OS FLUXOS COMO ELEMENTOS DA HUMANIZAÇÃO EM AMBIENTES DA SAÚDE:

DOIS ESTUDOS DE CASO

  • ANDREA LEITNER Unicamp
  • SÍLVIA PINA Unicamp
  • GÚLITI NASCIMENTO Unicamp
  • BRUNO ROSSI Unicamp
Palavras-chave: humanização em ambientes de saúde; fluxos operantes; arquitetura de edifícios de saúde; hospitais contemporâneos.

Resumo

O estudo do arranjo dos setores funcionais predominantes nos edifícios assistenciais de saúde auxilia na análise dos projetos de arquitetura e dá subsídios para avanços na metodologia de adequações e de futuros projetos, visando atender melhor as demandas contemporâneas. Uma destas demandas é a maior atenção aos aspectos humanizadores dos ambientes da saúde para ampliar o bem-estar físico e emocional dos seus usuários. O objetivo do trabalho é identificar e validar potenciais estratégias de projeto de edifícios da saúde segundo um estudo dos fluxos, elencando pistas e aspectos de humanização recentemente empregados nos espaços de saúde. A metodologia empregada é a análise quali-quantitativa desenvolvida a partir de esquemas gráficos que elegem fluxos, setores e acessos, a fim de verificar sua organização espacial e identificar as estratégias de humanização que subsidiam esses fluxos. Os estudos de casos selecionados são projetos de hospitais destinados a diferentes especialidades e implantados em localidades distintas, sendo um brasileiro e outro norte-americano. Os resultados obtidos indicam que o partido arquitetônico influi na determinação dos espaços e dos fluxos operantes no edifício, o mesmo ocorrendo por força de agentes externos, como as questões geográficas e contextuais em que se os edifícios são implantados. Os resultados apontam também que a setorização e os fluxos operantes são bastante distintos quando se trata de diferentes especialidades de tratamento, podendo subsidiar eventuais rearranjos das configurações internas e fundamentar novos projetos similares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABNT. NBR 9.050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2015.
ABNT. NBR 9.077: Saídas de emergência em edifícios. Rio de Janeiro, 2001.
ALEXANDER, C. et al. A Pattern Language: towns, buildings, construction. New York: Oxford University Press, 1977.
APECIH – ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE INFECÇÃO RELACIONADA À ASSISTÊNCIA À SAÚDE, 2018. Disponível em: http://www.apecih.org.br/apecih.aspx. Acesso em 7 jan. 2018.
BARROS, R.; PINA, S. A. M. G. Uma Abordagem de Inspiração Humanizadora para a Qualificação Espacial do Projeto de Habitação Coletiva. In: ENCONTRO NACIONAL E ENCONTRO LATINO-AMERICANO SOBRE EDIFICAÇÕES E COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS, 5., 2009, Recife. Anais, Porto Alegre: ANTAC, 2009a
BARROS, R.; PINA, S. A. M. G. Uma abordagem de inspiração humanizadora para o projeto de habitação coletiva mais sustentável. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 10, n. 3, p. 121-135, jul./set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ac/v10n3/a08.pdf. Acesso em 02/05/2012.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC n° 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre o regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Ministério da Saúde, 2002.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC nº 63, de 25 de novembro de 2011. Dispõe sobre os requisitos de Boas Práticas para funcionamento de serviços de saúde, fundamentados na qualificação, na humanização da atenção e gestão, e na redução e controle de riscos aos usuários e meio ambiente. Ministério da Saúde, 2011.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC nº 220, de 21 de setembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação dos Serviços de Terapia Antineoplásica. Ministério da Saúde, 2004.
CENTRO DO CÂNCER DA UNIVERSIDADE DO ARIZONA. Disponível em: https://www.zgf.com/project/ua-cancer-center/. Acesso em 11 abr. 2019.
CENTRO DO CÂNCER DA UNIVERSIDADE DO ARIZONA Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/804662/centro-do-cancer-da-universidade-do-arizona-zgf-architects. Acesso em 11 abr. 2019.
COSTA, José R. S. de Lima. Espaço hospitalar: a revolta do corpo e a alma do lugar. Arquitextos, n. 013, 2001. Disponível em: www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/bases/texto079.asp. Acesso em 19/05/2019.
HOSPITAL DE URGÊNCIA. Disponível em: http://www.spbr.arq.br/portfolio-items/hospital-de-urgencia-em-sao-bernardo-do-campo/. Acesso em 04 abr. 2019.
LIMA, João Filgueiras. O que é ser arquiteto: memórias profissionais de Lelé (João Filgueiras Lima). Depoimento a Cynara Menezes. Rio de Janeiro: Record, 2004, p. 50.
LUKIANTCHUKI, Marieli A. e SOUZA, Gisela B. Humanização da arquitetura hospitalar: entre ensaios de definições e materializações híbridas. Arquitextos, nº118, ano 10, 2010. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/10.118/3372. Acesso em 5/11/2019.
NÚCLEO TÉCNICO DA POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO. Documento-base para gestores e trabalhadores do SUS – Humaniza SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
PESSATTI, Mirela P. A intercessão Arquitetura e Saúde: quando o problema é a falta de espaço na unidade de saúde, qual é o espaço que falta? Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade de Campinas, Campinas, 2008.
THOMAZONI, A. D. L.; ORNSTEIN, S. O. Avaliação Pós-Ocupação em hospitais complexos. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 16. São Paulo: ENTAC, 2016.
THOMAZONI, A. D. L.; ORNSTEIN, S. W. O estudo dos fluxos em hospitais complexos: a Avaliação Pós-Ocupação (APO) aplicada a um estudo de caso. Anais (CD-ROM). In: VII Seminário Projetar. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2015.
TOLEDO, L. C. Feitos para cuidar. A arquitetura como um gesto médico e a humanização do edifício hospitalar. Tese de Doutorado. PROARQ- programa de Pós-Graduação em Arquitetura da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.
Publicado
23-01-2020
Como Citar
LEITNER, A.; PINA, S.; NASCIMENTO, G.; ROSSI, B. OS FLUXOS COMO ELEMENTOS DA HUMANIZAÇÃO EM AMBIENTES DA SAÚDE: . Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 5, n. 1, p. 21-32, 23 jan. 2020.
Seção
PESQUISA