O TIPO PALAFITA AMAZÔNICO

entre formalidade e informalidade do habitar na Vila da Barca (Belém, Pará, Brasil)

  • Tainá Marçal dos Santos Menezes UFPA
  • Ana Klaudia de Almeida Viana Perdigão UFPA
Palavras-chave: tipo palafita amazônico, processo de projeto, pesquisa em projeto, arquitetura, Amazônia

Resumo

O conflito arquitetônico entre produção formal de habitação e produção informal tem revelado o papel da vivência espacial de comunidades tradicionais como fator decisivo para adaptação habitacional em programas de reassentamento. Objetivou-se investigar relações espaciais que caracterizam o padrão ribeirinho de habitar, denominado tipo palafita amazônico, como apoio à instrumentalização do projeto, visto que o uso de tipos como ponto de partida do projeto amplia possibilidades na concepção arquitetônica ao incluir relações de natureza topológica em complementação aos repertórios formais, tradicionalmente geométricos, no campo da arquitetura. O estudo foi realizado em área de ação governamental de reassentamento habitacional denominada Vila da Barca, na cidade de Belém, Pará, Brasil, abrangendo duas lógicas de ocupação do território: formal, com habitações em sobrados, e informal, com habitações em palafitas. Os resultados alcançados, por uma abordagem multimétodos, evidenciam a identificação dos moradores com princípios do ‘tipo palafita amazônico’ na área da comunidade em palafitas, e nos sobrados após uma série de modificações realizadas por eles ao longo do processo de adaptação ao reassentamento habitacional. As evidências das respostas dos moradores indicam novos caminhos para as decisões de projeto, sendo a caracterização do tipo palafita amazônico uma alternativa para ultrapassar o olhar técnico pautado em representações geométricas como ponto de partida da concepção arquitetônica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Klaudia de Almeida Viana Perdigão, UFPA

Doutorado em Arquitetura e Urbanismo FAUUSP (2006), Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU-UFPA) e do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Pará (PPGAU-UFPA).

Referências

ABELÉM, A. G. Urbanização e remoção: porque e para quem? Belém: Naea, 1988.

ACEVEDO MARIN, R. E. Julgados da terra: cadeias de apropriação e atores sociais em conflito na ilha de Colares. Belém: UFPA, 2004.

ALMEIDA, A. W. B. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”, “faxinais e fundos de pasto”: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus: PGSCA-UFAM, 2008, p. 25-127.

AMORIM, R. da S. Processo de reassentamento no Conjunto Habitacional Nova da Barca em Belém/PA. Belém, 131f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2011.

AMORIM, L. Espaço-tipo: de aα a dδ. In: VI PROJETAR, Salvador, 2013. Anais... Salvador: UFBA, PPGAU, 2013. v. 1.

AMORIM, L. Da origem dos sistemas espaciais. In: VII PROJETAR, Natal, 2015. Anais... Natal: Editora Firenzze, 2015. v. 1. p. 73-83.

AMORIM, L. Forma e espaço: da relação entre composição arquitetônica e configuração espacial à luz da “Lei de Amorim”. Oculum Ensaios, 16(2), 2020, p. 311-333. doi:10.24220/2318-0919v16n2a4263.

ARÍS, C. M. Las variaciones de la identidad: ensayo sobre el tipo en arquitectura. Barcelona: Ediciones Del Serbal, 1993.

BARDA, M. Espaço (meta)vernacular na cidade contemporânea. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BOUDON, P. Do espaço arquitetural ao espaço de concepção. In: DUARTE, C. R.; RHEINGANTZ, P. A.; AZEVEDO, G.; BRONSTEIN, L. (org.). O lugar do projeto no ensino e na pesquisa em arquitetura e urbanismo. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2007. p. 42-50.

CARDOSO, A. C. D. O espaço alternativo: vida e forma urbana nas baixadas de Belém. Belém: Editora da UFPA, 2007.

COSTA, S. M.G., PERDIGÃO, A. K. A.V. & CAVALCANTE, L. I.C. Política habitacional em Belém (PA): estudo sobre adaptação habitacional em tipologias multifamiliares. Argumentum, 7(2), 2015, p. 302-217. doi: 10.18315/argumentum.v7i2.10491

CRUZ, V. C. O rio como espaço de referência identitária: reflexões sobre a identidade ribeirinha na Amazônia. In: TRINDADE JR, S. C.; TAVARES, M. G. C. (org.). Cidades Ribeirinhas na Amazônia: Mudanças e Permanências. Belém, Editora da UFPA, 2008. p. 48-67.

