USABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A percepção ao risco de quedas em usuários idosos no município de Balneário Camburiú/SC

  • Juliana Tasca Tissot UFSC
  • Lizandra Vergara
  • Giselle Merino
  • Eugenio Merino
  • Isadora Modesti
Palavras-chave: usabilidade, queda, idoso, espaço publico

Resumo

O número de idosos está crescendo cada dia mais. A estimativa prevê que em 2025, existirá um total de aproximadamente 1,2 bilhões de pessoas com mais de 60 anos e que até 2050 esse número chegue a dois bilhões. Para envelhecer de maneira saudável e ativa, deve-se levar em conta os perigos do ambiente físico como as barreiras, por exemplo, que podem causar lesões incapacitantes, sendo as mais frequentes aquelas decorrentes de quedas. Ter uma moradia e vizinhança segura são essenciais para o bem-estar do idoso. Dessa forma, esta pesquisa objetivou identificar a percepção de idosos ao risco de quedas no deslocamento no passeio público no município de Balneário Camboriú/SC. Para estruturação da pesquisa conceitos de usabilidade e acessibilidade; barreiras físicas; a relação entre os idosos e as quedas; o entendimento sobre legislações voltadas à pessoa idosa; normativas e orientações para projetos de espaços públicos foram estudados. A pesquisa foi de natureza bibliográfica e exploratória, com pesquisas em artigos, livros, além de Visita Exploratória e Passeio Walkthrough com usuários. Como resultados tem-se que ao projetar espaços externos, especificamente passeio públicos, deve-se levar em conta que o piso podotátil, a inclinação, altura e estreitamento dos passeios, os rebaixamentos de guia, as tampas de caixa de inspeção, a funcionalidade e estética da pavimentação dos passeios, além da aglomeração de pessoas. Além disso, o arquiteto e urbanista deve seguir as premissas da legislação e normas vigentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Tasca Tissot, UFSC

Mestre em arquitetura e urbanismo pelo programa de pós-graduação em arquitetura e urbanismo.

