ANÁLISE DA INTER-RELAÇÃO ENTRE A LEGISLAÇÃO URBANÍSTICA E AS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS RECOMENDADAS PARA A REGIÃO DE CLIMA QUENTE E ÚMIDO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2022v7n2ID26903

Palavras-chave:

legislação urbanística; estratégias bioclimáticas; morfologia urbana

Resumo

As pesquisas na área da climatologia urbana identificam que a qualidade, a quantidade e a forma de uso dos espaços públicos urbanos são determinadas, em grande parte, por suas condições microclimáticas, e que aspectos como o tipo de superfície, a geometria do espaço e a presença ou não de vegetação são importantes para a qualificação do clima urbano nas cidades. A assimilação do clima urbano, conforto e desempenho ambiental, como aspectos a serem incorporados no planejamento urbano e na gestão das cidades se apresenta indispensável, devido à importância de se reduzir as consequências provocadas pela forma de ocupação no meio urbano. Nesse contexto, a ausência de instrumentos de controle urbanístico que orientem as áreas que podem ser ocupadas, com maior ou menor adensamento, e as que devem ser preservadas, como áreas verdes de proteção dos canais principais de vento, afeta negativamente a qualidade dos ambientes tanto internos, quanto externos. Por outro lado, o desconhecimento dos dados climáticos e de métodos dificultam a análise e a definição de diretrizes para o estabelecimento das estratégias bioclimáticas nos parâmetros dos instrumentos de controle urbanístico. Desta forma, o presente trabalho procura estabelecer inter-relações entre a legislação urbanística, a morfologia urbana e as estratégias bioclimáticas da área de estudo selecionada, por meio da análise dos cenários urbanos registrados nos mapas cadastrais dos anos de 1935, 1956 e 1975 e de simulação computacional da forma urbana atual, para análise térmica no meio urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Hamada, Programa de Pós-Graduação em Urbanismo - PROURB/FAU/UFRJ

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PROURB/FAU/UFRJ), Mestre em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004), na área de concentração em Conforto Ambiental e Eficiência Energética do Programa de Pós Graduação em Arquitetura (PROARQ/FAU/UFRJ) e graduada em Arquitetura e Urbanismo pelas Faculdades Integradas Silva e Souza - FAU/FISS/RJ (1997). Coordenadora Técnica do Instituto Brasileiro de Administração Municipal, com 23 anos de experiência em eficiência energética, conforto ambiental e gestão energética municipal. Atualmente coordena as ações de eficiência energética para o setor público. Nas atividades de pesquisa, concentra os estudos nos temas clima urbano, mudanças climáticas e resiliência nas cidades para aplicação nos projetos desenvolvidos pela Área de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente do IBAM, especialmente nas revisões de Planos Diretores Municipais e Legislação Complementar.

Patricia Drach, Pesquisadora e professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo DAU/ESDI/UERJ, do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo PROURB/FAU/UFRJ e do Programa de Engenharia Urbana PEU/POLI/UFRJ.

Patricia R. C. Drach é formada em Arquitetura e Urbanismo. Em sua Tese de Doutorado, a modelagem computacional e simulação numérica foram desenvolvidas para arquitetura, com o objetivo de permitir avaliação de configurações de projetos e testes de possíveis melhorias, tanto na fase pré-ocupacional, como na pós-ocupacional, visando conforto em ambientes construídos. Essas melhorias foram introduzidas a partir de alterações de simples execução sobre os projetos originais, objetivando o incremento da qualidade funcional das construções, a baixos custos financeiros e ambientais. Este trabalho, assim, atentou para as variáveis de conforto de circulação do ar (campo de velocidades), temperatura e concentração de poluentes levando em conta radiação, convecção e materiais da envoltória. Atualmente é pesquisadora e professora do PROURB Universidade Federal do Rio de Janeiro e do DAU/ESDI Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

BARANDIER H. et al. Planejamento e controle ambiental-urbano e a eficiência energética. 2.ed. Rio de Janeiro: IBAM/DUMA; ELETROBRAS/PROCEL, 2013. 222p. ISBN 9788574030388.

BARBIRATO G. et al. Clima urbano e eficiência energética nas edificações. Rio de Janeiro: PROCEL EDIFICA, 2011. (Série Material Didático), 2011. 113p.

BORGES, M. V. O zoneamento na cidade do Rio de Janeiro: gênese, evolução e aplicação. 226p. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) - Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, IPPUR/UFRJ, 2007.

BRUSE, M. Decoding Urban Nature. ENVI-met, 2017. Disponível em <http://www.envi-met.com/publication/> Acesso em: 30 de julho de 2021.

BUSTOS ROMERO, M. Princípios bioclimáticos para o desenho urbano. São Paulo, Proeditores, 1988.128p.

_____. Bioclimatismo, sustentabilidade e senso do lugar. In: Encontro Nacional Sobre Conforto no Ambiente Construído, 2003, Curitiba. Anais... Curitiba: ANTAC, 2003. 1 CD-ROM. 2003.

HIGUERAS, E. Urbanismo bioclimático: critérios mediambientales en la ordenación de asentamientos. Resumo da Tese de Doutorado. Escuela Técnica Superior de Arquitetura de Madrid, Madrid, 1998. 81 p.

KATZSCHNER, L.; BOSCH, U.; RÖTTGEN, M. A methodology for bioclimatic microscale mapping of open spaces. University of Kassel Kassel, Germany, [s.d.]. Disponível em <https://www.dec.uc.pt/pluris2018/Paper1622.pdf>. Acesso em: 07 de setembro de 2021.

LANDSBERG, H. E. O clima das cidades. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 18, p. 95-111, 2006.

LOMBARDO, M. A. Ilhas de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: HUCITEC, 1985. 244 p.

MORENO GARCÍA, M. D. C. Climatología urbana. Colección Textos Docents nº 160, Edicions Universitat de Barcelona, Barcelona, 1999.

OLIVEIRA, L. G. Desenvolvimento urbano da Cidade do Rio de Janeiro: uma visão através da legislação reguladora da época - 1925/1975. 108p. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Programas de Pós-Graduação de Engenharia, Curso de Planejamento Urbano e Regional, Programa de Projetos Industriais e Transportes, Rio de Janeiro, 1978.

OKE, T. R. The energetic basics of the urban heat island. Quartely Journal: of the Royal Meteorological Society, 108, p.1-24, 1982.

OKE, T. R. et al. Urban climates. Cambridge: Cambridge University Press, 2017.

REN, C.; NG, E. Y.; KATZSCHNER, L. Urban climatic map studies: a review, International Journal Climatology, Royal Meteorological Society, 2010.

SANTOS, R. L. Expansão urbana e estruturação de Bairro do Rio de Janeiro - O caso de Botafogo. 241p. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) - Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenação dos Programas de Pós-Graduação de Engenharia, COPPE/UFRJ, 1981.

Downloads

Publicado

27-05-2022

Como Citar

HAMADA, L.; REGINA CHAVES DRACH, P. ANÁLISE DA INTER-RELAÇÃO ENTRE A LEGISLAÇÃO URBANÍSTICA E AS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS RECOMENDADAS PARA A REGIÃO DE CLIMA QUENTE E ÚMIDO. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 177–191, 2022. DOI: 10.21680/2448-296X.2022v7n2ID26903. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/26903. Acesso em: 30 set. 2022.