CONFORTO AMBIENTAL COMO ATRIBUTO PARA A RESILIÊNCIA EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL BRASILEIRAS

  • Karen Carrer Ruman de Bortoli Universidade Federal de Uberlândia
  • Simone Barbosa Villa Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: resiliência no ambiente construído, habitação de interesse social, Avaliação Pós-Ocupação, conforto ambiental

Resumo

Habitações de interesse social (HIS) produzidas pelo Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) no Brasil têm apresentado reduzida resiliência. No escopo deste trabalho, a resiliência no ambiente construído é interpretada como a capacidade deste em resistir, adaptar-se e transformar-se para lidar com impactos e/ou mudanças impostos ao longo do tempo. Este trabalho deriva de pesquisa de mestrado que analisou a resiliência no ambiente construído de HIS, dando enfoque em dois de seus atributos propostos: conforto ambiental e adequação ambiental. Para isso, foram desenvolvidos procedimentos metodológicos de Avaliação Pós-Ocupação (APO) para observação desses atributos no estudo de caso nomeado Residencial Sucesso Brasil (Uberlândia, MG, Brasil).

O artigo apresenta os resultados obtidos que caracterizaram baixo conforto ambiental no estudo de caso elencado. Considera-se que o conforto ambiental é uma qualidade que HIS devem perseguir visando a redução dos impactos derivados de sua operação, incidentes sobre a saúde dos moradores e relacionados ao consumo energético das envoltórias, visando, afinal, à promoção da saúde dos moradores e à otimização dos recursos nelas investidos.

Como principal contribuição do trabalho, destaca-se a identificação de soluções projetuais que devem ser encorajadas nesses projetos de HIS a fim de amplificar seu conforto ambiental e, por conseguinte, sua resiliência. Com isso, a pesquisa desenvolvida alinha-se aos objetivos de agendas urbanas de relevância internacional, que colocam a resiliência como motor no combate à vulnerabilidade das grandes cidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Carrer Ruman de Bortoli, Universidade Federal de Uberlândia

Arquiteta e Urbanista formada pela Universidade Federal de Uberlândia (2016), Mestre em Arquitetura e Urbanismo (2018) e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia (2019 – Atual), pela mesma instituição.  

Simone Barbosa Villa, Universidade Federal de Uberlândia

Visiting Scholar na University of Cambridge, UK - Department of Architecture (2017-2018) - pesquisa de pós-doc. Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP-2008). Professor Associado II da Universidade Federal de Uberlândia (UFU/MG) na Faculdade de Arquitetura, Urbanismo e Design (FAUeD). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUeD/UFU. Coordenadora do grupo [MORA] Pesquisa em Habitação - CNPq.

Referências

ARUP; THE ROCKEFELLER FOUNDATION. City Resilience Index, 2015, 16 p. Disponível em: Acesso em 01 fev. 2020.
BRASILEIRO, A.; MORGADO, C.; LUZ, C. Conjunto do PMCMV no RJ: razões da (in)eficiência energética no decorrer de sua vida útil. In: Anais do XIV ENCAC & X ELACAC: Habitat Humano: em busca de conforto ambiental, eficiência energética e sustentabilidade no século XXI, 2017, Balneário Camboriú: ANTAC, 2017, p. 1318-1327.
BROOKS, N. Vulnerability, risk and adaptation: a conceptual framework. Tyndall Centre Working Paper No. 38. University of East Anglia, 2003.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2018.
ELIAS-TROSTMANN, K.; CASSEL, D.; BURKE, L.; RANGWALA, L. Mais forte do que a tempestade: aplicando a avaliação de resiliência comunitária urbana aos eventos climáticos extremos. Documento de Trabalho. Washington, DC: World Resources Institute. Disponível online em . Acesso em fev. 2020.
GARCIA, J. E. & VALE, B. Unravelling Sustainability and Resilience in the Built Environment. Routledge, Londres, 2017.
GONÇALVES, J. C. S.; BODE, K (Organizadores). Edifício Ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2015, 591 p.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA, Ministério das Cidades. Pesquisa de satisfação dos beneficiários do Programa Minha Casa Minha Vida. Relatório Técnico. Brasília, 2014.
KEELER, M.; BURKE, M. Projeto de Edificações Sustentáveis. Porto Alegre: Bookman, 2009, 362 p.
LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência Energética na Arquitetura. Rio de Janeiro: Eletrobras, 2014. 366 p.
OLIVEIRA, R. D. Classificação do Desempenho Térmico da Envoltória de Habitação Popular em Concreto Armado. 2015. Tese (Doutorado em Engenharia de Estruturas) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Estruturas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
PICKETT, S.T.A.; McGRATH, B.; CADENASSO, M.L. & FELSON, A.J. Ecological resilience and resilient cities, Building Research & Information, 42:2, 143-157, 2014. DOI: 10.1080/09613218.2014.850600.
PROCEL EDIFICA. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Residenciais. 2012, 96 p.
RODIN, J. The Resilience Dividend. Great Britain: Profile Books, 2015. 324 p.
SMIT, B. e WANDEL, J. Adaptation, adaptive capacity and vulnerability. Global Environmental Change, 16: 282-92, 2006.
TRIANA, M. A.; LAMBERTS, R.; SASSI, P. Characterization of representative building typologies for social housing projects in Brazil and its energy performance. Energy Policy, 2015, 87:524-541, 2015. DOI: 10.1016/j.enpol.2015.08.041. Disponível online em < https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0301421515300859>. Acesso em nov. 2018.
VASQUEZ, E. M. A. Análise do conforto ambiental em projetos de habitações de interesse social segundo a NBR 15.575:2013. 2017. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Ambiental, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2018.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2015.
Publicado
22-09-2020
Como Citar
CARRER RUMAN DE BORTOLI, K.; BARBOSA VILLA, S. CONFORTO AMBIENTAL COMO ATRIBUTO PARA A RESILIÊNCIA EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL BRASILEIRAS. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 5, n. 3, p. 126-140, 22 set. 2020.
Seção
PESQUISA