PRAÇAS COMO ESPAÇOS PÚBLICOS RELEVANTES

Conceitos pertinentes ao projeto

  • Luis Guilherme Aita Pippi Universidade Federal de Santa Maria
  • Alice Rodrigues Lautert Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: praça, espaço público, escala humana, interações sociais, projeto

Resumo

Praças são espaços livres públicos muito comuns e frequentados nas cidades em geral. As praças podem ser utilizadas de diversas formas, tanto para realização de atividades culturais, manifestações artísticas e políticas, comércio, descanso, lazer e recreação, entre outros. Elas se caracterizam como um importante espaço de reunião e ponto de encontro na cidade, sendo sua maior função a de caráter social. O arquiteto, urbanista e paisagista possui o desafio de trabalhar com praças e seu entorno, a fim de proporcionar melhorias nesse espaço público, de modo a influenciar positivamente a qualidade de vida e a relação dos usuários com a cidade. Esse artigo aborda alguns conceitos que fornecem importantes diretrizes para projetos referentes ao espaço livre público, focando nas praças. São apresentados estudos realizados por profissionais da área, como Jan Gehl, William Whyte e Jane Jacobs, que ao longo dos anos trazem importantes contribuições para a área do planejamento urbano. É retratado também um estudo de caso da revitalização do Largo São Francisco, no centro de São Paulo, através de um projeto-piloto que aplicou tais ideias na sua realização. Percebe-se que esses conceitos abordados se mostram pertinentes ao exercício de projetar, a fim de qualificar e fortalecer as novas praças como espaços livres públicos relevantes nas cidades brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alice Rodrigues Lautert, Universidade Federal de Santa Maria

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo da UFSM

Referências

ALEX, S. Projeto da praça: convívio e exclusão no espaço público. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2008.
BURDEN, A. Como os espaços públicos fazem as cidades funcionarem. 2014. Palestra ministrada no TED em mar. 2014. Disponível em https://www.ted.com/talks/amanda_burden_how_public_spaces_make_cities_work. Acesso em 06 de fevereiro de 2019.
CUSTODIO, V. et al. Sistemas de espaços livres e forma urbana: algumas reflexões. In: XV ENANPUR – Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, 2013, Recife. XV ENANPUR. Recife : ANPUR / UFPE, 2013.
DEL RIO, V. Introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. São Paulo: Editora PINI, 1990. Disponível em https://issuu.com/guilhermefraga/docs/introdu__o_ao_desenho_urbano_-_del_rio__vicente__o. Acesso em 06 de fevereiro de 2019.
GEHL ARCHITECTS. São Paulo Pilot Projects. 2014. Disponível em http://issuu.com/gehlarchitects /docs/issuu_1453_saopaulo_pilot_projects_/0. Acesso em 07 de fevereiro de 2019.
GEHL ARCHITECTS. This is who we are: A good city is a city where the human dimension in city planning is looked well after. 2010. Disponível em http://chennaicityconnect.com/wp-content/uploads/2010/08/091027_company_profile_ENG.pdf. Acesso em 06 de fevereiro de 2019.
GEHL, J. Cidades para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.
GEHL, J. Life between buildings: using public space. 6th ed., Washington D.C.: Island Press, 2011.
GEHL, J.; SVARRE, B. How to study public life. Washington D.C.: Island Press, 2013.
JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. 3. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.
LERNER, J. Prólogo à Edição Brasileira. In: GEHL, J. Cidades para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.
PARENTE, D. Das Fahrrad als Gestalter der Stadt: die Rolle des Fahrrads in den infrastrukturellen Veränderungen in den urbanen Zentren. In: Metropol.x. Karlsruhe: Karlsruher Institut für Technologie, 2014.
PREFEITURA DE SÃO PAULO. Centro Aberto. Gestão Urbana. São Paulo, 2014. Disponível em http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/centro-aberto. Acesso em 07 de fevereiro de 2019.
ROBBA, F.; MACEDO, S. S. Praças Brasileiras. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 2003.
SASSEN, S.; CASTRO, L. G. R. de; SANTORO, P. O que é espaço público? In: Revista aU. São Paulo: Editora PINI, ano 28, n. 232, jul. 2013. Disponível em http://au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/232/o-que-e-espaco-publico-292045-1.aspx. Acesso em 06 de fevereiro de 2019.
SAWADA, N. O. et al. ANÁLISE DOS FATORES PROXÊMICOS NA COMUNICAÇÃO COM O PACIENTE LARINGECTOMIZADO. In: Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, 2000. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692000000400011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 06 de fevereiro de 2019.
SCHLEE, M. B. et al. Sistema de Espaços Livres nas cidades brasileiras – Um debate conceitual. In: Paisagem e Ambiente: ensaios. São Paulo: FAUUSP, n. 26, p. 225-247, 2009.
SOBRAL, L.; FINOTTI, L. Pouca matéria, muita mudança. In: Revista aU. São Paulo: Editora PINI, ano 29, n. 248, nov. 2014, p. 62-69.
WHYTE, W. The Social Life of Small Urban Spaces. 3rd ed., New York: Project for Public Spaces, 2004.
Publicado
14-05-2019
Como Citar
AITA PIPPI, L. G.; RODRIGUES LAUTERT, A. PRAÇAS COMO ESPAÇOS PÚBLICOS RELEVANTES. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 4, n. 1, p. 112-124, 14 maio 2019.
Seção
TEORIA E CONCEITO