BIOCLIMATISMO E ARQUITETURA HOSPITALAR

BIOCLIMATISMO E ARQUITETURA HOSPITALAR: UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE EM CEILÂNDIA/DF

Autores

  • Ruskin Freitas UFPE
  • Júlia Alves UFPE
  • Renato Costa UFPE

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2019v4n3ID19100

Palavras-chave:

Arquitetura Bioclimática

Resumo

Este artigo apresenta um anteprojeto arquitetônico, desenvolvido para o concurso estudantil íbero-americano de arquitetura bioclimática - a XI Bienal José Miguel Aroztegui, que consistiu no desenvolvimento de uma Unidade Básica de Saúde (UBS). A proposta incorporou técnicas bioclimáticas, objetivando um ambiente de qualidade, com eficiência energética, utilizando recursos naturais renováveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.220-3: Desempenho térmico de edificações – Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e estratégias de condicionamento térmico passivo para habitações de interesse social. Rio de Janeiro, 2005b.

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: 2015.

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.575: Desempenho térmico de edificações habitacionais. Rio de Janeiro: 2013.

AROZTEGUI, Miguel. In: I Bienal José Miguel Aroztegui. Fortaleza, ANTAC, 1999.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO (ANTAC). Edital nº 12/2018. XI Bienal José Miguel Aroztegui. Disponível em: <http://bienalaroztegui.arq.ufsc.br/wp-content/uploads/2017/02/EDITAL-XI-BIENAL-2019-JP-para-publica%C3%A7%C3%A3o.pdf>. Acesso em 10 de outubro de 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução - RDC nº 50. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. 161p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de Estrutura Física das Unidades Básicas de Saúde: saúde da família / Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 72p. (Série A, Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Economia e Desenvolvimento. SOMASUS: Programação Arquitetônica de Unidades Funcionais de Saúde, v. 2 / Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 140 p.

CEILÂNDIA. Lei Complementar nº 314, de 01 de setembro de 2000. Plano Diretor Municipal. Ceilância, DF, set 2000.

DISTRITO FEDERAL. Lei Nº 948, de 16 de janeiro de 2019. Lei de Uso e Ocupação do Solo do Distrito Federal. Distrito Federal, DF, jan 2019.

GÓES, Ronald de. Manual Prático de Arquitetura Hospitalar. 2ª Edição. São Paulo: Blucher, 2011.

LABEEE. Laboratório de Eficiência Energética em Edificações da Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: < https://www. http://www.labeee.ufsc.br/>. Acesso em 10 de outubro de 2019.

LAMBERTS, Roberto; DUTRA, Luciano e PEREIRA, Oscar. Eficiência energética na arquitetura. Rio de Janeiro: Eletrobrás / Procel, 2014.

LIMA, João Filgueiras. Arquitetura: Uma experiência na área de saúde. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2012

MASCARÓ, Lúcia. Energia na Edificação - Estratégia para Minimizar Seu Consumo. Porto Alegre: Projeto, 1991.

OLGYAY, Victor. Arquitectura y clima. Barcelona: Gustavo Gili, 1963.

ROMERO, Marta Adriana Bustos. Arquitetura bioclimática dos espaços públicos. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

ROMERO, Marta Adriana Bastos. Princípios bioclimáticos para o desenho urbano. São Paulo: Projeto, 2000.

SEDUH - Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação/Distrito Federal. Infraestrutura de Dados Espaciais – IDE/DF: Geoserviços e Cartografia (Mapas diversos e plantas urbanos). Disponível em: < https://www.geoportal.seduh.df.gov.br/geoservicos/>. Acesso em 10 de outubro de 2019.

Downloads

Publicado

13-12-2019

Como Citar

FREITAS, R.; ALVES, J.; COSTA, R. BIOCLIMATISMO E ARQUITETURA HOSPITALAR: BIOCLIMATISMO E ARQUITETURA HOSPITALAR: UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE EM CEILÂNDIA/DF . Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 127–132, 2019. DOI: 10.21680/2448-296X.2019v4n3ID19100. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/19100. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

PRÁXIS