CICLO DE VIDA FAMILIAR E TRANSFORMAÇÃO DA HABITAÇÃO

APO NA COHAB LINDÓIA

Autores

  • Matheus Barbosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Liziane Jorge Universidade Federal do Espírito Santo
  • Gustavo Benedetti Universidade Federal de Pelotas
  • Nirce Medvedovski Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2022v7n2ID26839

Palavras-chave:

arranjos familiares; ciclo de vida, avaliação pós-ocupação; habitação evolutiva; COHAB

Resumo

As Companhias Habitacionais (COHAB) impulsionaram o segmento da habitação popular no Brasil a partir de 1964, sendo parte de uma das políticas públicas mais expressivas do setor, com a materialização de milhares de conjuntos habitacionais de massa voltados para as classes de baixa renda. Exemplares do movimento moderno funcionalista, com unidades tipificadas e compactas, as COHABs acolheram a tradicional família brasileira na sua origem, entretanto, abrigam transformações profundas em sua estrutura física diante das novas demandas da sociedade contemporânea. Este trabalho identifica, à luz das modificações dos arranjos familiares, as demandas e as estratégias construtivas empregadas na transformação das unidades residenciais do Conjunto Habitacional Lindóia, localizado no município de Pelotas/RS. Em decorrência de transformações demográficas, sociais e econômicas, emergem novos arranjos familiares e modos de vida que rivalizam com a padronização arquitetônica imposta pelo empreendimento. O trabalho emprega instrumentos de Avaliação Pós-Ocupação (APO) de modo a decifrar, no cerne dos grupos familiares investigados, as alterações construtivas executadas e sua relação com os distintos estágios do ciclo de vida da família. O método empregado envolve coleta da documentação técnica das unidades, levantamento de campo, entrevista semiestruturada, análises gráficas. Cada uma das residências selecionadas para a amostra abriga grupos familiares representativos da sociedade contemporânea brasileira que buscaram, através de instrumentos de flexibilidade e evolutividade construtiva, adequações às demandas contínuas de modificação do espaço doméstico. O artigo revela, ainda, a capacidade tipológica do ambiente construído em abrigar estratégias de flexibilidade e ampliação, que poderiam ser aprimoradas com a assessoria técnica profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Barbosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor substituto do curso de Engenharia Civil do IFSul, Doutorando do curso de Engenharia Civil, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, possuí Mestrando em Arquitetura e Urbanismo, na Universidade Federal de Pelotas com o enfoque em Infraestrutura de saneamento mais sustentável em Habitações de Interesse Social, a partir da Percepção do Usuário. Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho na Universidade Católica de Pelotas. Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Católica de Pelotas (2015).

Liziane Jorge, Universidade Federal do Espírito Santo

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (1998), mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004) e doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2012). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), e integra o Núcleo de Estudos de Arquitetura e Urbanismo (NAU/UFES), o Grupo de Pesquisa CRETA/DAU/UFES e o Grupo SCP - Sistemas Contemporâneos de Projeto (UVV), com pesquisas sobre os seguintes temas: habitação de interesse social, habitação coletiva, habitação contemporânea e modos de vida, condomínios fechados, minha casa minha vida, qualidade de vida urbana e urbanidade, métodos e processos projetuais contemporâneos da Arquitetura e Urbanismo. Possui experiência profissional no desenvolvimento de Projetos urbanísticos e paisagísticos e Planejamento Urbano.

Gustavo Benedetti, Universidade Federal de Pelotas

Graduando do Curso de Arquitetura e Urbanismo (Universidade Federal de Pelotas - UFPEL); Bolsista do Grupo de Pesquisa NAUrb/FAUrb - Núcleo de Arquitetura e Urbanismo da FAUrb/UFPEL e colaborador em projetos de Extensão com ênfase em participação urbana qualificativa.

Nirce Medvedovski, Universidade Federal de Pelotas

Professora Titular da Universidade Federal de Pelotas e atuando no curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo e no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo PROGRAU. Doutora em Estruturas Ambientais Urbanas pela USP (1998). Atual coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – PROGRAU (FAUrb/UFPEL). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Núcleo de Arquitetura e Urbanismo da NAURB/UFPEL.

