JARDIM SENSORIAL DA UFRN

ESPAÇO DE INCLUSÃO E SUSTENTABILIDADE

Autores

  • Elizabeth Romani UFRN
  • Magnólia Fernandes Florêncio de Araújo
  • Luciano Cesar Bezerra Barbosa

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2021v6n2ID23797

Palavras-chave:

jardim sensorial; inclusão; sustentabilidade

Resumo

Este trabalho apresenta o contexto de um projeto de extensão universitária para construção de um espaço não-formal do ensino de ciências e para experiências multissensoriais, bem como sua execução. As especificidades de projeto, em um contexto de restrições orçamentárias envolvidas na construção e no que pese o respeito aos parâmetros de acessibilidade, torna-o relevante para discussão e divulgação do processo. O jardim foi concebido para ser instalado no Parque das Ciências do Museu Câmara Cascudo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte como proposta de inclusão social, especialmente de pessoas com deficiência, e de perspectiva pedagógica para o ensino de ciências, sendo ainda uma opção recreativa e uma possibilidade de divulgação temas ligados a sustentabilidade. O objetivo desse espaço é ofertar trocas de experiências e de percepções durante o percurso com públicos diversos. Diante da importância social, este trabalho objetiva relatar os procedimentos de criação e execução do projeto arquitetônico do Jardim Sensorial. Para alcançar tal objetivo foram adotadas as seguintes etapas metodológicas: visita técnica, definição das premissas do projeto, levantamento dimensional e fotográfico, desenho do percurso, análise do percurso, definição dos volumes de vegetação, definição das plantas e projeto arquitetônico. Cabe salientar que o projeto foi desenvolvido de maneira interdisciplinar, envolvendo uma equipe com professores e alunos de arquitetura, design, biologia, química e física. Espera-se que este relato contribua com projetos que envolvam a acessibilidade cultural e a inclusão de pessoas com deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizabeth Romani, UFRN

Atua na grande área Cultura, mais especificamente, avalia trabalhos sobre Produção Cultural e Artística na área de Artes Gráficas. Desenvolve projetos e orienta trabalhos contemplando temas relacionados `a mémoria gráfica e design inclusivo, além de questões relativas à acessibilidade cultural.

Referências

ALMEIDA, G. de R. et al. Biodiversidade e botânica: educação ambiental por meio de um jardim sensorial. In : Conecte-se! Revista Interdisciplinar de Extensão. V. 1. Nº 1. Belo Horizonte, 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 2015. Rio de Janeiro, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 16537: Acessibilidade - Sinalização tátil no piso - Diretrizes para elaboração de projetos e instalação. 2016. Rio de Janeiro, 2016.

HUSSEIN, H., OMAR, Z. ; ISHAK, S. A. Sensory garden for an inclusive society. Asian Journal of Behavioral Studies, AjBeS Vol. 1 (4), p.33-43, 2016.

MOORE, K., WORDEN, E. How to Design an Accessible Sensory Garden. Disponível em: https://ben20twelve.wordpress.com/sensory-gardens/. Acesso em 20 de abril de 2019.

SABBAGH, M. C.; CUQUEL, F. L. Jardim sensorial: uma proposta para crianças deficientes visuais. In: Revista Brasileira de Horticultura Ornamental. v. 13, n.2, p. 95-99, 2007.

Downloads

Publicado

12-05-2021

Como Citar

ROMANI, E.; FERNANDES FLORÊNCIO DE ARAÚJO, M.; CESAR BEZERRA BARBOSA, L. JARDIM SENSORIAL DA UFRN: ESPAÇO DE INCLUSÃO E SUSTENTABILIDADE. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 169–178, 2021. DOI: 10.21680/2448-296X.2021v6n2ID23797. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/23797. Acesso em: 20 maio. 2022.