PERCEPÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS

RECOMENDAÇÕES DE PROJETO PARA ECOVILAS NO RIO GRANDE DO SUL

  • Adriana Viebrantz Braga Universidade Federal de Pelotas
  • Lígia Maria de Ávila Chiarelli
Palavras-chave: Ecovilas, Arquitetura Sustentável, Espaços Externos, Percepção Ambiental

Resumo

Comunidades Sustentáveis ou Ecovilas, como são conhecidas no Brasil, são excelentes soluções de moradia. Elas possuem um baixo custo de manutenção e garantem um estilo de vida de baixo impacto ecológico. São locais agradáveis, com características paisagísticas únicas, o que acrescenta grande qualidade ambiental aos espaços de convivência. Porém, esses espaços externos criados pelos moradores, muitas vezes não aproveitam todo potencial que o espaço oferece, perdendo-se a oportunidade de ter um espaço mais agradável, acolhedor e compatível com a sua finalidade. O objetivo da investigação é propor sugestões para o planejamento, organização dos espaços externos e disposição das construções, sob a ótica da Psicologia Ambiental, contribuindo para o melhoramento dos espaços abertos das Ecovilas do Estado do Rio Grande do Sul (RS). Os procedimentos metodológicos iniciais foram as pesquisas documental e bibliográfica, conduzida por Estudo de Caso envolvendo 3 Ecovilas, escolhidas entre 15 identificadas no Estado. Foi realizada uma entrevista semiestruturada, elaborada a partir de dados e resultados das visitas exploratórias e referencial teórico, envolvendo quatro categorias da Psicologia Ambiental: Ambientes Restauradores; Apego ao Lugar; Arranjo Espacial e Comportamento Sócio Espacial. Os dados foram interpretados sob o ponto de vista qualitativo, fazendo uso da Nuvem de palavras e da Tabela Síntese Geral, resultando na Tabela de Recomendações. A investigação produziu 38 recomendações direcionadas a projetos de Ecovilas no Rio Grande do Sul, contemplando seus ambientes externos e possibilitando uma gama de alternativas para a criação de ambientes externos mais dinâmicos, agradáveis e diferenciados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDER, C.; ISHIKAWA, S.; SILVERSTEIN, M. Uma linguagem de padrões: A pattern language. Porto Alegre: Bookman, 2013. 1117p
BENTLEY, I., Alcock, A., Murrain, P., MCGlynn, S., Smith, G. Responsive environments: A manual for designers. Oxford, 1997, 148p.
CHIARELLI, Lígia Maria Ávila. Qualidade arquitetônica em espaços abertos em conjuntos habitacionais de interesse social. Estudo de caso em empreendimento PAR, Pelotas/RS. 2006. 178 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2006
COELHO, B. A; CABRITA, R. A. Espaços exteriores em novas áreas residenciais. Lisboa, LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil, 1992.
CULLEN, G. Paisagem urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1983.
DAY, Christopher. Places of the soul: architecture and environmental design as a healing art.2 ed. Editora Architectural Press 1999.
ELALI, G. A. Relações entre comportamento humano e ambiência: uma reflexão com base na psicologia ambiental. In: Anais do Colóquio Ambiências Compartilhadas. Rio de Janeiro: ProArq - UFRJ, 2009.
GEN. Ecovilas. GEN, Global Ecovillage Networks, 2019. Acesso em Jan. 2019. Online. Disponível em: http://ecovillage.org/about/gen/
GOOGLE MAPS. Google Maps. Acesso em 09 de Out. 2019. Online. Disponível em https://www.google.com.br/maps
HERWIG, R. S. Diseño de Jardines - Ideas sobre projectos de jardineria, Barcelona: Blume, 1987
KAPLAN, R. e KAPLAN, S. A experiência da natureza: uma perspectiva psicológica. Nova York: Cambridge University Press, 1989.
KUHN, Desirée. Análise multidimensional dos padrões urbanos do espaço público: o caso da cidade de Feliz, RS. 2016. 227 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
MASCARÓ, Juan L.; MASCARÓ, Lucia. Vegetação Urbana. 3ed. Porto Alegre: Editora Masquatro, 2010.
PIAGET, Jean; INHELDER, Bärbel. A Psicologia da Criança. Trad. Octavio M. Cajado. São Paulo: Difel, 1968. 146p. Acesso em 04 Dez. 2019. Online. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/21059143/piaget-j-inhelder-b-a-psicologia-da-crianca
RHEINGANTZ, Paulo A.; AZEVEDO, Giselle; BRASILEIRO, Alice; ALCANTARA, Denise de; QUEIROZ, Mônica. Observando a Qualidade do Lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: PROARQ/FAU-UFRJ, 2009.
SATTLER, Miguel Aloysio. HABITAÇÕES DE BAIXO CUSTO MAIS SUSTENTÁVEIS: a Casa Alvorada e o Centro Experimental de Tecnologias Habitacionais Sustentáveis. Porto Alegre: ANTAC, 2007.
Publicado
25-01-2021
Como Citar
VIEBRANTZ BRAGA, A.; DE ÁVILA CHIARELLI, L. M. PERCEPÇÃO AMBIENTAL EM COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 6, n. 1, p. 114-123, 25 jan. 2021.