Referências

ALVES, J. E. D. Envelhecimento populacional no Brasil e no mundo segundo as novas projeções da ONU. 2020. Disponível em: https://www.portaldoenvelhecimento.com.br/envelhecimento-populacional-no-brasil-e-no-mundo-segundo-as-novas-projecoes-da-onu/. Acesso em 24 ago. 2021.

BARBOSA, M. Infraestrutura de saneamento básico do Conjunto Habitacional Lindóia: análise sob uma perspectiva de sustentabilidade do Sistema Condominial de Esgoto. Pelotas, 2020. 200f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2020.

BRANDÃO, D. Q. Habitação social evolutiva: aspectos construtivos, diretrizes para projetos e proposição de arranjos espaciais flexíveis. Cuiabá: CEFETMT, 2006.

CHIARELLI, L. M. Habitação social em Pelotas (1987 – 2010) Influências das políticas públicas na promoção de Conjuntos Habitacionais. Porto Alegre, 2014. 345 f.Tese (Doutorado em História)- Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul: PUCRS, Faculdade de filosofia e ciências humanas, Porto Alegre, 2014.

CUNHA, M.I. B. Conjuntos habitacionais: uma análise do nível de satisfação de seus usuários. Pelotas, 1995. Dissertação (Mestrado) Curso de Economia Doméstica. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 1995.

FALAGÁN, D.H; MONTANER, J.M; MUXI, Z. Herramientas para habitar el presente. La vivenda del siglo XXI. Barcelona: Actar D, 2011.

HAMDI, N. Housing without houses. Participation, flexibility, enablement. New York, London: Van Nostrand Reinhold, 1991.

INEP. Censo da educação superior 2017. Divulgação dos principais resultados. Brasília, DF: Ministério da Educação/ Diretoria de Estatísticas Educacionais, 2018. Disponível em http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/97041-apresentac-a-o-censo-superior-u-ltimo/file. Acesso em abril de 2019.

IBGE. CENSO 2010. Resultados da Sinopse por Setores Censitários. IBGE, 2010. Disponível em https://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html&gt. Acesso em abril de 2018.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016. IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Anual - 5ª visita. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnadca/tabelas. Acesso em ago. 2021.

IBGE. Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílios Contínua. IBGE, 2019a. Disponível em https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnadct/tabelas. Acesso em 9 de junho de 2020.

IBGE. Pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2019. IBGE, 2019b. Disponível em https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/registro-civil/quadros/brasil/2019. Acesso em 9 de junho de 2020.

IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise de vida da população brasileira. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. Acesso em 26 de julho de 2021.

IPEA. Retrato das desigualdades de gênero e raça. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. BRASIL, 2015. Disponível em https://www.ipea.gov.br/retrato/indicadores_chefia_familia.html. Acesso em julho de 2021.

JORGE, L. O. Estratégias de Flexibilidade na Arquitetura Residencial Multifamiliar. 2012.511f. Dissertação (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

MEDVEDOVSKI, N. S. A vida sem condomínio: configuração e serviços públicos urbanos em conjuntos habitacionais de interesse social. São Paulo, 1998.493f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

MESQUITA, M. J. M. Processos Construtivos Flexíveis: Racionalização do Produto quanto à sua produção. São Carlos,2000. 283 f. (Dissertação de Mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2000.

ROSSO, T. Racionalização da construção. São Paulo: USP/FAU, 1980.

RUBIN, G. R. Movimento Moderno e habitação social no Brasil. Geografia Ensino & Pesquisa, vol. 17, n. 2, pp. 57-71, 2013. Disponível em https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/10772/pdf. Acesso em abril de 2019.

TRAMONTANO, M. Novos modos de vida, novos espaços de morar. Paris, São Paulo, Tokyo. Uma reflexão sobre a habitação contemporânea. São Paulo. Tese (doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

Downloads

Publicado

27-05-2022

Como Citar

BARBOSA, M.; JORGE, L. .; BENEDETTI, G.; MEDVEDOVSKI, N. CICLO DE VIDA FAMILIAR E TRANSFORMAÇÃO DA HABITAÇÃO: APO NA COHAB LINDÓIA. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 116–132, 2022. DOI: 10.21680/2448-296X.2022v7n2ID26839. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/26839. Acesso em: 6 out. 2022.