Análise Espacial Integrada da Degradação da Terra no Submédio São Francisco, Brasil

Integrated Spatial Analysis of Land Degradation in Submedium São Francisco Basin, Brazil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2447-3359.2023v9n2ID33877

Resumo

O estudo analisou a degradação da terra na bacia do Submédio São Francisco por meio de índices segundo o modelo FPEIR (Força-Pressão-Estado-Impacto-Resposta). Para seleção dos 17 indicadores foi feita revisão bibliográfica e análise de correlação, os indicadores foram gerados em grades de 5 x 5 km no SIG QGIS através de dados secundários e primários. Foi feito um tratamento para exclusão de outliers, seguido de normalização dos indicadores. Foram gerados índices para cada componente FPEIR por meio da mediana dos indicadores e elaborados mapas dos indicadores e índices. As áreas mais vulneráveis à degradação (maiores valores nos índices FPEI) localizam-se principalmente nas regiões noroeste, centro e sudeste da bacia. Em relação à resposta (maiores valores no índice R), destacam-se as áreas a oeste, noroeste e  sudeste da bacia. Os indicadores que mais influenciaram os índices FPEI foram Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, estabelecimentos com produtor ocupante, desmatamento, erodibilidade, índice de aridez e pastagens degradadas. E no caso do índice de Resposta, a orientação técnica e programas de crédito. As políticas públicas e iniciativas particulares de restauração da qualidade ambiental são fundamentais para reverter o processo de degradação, contribuindo para o manejo sustentável da Caatinga.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jocilene Dantas Barros, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

Mestre em Geografia pela UFRN na linha de pesquisa "Dinâmica geoambiental, riscos e ordenamento do território" e Bacharel em Geografia pela mesma instituição. Atualmente é pesquisadora bolsista (PCI) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e membro do LADIS - Laboratório de Análises e Desenvolvimento de Indicadores para a Sustentabilidade da DIIAV/INPE. Foi professora substituta do Departamento de Engenharia Civil da UFRN, ministrando as disciplinas Geologia Ambiental e Fundamentos de Cartografia e Sensoriamento Remoto. Trabalhou como autônoma prestando serviços de mapeamento e ministrando aulas particulares de SIG e é co-autora do canal e blog Geoaplicada. Tem experiência nas áreas de monitoramento ambiental, cartografia e SIG, vegetação urbana, degradação da terra e indicadores socioambientais.

Gustavo Felipe Balué Arcoverde, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

É servidor da Divisão de Impacto, Adaptação e Vulnerabilidade da Coordenação Geral de Ciências da Terra (DIIAV/CGCT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e tem trabalhado com indicadores de sustentabilidade e vulnerabilidade climática, resiliência hidro-vegetacional e socioecológica, degradação e uso e cobertura da terra. Faz parte da coordenação do Laboratório de Análise e Desenvolvimento de Indicadores para a Sustentabilidade (LADIS) e está trabalhando formalmente nos seguintes projetos no INPE: (a) Transição para sustentabilidade e o nexo água-agricultura-energia: explorando uma abordagem integradora com casos de estudo nos biomas Cerrado e Caatinga (Nexus - Fapesp); (b) Recursos Hídricos na Bacia do Paraíba do Sul: integrando aspectos naturais e antrópicos (Capes-ANA); (c) Sistema de informações e Análises sobre Impactos das Mudanças Climáticas ? AdaptaBrasil-MCTI (MCTI); (d) Capacidade adaptativa em perspectiva policêntrica: monitoramento, avaliação e impactos sinérgicos de Políticas Públicas de Educação Ambiental para o enfrentamento das Mudanças Climáticas, em múltiplas escalas, e; (e) como coordenador no Programa de Monitoramento da Amazônia e demais biomas (PAMZ+) do bioma Caatinga (Prodes - Caatinga). Também atua no Projeto Fapesp ?Depois da Instalação de Hidrelétricas: Processos Sociais e Ambientais que ocorrem depois da construção de Belo Monte, Jirau e Santo Antônio na Amazônia Brasileira? e como membro pesquisador no Programa ?Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas de Educação Ambiental no Brasil ? Anppea?. Trabalhou como analista de geoprocessamento no cadastro de endereços do IBGE UE-Paraíba (2010-2015) e com legislação ambiental na SMA/SP (2009-2010). Possui formação em Geografia pela Universidade de Brasília em 2005, mestrado e doutorado em Sensoriamento Remoto pelo INPE em 2008 e 2013, respectivamente. Durante o período de graduação fez estágio com temas de unidades da paisagem, crescimento urbano, produção agrícola e zoneamento de unidades de conservação no Cerrado. No mestrado trabalhou com estratificação e estimativa de áreas agrícolas, e no doutorado trabalhou com modelagem dinâmica espacial para expansão de área de cana-de-açúcar.

Jean Pierre Henry Balbaud Ometto, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

Pesquisador Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais desde 2009, e Chefe da Divisão de Projetos Estratégicos (DIP3). Docente permanente do PPG em Ciência do Sistema Terrestre (CST/INPE). Atua em diversas iniciativas e instituições como: Vice Coordenador da Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais (Rede CLIMA,); Coordenador da Plataforma AdaptaBrasil MCTI; Coordenador Técnico do Projeto Monitoramento da Cobertura Vegetal no Cerrado, Programa de Investimento Florestal (FIP), Banco Mundial; Membro do Conselho Técnico-Científico da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos; Membro da American Geophysical Union's Committee on International Participation (AGU-CIP); Membro do Comitê Científico do Global Carbon Project (GCP); Membro do Comitê de Coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais; Representante da FAPESP junto ao Consórcio de Agências de Financiamento ?Belmont Forum?. Nomeado ao IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change) ao Working Group II (Impacts, Adaptation, and Vulnerability), aos ciclos AR5 e AR6, e para a IPCC Task Force sobre inventários de emissões de GEE. Nomeado ao IPBES (Intergovernmental Science-Policy Platform on Biodiversity and Ecosystem Services) aos relatórios de Avaliação de Escopo Regional e Sub-Regional. Nomeado Climate and Clean Air Coalition (CCAC) e Global Environmental Outlook 5, coordenados United Nations Environment Programme (UNEP).

Publicado

16-12-2023

Como Citar

DAS NEVES ALVES, A. C.; BARROS, J. D.; ARCOVERDE, G. F. B.; OMETTO, J. P. H. B. Análise Espacial Integrada da Degradação da Terra no Submédio São Francisco, Brasil: Integrated Spatial Analysis of Land Degradation in Submedium São Francisco Basin, Brazil. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 183–202, 2023. DOI: 10.21680/2447-3359.2023v9n2ID33877. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/33877. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos