Potencial de estratégias de racionalização do consumo de água potável aplicadas a um projeto de edifício educacional no semiárido brasileiro

Palavras-chave: projeto arquitetônico, racionalização do consumo de água, conservação da água, economia de água potável, aproveitamento de água da chuva

Resumo

A falta de água potável para consumo é um grave problema mundial. A escassez natural é um dos fatores que limitam a disponibilidade de água para populações, mas em alguns casos esta condição é acentuada pelo crescimento urbano sem infraestrutura prévia, que compromete a qualidade das reservas hídricas nas cidades. A conservação da água potável deve ser uma das principais preocupações nos projetos arquitetônicos sustentáveis. Inserido nesta discussão, este artigo apresenta um projeto de arquitetura para um edifício de uso educacional com foco na racionalização do consumo de água. O projeto foi proposto para a unidade da UFRN no município de Currais Novos, localizado em área de clima quente e seco. A proposta buscou integrar medidas de redução do consumo de água potável à arquitetura, com a finalidade de explorar qual a economia alcançada, utilizando-se três princípios: utilização de equipamentos economizadores, aproveitamento de água da chuva e reuso de águas cinzas para os pontos de consumo onde não é necessário água potável. Ao comparar dois cenários simulados – um considerando-se o prédio com as instalações hidráulicas convencionais e outro com a aplicação das medidas estudadas – os cálculos realizados indicaram que a edificação pode ter um consumo até 56% menor, se utilizadas as medidas de racionalização de consumo. O artigo apresenta detalhadamente as etapas para cálculo e simulação do consumo e traz também uma breve discussão sobre a contribuição da arquitetura para efetivação das medidas de racionalização do consumo de água.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solange Goulart, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Solange Virginia Galarca Goulart possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Maria (1987), mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993) e doutorado em Environment and Energy - Architectural Association School of Architecture (2005). Suas principais áreas de interesse são Desempenho Térmico e Eficiência Energética de Edificações, Arquitetura Bioclimática, Conforto Ambiental e Sustentabilidade em Edifícios.

Referências

ASSUNÇÃO, Luiz Márcio; LIVINGSTONE, Ian. Desenvolvimento inadequado: construção de açudes e secas no sertão do Nordeste. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 47, n. 3, p.425-448, set. 1993. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2020.
Brasil. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento – SNS. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: 24º Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2018. Brasília: SNS/MDR, 2019. 180 p.: il.
BITTENCOURT, Leonardo; CÂNDIDO, Christina. Introdução à ventilação natural. Maceió: Edufal, 2006.
CREDER, Hélio. Instalações hidráulicas e sanitárias. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.
FERREIRA, José Gomes; FIGUEIREDO, Fábio Fonseca. Seca, memória e políticas públicas na região nordeste do Brasil. 2017. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/33262/1/4294_jose_gomes_ferreira.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.
GHISI, E.; CORDOVA, M.M.; ROCHA, V. L. Netuno 3.0. Programa computacional. Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Civil. Disponível em: http://www.labeee.ufsc.br/. 2011. KAMMERS, Pauline Cristiane; GHISI, Enedir. Usos finais de água em edifícios públicos localizados em Florianópolis, SC. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p.75-90, jan. 2006.
MARINOSKI, Ana Kelly; GHISI, Enedir. Aproveitamento de água pluvial para usos não potáveis em instituição de ensino: estudo de caso em Florianópolis – SC. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p.67-84, abr. 2008.
NAKAGAWA, Alessandra Leiko. Caracterização do consumo de água em prédios universitários: O caso da UFBA. 2009. 183 f. Dissertação (Mestrado) - UFBA, Salvador, 2009.
ROAF, Sue; FUENTES, Manuel; THOMAS, Stephanie. Ecohouse. 3. ed. Oxford: Elsevier, 2007.
ROMERO, Marta Adriana Bustos. Princípios bioclimáticos para o desenho urbano. Brasília: Copymarket.com, 2000.
SABESP. Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Uso racional da água: Ações. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2011.
SODRÉ, Virgínia Dias de Azevedo; FUKASAWA, Bruno Nogueira; OLIVEIRA, Marina Roque. Guia orientativo das normas de conservação de água, fontes alternativas não potáveis e aproveitamento de água de chuva em edificações. Brasília: Câmara Brasileira da Indústria da Construção - CBIC, 2019.
TOMAZ, Plíno. Aproveitamento de água de chuva para áreas urbanas e fins não potáveis. 2. ed. São Paulo: Navegar, 2005.
UNB AGÊNCIA. Consumo da água na UnB caiu 73% nos últimos 16 anos: Melhorias na rede de fornecimento possibilitaram queda. Gasto por usuário está abaixo da média. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2011.
Publicado
28-09-2021
Como Citar
DANTAS, P.; GOULART, S. Potencial de estratégias de racionalização do consumo de água potável aplicadas a um projeto de edifício educacional no semiárido brasileiro. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 6, n. 3, p. 175-190, 28 set. 2021.