RUPTURA COM O LUGAR E DESTRUIÇÃO DE IMAGENS ESPACIAIS EM CIDADES REASSENTADAS:

O CASO DE ITACURUBA-PE

  • Fernando Diniz Moreira UFPE
  • Rafaela Teti Tiburcio Maia UFPE
Palavras-chave: realocação de cidade; urbanismo moderno; memória coletiva, morfologia urbana; dessacralização

Resumo

Este artigo busca contribuir para uma discussão sobre as possíveis consequências de um rompimento do vínculo com o lugar a partir do estudo da realocação de uma cidade, Itacuruba-PE, que existia à beira do Rio São Francisco, devido à construção da hidrelétrica de Itaparica. Hoje Itacuruba é a cidade brasileira que mais usa antidepressivos em termos percentuais, atingindo um percentual de 63% da população com depressão, segundo dados do Conselho Regional de Medicina  (CREMEPE). O artigo objetiva identificar os elementos espaciais que faziam parte da construção da identidade do morador da antiga Itacuruba e expor as rupturas provocadas, que podem ter tido como consequência os impactos à saúde mental. Para tal, foi feito um aprofundamento teórico sobre os temas o rompimento dos vínculos do grupo com o lugar com o qual estava enraizado, buscando-se apoio nos estudos de Mircea Eliade, sobre a atribuição de sagrado por sociedades tradicionais aos lugares onde vivem, e nos de Maurice Halbwachs, sobre memória coletiva e as imagens espaciais que a sustentam. Buscou-se explicar o contexto do nacional-desenvolvimentismo, a construção da hidrelétrica, e as particularidades do processo, por meio de pesquisa documental nos arquivos da CHESF. Para revelar os impactos provocados pelo plano da nova cidade, foram aplicados estudos da morfologia urbana (Panerai, Lynch e Cullen) sobre as formas da velha e nova cidade de Itacuruba, além de visita de campo e aplicação de entrevistas a 15 moradores que passaram pela experiência de realocação.

PALAVRAS-CHAVE: realocação de cidade; urbanismo moderno; memória coletiva, morfologia urbana, dessacralização

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Diniz Moreira, UFPE

Arquiteto, Ph.D em Arquitetura, University of Pennsylvania, Professor Associado do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Rafaela Teti Tiburcio Maia, UFPE

Arquiteta e Urbanista pela UFPE

Referências

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil (1946). Diário Oficial da União, 15 de out. 1946. Seção 1, p.14119
BRASIL. Decreto-lei n° 19.706, de 3 de outubro de 1945. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília DF, 9 de out. 1945. Seção 1, p. 15944.
BRASIL. Decreto-lei n° 541, de 15 de dezembro de 1948, Coleção de Leis do Brasil, Poder Legislativo, Brasília DF, 17 de dez. 1948. vol. 7, p. 141.
BRASIL. Decreto-lei n° 8.031, de 3 de outubro de 1945. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília DF, 9 de out. 1945. Seção 1, p. 15929 a 15931.
BRANDI, Paulo et al (org.). Companhia Hidro Eletrica do Sao Francisco (Chesf). Rio de Janeiro: CPDOC, s/d. Disponível em: . Acesso em: 15 de novembro de 2019.
CHESF. CHESF: 70 anos de história. Rio de Janeiro: Centro da Memória da Eletricidade no Brasil, 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 de setembro de 2019.
CHESF. Estudo de Alternativa de Sítio para o Novo Núcleo Urbano de Itacuruba. Recife, 1981.
CHESF. Plano de Implantação do Reservatório de Itaparica. Recife, 1985.
CHESF. Reassentamento do Reservatório de Itaparica. 1991.
CHESF. Usina Hidrelétrica de Itaparica: aspectos ambientais de projetos cofinanciados pelo Branco mundial. [19--].
COSTA, S. R. G. (org.). Plano Urbanístico da Nova Cidade de Itacuruba. Recife: SEHAB/CHESF, 1986.
CULLEN, Gordon. Paisagem urbana (1961). 1983.
DE PROFUNDIS. Direção e Produção: Isabela Cribari. Recife: Set produções Audiovisuais, 2014. 1 DVD.
DIAS, R. F. Panorama do Setor de Energia Elétrica no Brasil. Rio de Janeiro: CMEB, 1988.
Documentação do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. Disponível em: . Acesso em: 25 de setembro de 2019.
ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano (1957). Trad. Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes 1992.
FIGUEIREDO, Maria do Socorro. Exílio: Pertencimentos e reconhecimentos em populações deslocadas: o caso Itacuruba. - Recife. 2011. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, UFPE, Recife, 2011.
HALBWACHS, Maurice (1968). A memória coletiva. Trad. Laurent León Schaffter. São Paulo: Vertice, 1990.
HEIDEGGER, Martin. Construir, habitar, pensar (1951). Trad. Marcia Sá Cavalcante. in Figura, v. 6, 1954.
IANNI, O. Estado e Planejamento Econômico no Brasil (1930-1970). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1971.
IBGE. Histórico da Cidade de Itacuruba. Disponível em: . Acesso em: 20 setembro de 2019.
LOPES, L. O Vale do São Francisco. Rio de Janeiro: Ministério de Viação e Obras Públicas, 1955.
LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. Trad. Maria Cristina Tavares Afonso. Lisboa: Edições 70, 1982.
Ministério do Meio Ambiente. Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (2016). Disponível em: < https://www.mma.gov.br/estruturas/PRSF/_arquivos/diag.pdf>. Acesso em: 08 de setembro de 2019.
NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, n. 10. São Paulo, dez.-1993.
OLIVEIRA, Nathalia Capellini Carvalho de. A grande aceleração e a construção de barragens hidrelétricas no Brasil. Varia História, v. 34, n. 65, p. 315-346, 2018.
PANERAI, Philippe. Análise urbana. Brasília: Editora UnB, 2006.
PENTEADO JR., Aderbal de Arruda; DIAS JR., José Augusto. Eletrotécnica. In: VARGAS, Milton. (Ed.). História da técnica e da tecnologia no Brasil. São Paulo: UNESP, 1995.
POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Revista Estudos Históricos, v. 5, n. 10, p. 200-215, 1992.
POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989
Publicado
30-05-2020
Como Citar
MOREIRA, F. D.; TETI TIBURCIO MAIA, R. RUPTURA COM O LUGAR E DESTRUIÇÃO DE IMAGENS ESPACIAIS EM CIDADES REASSENTADAS:. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 5, n. 2, p. 36-52, 30 maio 2020.
Seção
PESQUISA