PROCESSO PARTICIPATIVO NO PAISAGISMO DE UMA NASCENTE URBANA

  • RESENDE, Keler Mara G. Universidade Vale do Rio Verde
  • ALCANTRA, Eliana Universidade Vale do Rio Verde
  • MARQUES, Rosângela F.P.V. Universidade Vale do Rio Verde
  • RIOS, Maria Roberta D. L. Universidade Vale do Rio Verde
Palavras-chave: Paisagem, Tecnologia social, Revitalização, Sustentabilidade, Percepção ambiental

Resumo

Com este trabalho objetivou-se propor um projeto paisagístico sustentável de uma nascente urbana, localizada em Três Corações-MG. Além da proposição de medidas técnicas, este estudo trata-se também de uma proposta de sensibilização e mobilização da população moradora do entorno, com a intenção de gerar o sentimento de pertencimento e consequentemente a proteção e conservação da área. Foram utilizados processos participativos embasados pelas teorias da organicidade das organizações humanas. O projeto paisagístico foi elaborado conforme a estrutura da NBR nº16636-2/2017, dividido em quatro etapas consecutivas e complementares: levantamento de dados, estudo preliminar, anteprojeto e projeto executivo. O conceito adotado para o projeto paisagístico foi o da sustentabilidade, com gestão participativa, objetivando a diminuição do impacto ambiental além de baixos custos e baixa necessidade de manutenção. O processo participativo foi importante na conscientização da comunidade em relação a riqueza que a área da nascente significa e envolveu a comunidade nas tomadas de decisão para a elaboração do projeto paisagístico de revitalização, inspirando o sentimento de pertencimento e de corresponsabilidade. O projeto paisagístico fornece as informações necessárias para a sua implantação e servirá de instrumento na captação de recursos para sua efetivação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

RESENDE, Keler Mara G., Universidade Vale do Rio Verde

Arquiteta e Urbanista. Mestre em Sustentabilidade em Recursos Hídricos pela Universidade Vale do Rio Verde. Docente no curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Vale do Rio Verde.

ALCANTRA, Eliana, Universidade Vale do Rio Verde

Doutorado em Agronomia (Entomologia) pela Universidade Federal de Lavras, Brasil(2010)
membro do núcleo docente estruturante - NDE da Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações , Bras

MARQUES, Rosângela F.P.V., Universidade Vale do Rio Verde

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras (2007) e mestrado (2011) e doutorado em RECURSOS HÍDRICOS EM SISTEMAS AGRÍCOLAS pela Universidade Federal de Lavras (2014). Minha atuação profissional tem se baseado no ensino e pesquisa na área de recursos hídricos e meio ambiente, saneamento ambiental, qualidade de água, tratamento de efluentes e resíduos sólidos. Projetos em andamento: i) Aspectos Estratégicos da Sustentabilidade; ii) Avaliação da eficiência de banhados naturais e de sistemas construídos no pós - tratamento do chorume; iii) Avaliação e proteção dos recursos hídricos; iv) Fitorremediação; v) Diagnóstico e soluções alternativas de Saneamento e Saúde Ambiental; vi) Tratamento descentralizado de águas residuárias pela associação entre tanque séptico e wetlands; vii) Saúde pública e saneamento ambiental: soluções para o planejamento; viii) Insetos e Bioindicadores de solo e água: levantamento, identificação, flutuação populacional e ambiente SIG; ix) Simulação Hidrológica em pequenas bacias hidrográficas na região do Rio Verde; x) Simulação hidrológica e climática na região sul de Minas Gerais como função do uso do solo e mudanças climáticas. No contexto de ensino: i) Disciplinas Poluição Ambiental; Tratamento de resíduos sólidos, líquidos, gasosos e industriais, saneamento ambiental, para os cursos de engenharia ambiental, Silvicultura para o curso de agronomia da UninCor; ii) Docente integral no Programa de Pós-graduação em Sustentabilidade em Recursos Hídricos (Saneamento ambiental experimental, Tratamento de efluentes líquidos, Princípios da Modelagem e controle da qualidade da água superficial).

RIOS, Maria Roberta D. L., Universidade Vale do Rio Verde

Graduanda do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Vale do Rio Verde 

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16636-2: Elaboração e desenvolvimento de serviços técnicos especializados de projetos arquitetônicos e urbanísticos, Parte 2: Projeto arquitetônico. ABNT-CB 002, 2017. Disponível em: http://www.caubr.gov.br. Acesso em: 09 de out. 2019.

BARBOSA, E. M.; MOTA, T.C. Direito ambiental e gestão participativa. 2013. Disponível em: https://carollinasalle.jusbrasil.com.br/artigos/112210588/direito-ambiental-e-gestao-participativa. Acesso em: 20/11/2019.

BARRETO, S. R.; RIBEIRO, S. A.; BORBA, M. P. Nascentes do Brasil: Estratégias para a proteção de cabeceiras em bacias hidrográficas. 1 ed. São Paulo: WWF – BRASIL, 2010.

BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C.; PRADO, N. J. S.; FONSECA, E. M. B. Implantação de Mata Ciliar. Belo Horizonte: CEMIG/UFLA/FAEPE, 1995. 36 p.

BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C; FARIA, J. M. R. Desenvolvimento inicial de seis espécies florestais nativas em dois sítios, na região sul de Minas Gerais. Cerne, Lavras, v. 2, n. 1, p. 43-52, 1996.

BRASIL. Lei federal nº. 12.651/12. Código florestal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 12 mar. 2019.

CAPRA, F. As conexões ocultas: Ciência para uma vida sustentável. Ed. Cultrix. São Paulo, 2002.

OLIVEIRA, D. F.; MONTEIRO, L. V. G. Ecodesenvolvimento: Uma Abordagem sob o Contributo de Ignacy Sachs. Revista de Direito, Economia e Desenvolvimento Sustentável, v. 1, n. 1, p.29-48, 2015.

PEREIRA, J. A. A.; BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C. Desenvolvimento de espécies florestais de rápido crescimento em diferentes condições de sítio visando a recomposição de matas ciliares. Cerne, Lavras, v. 5, n. 1, p. 36-51, 1999.

PEREIRA, P. V. V; MATOS, L. S. Lazer como mecanismo de apropriação democrática dos espaços públicos: um estudo sobre as práticas de lazer na Estação das Docas em Belém (Pará, Brasil). Turismo & Sociedade, Curitiba, v. 8, n. 3, p. 511-531, 2015.

PINTO, L. V. A. Caracterização física da sub-bacia do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG e propostas de recuperação de suas nascentes. Dissertação (Mestrado) UFLA, Lavras, MG, 2003.

RAMALHO, D. Rio Tamanduateí – Nascente à Foz: percepções da paisagem e processos participativos. Paisagem Ambiente. São Paulo, n. 24, p. 99-114, 2007.

VIEIRA, W. M. Análise das terminologias utilizadas para a recuperação de cursos d’água urbano – Anápolis: Centro Universitário de Anápolis – UniEvangélica, 2019. 87 p.; il. Orientador: Prof. Dr. Clarimar J. Coelho. Dissertação (mestrado) – Programa de pós-graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente – Centro Universitário de Anápolis – UniEvangélica, 2019.
Publicado
25-01-2021
Como Citar
KELER MARA GOMES DE , R.; ALCANTRA, E.; MARQUES, R. F. DE P. V.; RIOS, M. R. D. L. PROCESSO PARTICIPATIVO NO PAISAGISMO DE UMA NASCENTE URBANA. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 6, n. 1, p. 124-137, 25 jan. 2021.