Referências

ALVES JUNIOR, Edmundo de Drummond (Org.). Envelhecimento e vida saudável. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.
ALVES JUNIOR, Edmundo de Drummond; PAULA, Fátima de Lima. A prevenção de quedas sob o aspecto da promoção da saúde. In: ALVES JUNIOR, Edmundo de Drummond. Envelhecimento e vida saudável. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009. p. 205-223.
ASSIS, Diva Carolina A, de.; TOLEDO, Alexandre Márcio. Concepção De Calçadas À Luz Da NBR 9050: Interpretações Equivocadas Das Recomendações Da Norma. Congresso Internacional de Ergonomia Aplicada. Recife, 2016.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 16537: Acessibilidade - Sinalização tátil no piso - Diretrizes para elaboração de projetos e instalação. Rio de Janeiro: Abnt, 2016.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: Abnt, 2015.
BRASIL. Decreto-lei nº. 5.296, de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm . Acesso em 21 nov. 2019.
BRASIL. Guia global: cidade amiga do idoso. Organização Mundial de Saúde, p. 66, 2008.
BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social do. Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa Documento Técnico: Caminho para o envelhecimento ativo, saudável, cidadão e sustentável. Processo de integração de políticas públicas para que comunidades e cidades se tornem mais amigas da pessoa idosa. Brasília: Imprensa Nacional, 2018. 33 p.
LEIVA-CARO, J. A. et al. Connection between competence, usability, environment and risk of falls in elderly adults. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 23, n. 6, p. 1139–1148, 2015.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA. Quedas em Idosos : Prevenção. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina Quedas, p. 1–10, 2008.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. p. 62, 2005.
DISCHINGER, Marta; BINS ELY, Vera Helena Moro; BORGES, Monna Michelle Faleiros da Cunha. Manual de acessibilidade espacial para escolas: o direito à escola acessível. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2009.
FABRICIO, Suzele e col. Causas e consequências de quedas de idosos atendidos em hospital público. Rev. Saúde Pública, v. 38, n. 1, pp. 93-99, 2004.
LEIVA-CARO, José Alex et al. Relação entre competência, usabilidade, ambiente e risco de quedas em idosos. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 6, n. 23, p.1139-1148, nov. 2015. Disponível em: . Acesso em: 03 fev. 2020.
MENDES, Telma de Almeida; VALSECHI Vera Lúcia de Almeida. Armadilhas do espaço urbano. Einstein, 2007.
MENEZES Ruth Losada de; BACHION Maria Márcia. Estudo da presença de fatores de riscos intrínsecos para quedas em idosos institucionalizados. Cien. saúde coletiva [Periódico na Internet]. 2008 [Acesso em 10 abr 2010]; 13(4):1209-218. Disponível em http://www.scielosp.org/pdf/csc/v13n4/17.pdf . Acesso em 26 nov. 2019.
NUNES, N. M. et al. Avaliação do medo de cair e equilíbrio de idosos ativos e não ativos: um estudo comparativo. Revista Brasileira de Ciência e Movimento: RBCM, [s. l.], v. 24, n. 2, p. 173–181, 2016. Disponível em: . Acesso em 7 nov. 2019.
NCS TOTAL (Santa Catarina). Tampa de tubulação explode em calçada na Beira-Mar Norte, em Florianópolis. 2019. Elaborado por Larissa Neumann. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2020.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (Org.). Guia global: Cidade amiga do idoso. Genebra: Book Order, 2008.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Envelhecimento Ativo: uma política de saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf. Acessado em abril de 2019. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Guia Global: A cidade amiga do idoso, 2008. Disponível em: HTTP://www.who.int/ageing/GuiaAFCPortuguese.pdf. Acessado em abril de 2019.
PRATA, H. L. et al. Relatos De Quedas Extrínsecas Em Idosos Participantes Do Projeto Prev- Quedas. Revista de Pesquisa: Cuidado e Fundamental, [s. l.], v. 6, n. 2, p. 685–694, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2019.
RHEINGANTZ, Paulo A.; AZEVEDO, Giselle; BRASILEIRO, Alice; ALCANTARA, Denise de; QUEIROZ, Mônica. Observando a Qualidade do Lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: PROARQ/FAU-UFRJ, 2009 [livro eletrônico
(9) (PDF) Observando a Qualidade do Lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/308740248_Observando_a_Qualidade_do_Lugar_procedimentos_para_a_avaliacao_pos-ocupacao . Acesso em: 03 fev. 2020.
ROCHA, Paula Manoela dos Santos da et al. Os oito princípios da calçada para desenvolver cidades mais ativas. São Paulo: Wri Brasil, 2015. 39 p.
SILVA, Marcia Regina da; NIEROTKA, Rosane Paula; FERRETTI, Fátima. Quedas em idosos: Uma realidade complexa. Fisisenectus, Chapecó, v. 1, n. 7, p.1-2, jun. 2019. Semestral.
STAUT, Lucy Ana Vilela. Usabilidade Universal Na Arquitetura: Método de Avaliação baseado em heurísticas. 2014. 249 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Campinas, Campinas, 2014.
SOMMER, Barbara; SOMMER, Robert. Tools and Techniques. New York: Oxford University Press, 1997.
VANZUITA, Alexandre; FERNANDES, Flávia de Souza; FEIL, Daiana Caroline Prestes. Percepção Dos Idosos Frente Às Políticas Públicas Oferecidas No Município De Balneário Camboriú - Santa Catarina. Camboriú: Instituto Federal Catarinense, 2019.
ZEIZEL, John. Inquiry by design: environment/behavior/neuroscience in arquitecture, interiors, landscape and planning. Jonh Zeizel foreword by John P. Eberhard. Rev. ed. Norton & Company, 2006. 400p.
Publicado
22-09-2020
Como Citar
TISSOT, J. T.; VERGARA, L.; MERINO, G.; MERINO, E.; MODESTI, I. USABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 5, n. 3, p. 64-78, 22 set. 2020.
Seção
PESQUISA