do Programa de Pós-graduação em Geologia entre 2004 e 2008, Sub-Chefe entre 2010 e 2013 e Chefe do Departamento de Geologia entre 2014 e 2018.

Débora Nogueira Lopes, Universidade Federal de Goiás

Professora da Universidade Federal de Goiás (UFG), no curso de Geologia. Concluiu doutorado no programa de pós-graduação em geologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), com pesquisas no Laboratório de Geoprocessamento do Ceará (GEOCE) com foco na aplicação de dados orbitais adquiridos nos espectros do sensoriamento remoto para discriminação de alvos geológicos e para o diagnóstico e a previsibilidade de variáveis ambientais marinhas. Colaboradora no Núcleo de Estudos Socioambientais e Territoriais (NESAT - UERN). Mestre em Ciências Naturais pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2018) com ênfase no desenvolvimento de metodologias de extração de informações usando técnicas de mineração de dados de observação da Terra e metodologias de integração de dados de diferentes fontes, relacionando informações de sensoriamento remoto com padrões e processos de mudanças de uso e cobertura da terra. Possui graduação em Geologia pela Universidade Federal do Ceará (2015) com sanduíche na Universidade de Aveiro em Portugal, com estudos desenvolvidos na caracterização geoquímica dos solos da mina de urânio em Itataia - Ceará.

Daniel Dantas Moreira Gomes, Universidade de Pernambuco

Bacharel em Geografia (UECE). Professor de Geociências da Universidade de Pernambuco (UPE/Garanhuns). Docente do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Desenvolvimento Socioambiental(PPGSDS/UPE). Coordenador do Laboratório de Geoprocessamento e Modelagem Ambiental - LaGMA (UPE/Garanhuns).Doutor em Geologia pela Universidade Federal do Ceará (PPGGeo/UFC). Pós-Doutorado em Geografia Física (Cartografia) pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará (PPGG/UFC). Pós-Doutorando em Geografia (Biogeografia) pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGE/CCHLA/UFRN).

Publicado

24-07-2023

Como Citar

FREIRES, E. V. .; SILVA NETO, C. Ângelo da; SILVA, M. T. da; DUARTE, C. R. .; VERISSIMO, C. U. V.; LOPES, D. N. .; GOMES, D. D. M. Mapeamento da erosividade e erodibilidade da vertente úmida do Maciço de Uruburetama/CE e entorno como subsidio ao planejamento ambiental: Erosivity and erodibility mapping of the humid slope of the Uruburetama/CE Massif and surroundings as a subsidy for environmental planning. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 21–40, 2023. DOI: 10.21680/2447-3359.2023v9n2ID30719. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/30719. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos