TIPOLOGIAS ES´PACIAIS DA VÁRZEA AMAZÔNICA

estudo morfológico de assentamentos em Afuá (PA)

  • Letícia Ribeiro Vicente Universidade Federal do Pará
  • Ana Cláudia Duarte Cardoso
Palavras-chave: Afuá, várzea, morfologia, Amazônia

Resumo

Os objetivos desta pesquisa são caracterizar tipologias espaciais de assentamentos humanos (localidades e vilas ribeirinhas) ligados ao sistema rio – mata – roça – quintal, que sintetizem a complexidade do cotidiano em contexto de várzea e revelem sua matriz espacial própria, e rastrear seus fragmentos nas derivações observadas nos contextos urbano e metropolitano. A pesquisa assume como principal área de estudo o município de Afuá, arquipélago do Marajó, estado do Pará, onde a ocupação ainda é tipicamente de várzea; parte da caracterização morfológica dos arranjos espaciais observados na sede e em comunidades do município, que transcenderam o tempo (arranjos matrizes), para cotejá-los com arranjos espaciais existentes em ambiente de várzea da ilha do Combu, em Belém, polo metropolitano. O método de análise adaptou categorias da Escola Italiana de Morfologia para a realidade amazônica, e evidenciou semelhanças nos arranjos espaciais das ilhas dos dois municípios, associadas à existência de uma consciência espontânea, assim como a tendência de ruptura já manifesta na sede de Afuá, que gradativamente absorve valores e políticas metropolitanos. Propõe-se que a compreensão da espacialidade da várzea subsidie políticas territoriais e urbanas, que até então têm sido pautados exclusivamente por uma consciência crítica e técnica que tende a negar os limites e ritmos da natureza na região Amazônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASCELRAD, H. Ambientalização das lutas sociais - o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, vol. 64, nº 68. 2010.
BAHAMÓN, Alejandro; ALVAREZ, Ana Maria. Palafito: de Arquitectura vernácula a contemporânea. Barcelona: Parramóns, 2009.
BECKER, B. A Urbe Amazonida. São Paulo: Garamon, 2013.
BIBAS, L. O espaço tradicional em contexto periférico: inadequações e tensões entre visões de mundo, o caso de Afuá. 2018. 145f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.
BRITO, R. Esse rio é minha rua... e a floresta, a minha casa: guia de desenho ribeirinho para a Ilha do Combu, Belém, Pará. Trabalho de conclusão de curso. Belém: Universidade Federal do Pará, 2019.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2016.
CORRÊA NETO, J. O bioma como condicionante da urbanização na Amazônia. 2018. 230f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura, Tecnologia e Cidade) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.
CORRÊA, R. A periodização da rede urbana da Amazônia. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 4, n.3, p. 39-68, jul./set. 1987.
COSTA, F. A. Administrador secular da biodiversidade: sobre a formação e
contemporaneidade econômico-cultural de um campesinato amazônico. In: MALCHER,
Maria; MARQUES, Jane; PAULA, Leandro. História, Comunicação e Biodiversidade na
Amazônia. 1.ed. São Paulo: Acquerello, 2012.
COSTA, S.; GIMMLER NETTO, M.M. Fundamentos de morfologia urbana. Belo Horizonte: C/Arte, 2015.
GONÇALVES, C. W. Amazônia, Amazônias. São Paulo: Contexto, 2005.
HECKENBERGER, M. J. As cidades perdidas da Amazônia - A floresta tropical amazônica não é tão selvagem quanto parece. Departamento de Arqueologia da UFRJ, 2015.
HECKENBERGER, M. J. et al. Pre-Columbian urbanism, anthropogenic landscapes, and the future of the Amazon. Science, v. 321, n. 5893, p.1214–1217. 2008.
IBGE. IBGE Cidades: Afuá. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/afua/panorama. Acesso em 15 jan. 2019.
IDERFLOR-BIO. Unidades de Conservação. IDERFLOR-BIO, 2019. Disponível em: < https://ideflorbio.pa.gov.br/unidades-de-conservacao/>. Acesso em 06 abr. 2020.
INCRA. Acervo fundiário. INCRA, 2019. Disponível em: . Aceso em 01 fev. 2020.
INCRA. Relatório de assentamentos - Informações Gerais. 2017. Disponível em: . Acesso em 5 de fev. 2019.
INDE. Instituto Nacional de Dados Espaciais. INDE, 2019. Disponível em: . Acesso em 01 fev. 2020.
ISUF [Internation Seminar on Urban Form]. Glossary. Disponível em: < http://www.urbanform.org/glossary.html>. Acesso em 10 de jan. 2019.
LOPES, R.J. 1499: a pré-história do Brasil. Rio de Janeiro: Harper Collins, 2017.
LOUREIRO, V. Amazônia: estado, homem, natureza. 3º ed. Belém: Cultural Brasil, 2014.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2017.
MONTE-MÓR, R. L. Urbanização, Sustentabilidade, Desenvolvimento: complexidades e diversidades contemporâneas na produção do espaço urbano. In: COSTA, G. M.; COSTA, H.; MONTE-MÓR, R. L. Teorias e práticas urbanas: condições para a sociedade urbana. Belo Horizonte: C/Arte, 2015.
MORÁN, E. A ecologia humana das populações da Amazônia. Petrópilos: Vozes, 1990.
MOUDON, A. Urban Morphology as an emerging interdisciplinar field. Urban Morphology, vol. 1, p. 3-10. 1997.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2018.
OLIVEIRA, V. (Org.). Diferentes abordagens em morfologia urbana. Contributos luso-brasileiros. Porto: Urban Forms, 2018.
ROCHA, M.C. Quando a cidade convida: lições de urbanidade e configuração em assentamentos limitados. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de Brasília, Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Brasília, 2017.
SCHAAN, D. Cultura marajoara. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2009.
SOUZA, J. G. et al. Pre-Columbian earth-builders settled along the entire southern rim of the Amazon. Nature Comunications, v.9, n.1125. 2018.
STERNBERG, H. A Água e o homem na várzea do Careiro. 2 ed. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1998.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2018.
AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2019.
WEIMER, G. Arquitetura popular brasileira. 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.
Publicado
22-09-2020
Como Citar
RIBEIRO VICENTE, L.; DUARTE CARDOSO, A. C. TIPOLOGIAS ES´PACIAIS DA VÁRZEA AMAZÔNICA. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 5, n. 3, p. 96-112, 22 set. 2020.
Seção
PESQUISA