DEL RIO, V. Projeto de arquitetura: entre criatividade e método. In: DEL RIO, V. (org.). Arquitetura: pesquisa e projeto. São Paulo: Pro Editores; Rio de Janeiro: FAU/UFRJ, 1998.

DIOGO, A. A. M. Por uma interpretação urbanística situacional de espaços de moradia autoconstruida. “Vila da Barca: morando sobre as águas” Belém – Pará – Brasil. Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano): - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

JACOBY, S. Type versus typology Introduction. The Journal of Architecture, 20(6), 2015, P. 931-937, doi: 10.1080/13602365.2015.1115600

LOUREIRO, V. R. Pressupostos do modelo de integração da Amazônia aos mercados Nacional e Internacional em vigência nas últimas décadas: a modernização às avessas. In: COSTA, M. J. J. (org.). Sociologia na Amazônia: debates teóricos e experiências de pesquisa. Belém: Editora da UFPA, 2001, p. 47-70.

MADRAZO, L. The concept of type in Architecture. An inquiry into the nature of architectural form. Tese (Doutorado). Swiss Federal Institute of Technology, Zurique, 1995.

NASCIMENTO, C. F. B. Até os limites do tipo: emergência, adequação e permanência das propriedades sócio-espaciais dos edifícios de re-formação. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal do Pernambuco. Recife, 2008.

NASCIMENTO, C. F. B. Nada vem do nada: por uma revisão contemporânea do conceito de tipo edilício. Pós (27), 2010, p. 102-120. doi: 10.11606/issn.2317-2762.v0i27p102-120

NORBERG-SCHULZ, C. Existence, space and architecture. New York: Praerger, 1971.

OLIVEIRA, J. A. DE; SCHOR, T. Das cidades da natureza à natureza das cidades. In: TRINDADE JR, S. C.; TAVARES, M. G. C. (org.). Cidades Ribeirinhas na Amazônia: Mudanças e Permanências. Belém, Editora da UFPA, 2008. p. 15-26.

OLIVEIRA, R. C. Construção, composição, proposição: o projeto como campo de investigação epistemológica. In: CANEZ, A. P.; SILVA, C. A. (org.). Composição, partido e programa: uma revisão crítica de conceitos em mutação. Porto Alegre: Livraria do Arquiteto, 2010, p. 33-45.

OLIVEIRA JUNIOR, J. A. Arquitetura Ribeirinha sobre ás águas da Amazônia: o habitat em ambientes complexos. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) –Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

PEREIRA, R. B. Arquitetura, imitação e tipo em Quatremère de Quincy. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

QUIROGA, F. A. Del tipo a la Idea: herramientas teóricas del proyecto arquitectónico moderno y contemporâneo. In: IV PROJETAR, São Paulo, 2009. Anais... São Paulo, 2009.

RAZEIRA, P. S. Ilha do Marajó: Paisagens possíveis. In: LIMA, M. D; PANTOJA, V. (org.). Marajó: culturas e paisagens. 2. ed. Belém: IPHAN, 2008. p. 102-127.

SANTOS, V. C. Requalificação urbana da paisagem de várzea da Vila da Barca - Belém/Pará e suas consequências socioambientais. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Pará. Belém, 2012.

SEHAB. Projeto Social Vila da Barca. Belém: PMB, 2004.

SILVA, M. N. E. S. DA. Investigação projetual de habitação social: o caso “Vila da Barca”. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal do Pará. Belém, 2013.

TRINDADE JR, S. C. DA. Imagens e representações da cidade ribeirinha na Amazônia: uma leitura a partir de suas orlas fluviais. In: ARAÚJO, R. C. Humanitas. Belém: UFPA, 2002.

VELOSO, M. A pesquisa no campo de projeto de arquitetura e urbanismo no Brasil na perspectiva dos Seminários Projetar 2003-2015. Revista PROJETAR, 1(1), 2015, p. 53-58.

WEIMER, G. Arquitetura popular brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

XIMENES, J. Belém do Pará: cidade e água. Cadernos Metrópole, 17(33), 2015, p. 41-60. doi: 10.1590/2236-9996.2015-3302.

Publicado
12-05-2021
Como Citar
MARÇAL DOS SANTOS MENEZES, T.; DE ALMEIDA VIANA PERDIGÃO, A. K. O TIPO PALAFITA AMAZÔNICO. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 6, n. 2, p. 44-59, 12 maio 2021.