PROJETARCOM: UMA REFLEXÃO CRÍTICA FUNDAMENTADA NA TEORIA ATOR-REDE

Autores

  • Tanara Fernandes de Britto Universidade Federal de Pelotas
  • Paulo Afonso Rheingantz Universidade Federal de Pelotas/ Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Adriane Borda Almeida da Silva Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2022v7n2ID27363

Palavras-chave:

arquitetura; processo de projeto; projetarCOM; teoria ator-rede; ciência-tecnologia-sociedade;

Resumo

As múltiplas realidades em constante transformação do mundo contemporâneo complexificam o processo de projeto em arquitetura-urbanismo. Em consonância com os fundamentos dos estudos Ciência-Tecnologia-Sociedade (CTS) e da Teoria Ator-Rede (TAR), este artigo apresenta uma visão alternativa da ação projetual a partir do entendimento do projeto de arquitetura como um artefato sociotécnico que performa uma construção coletiva cujas redes híbridas articulam e associam atores humanos e não-humanos. O artigo explora tentativas de definição do termo projeto e da ação projetual e reúne proposições sobre os tipos de problemas de projeto e sobre a integração dos saberes por meio de questões disciplinares, com o objetivo fazer um movimento em direção ao projetarCOM a partir da proposição de reflexões sobre os cinco pressupostos que o delineam. Tomadas à luz da TAR, questões de autoria são abordadas a partir do reconhecimento de que a origem da ação é reduzida e distribuída, e que a capacidade de agência de tudo e todos implica num afastamento de reivindicações de autoria exclusiva.  Nesse sentido, buscamos colaborar para o entendimento de que as tentativas de simplificação do processo projetual ao rigor de uma atividade técnica se afastam da indeterminação e perversidade inerentes de seus problemas, bem como da complexidade e não-linearidade das redes que o sustentam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDER, C. Notes on the synthesis of the form. [S.I]: Seventh Printing, 1973.

AUTOR. Referência omitida para avaliação, 2016.

BOUTINET, J. Antropologia do Projeto. Porto Alegre: Editora Artmed, 2002. p. 31-60.

BUCHANAN, R. Wicked Problems in Design Thinking. Design Issues, [s.l.], v. 8, n. 2. Spring 1992. The MIT Press.

BRUCE, A.; LYALL, C.; TAIT, J.; WILLIAMS, R. Interdisciplinary integration in Europe: the case of the Fifth framework programme. Futures, v. 36, n. 4, 2004. p. 457-470.

COSTA, R. N. Debaixo do mesmo teto: Prática projetual em edifícios de pesquisa e desenvolvimento biotecnológico. 2019. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

DOUCET, I.; JANSSENS, N. Editorial: Transdisciplinarity the Hybridisation of Knowledge Prodution and Space-related research. In: Transdisciplinary knowledge production in Architecture and Urbanism: Towards Hybrid modes of inquiry. Urban and Lanscapes Perspectives, v. 11. [S.I]: Springer, 2011. p.1-14.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo : Atlas, 2002.

LATOUR, B. Reassembling the social: an introduction to actor-network- theory. New York: Oxford University Press, 2005.

LATOUR, B. A Cautious Prometheus? A few steps toward a philosophy of design (with special attention to Peter Sloterdijk). Keynote lecture for the Networks of Design, Design History Society Falmouth: Cornwall, 2008.

LATOUR, B. Ciência em ação. São Paulo: Unesc, 2011

LAW, J. After method: mess in social science research. Oxon: Routledge, 2004.

LAWSON, B. Como arquitetos e designers pensam. São Paulo: Oficina dos Textos, 2019.

MANZINI, E. Design, when everybody designs. Cambridge, MA: The MIT Press, 2015.

MOL, A. Política Ontológica. Algumas ideias e várias perguntas. (In NUNES, R., 2008, p.63-78)

MORAES, M. Do “PesquisarCOM” ou tecer e destecer fronteiras. In: BERNARDES, A. M.; MORAES, M.; TAVARES, G. M. (org.). Cartas para pensar políticas de pesquisa em psicologia. Vitória, 2014. p. 131-137.

MORAES, M.; BERNARDES, A. M. Apresentação. In: BERNARDES, A. M.; MORAES, M.; TAVARES, G. M. (org.). Cartas para pensar políticas de pesquisa em psicologia. Vitória, 2014. p. 7-13.

NOBRE, J. C. A., PEDRO, R. M. L. R. Reflexões sobre possibilidades metodológicas da Teoria Ator-Rede. Cadernos UnifFOA, ed. 14, dez 2010.

PEDRO, R. Redes e Controvérsias: Ferramentas para uma cartografia da dinâmica psicossocial. In: FERREIRA, A. L.; FREIRE, L. L.; MORAES, M.; ARENDT, R. J. J. (org.). Teoria Ator-Rede e Psicologia. Rio de Janeiro: NAU, 2010. p. 78-96.

REISHOFFER, J. C.; BICALHO, P. P. G. PesquisarCOM em Instituições Totais: Ingenuidade, Desafio ou Utopia?. In: FERREIRA, M. S.; MORAES, M. (org.). Políticas de Pesquisa em Psicologia Social. 1ed. Rio de Janeiro: Nova Aliança, 2016, p. 223-236.

ROWE, P. Design Thinking. Cambridge: The MIT Press, 1987.

SALAMA, A. M. Spatial design education: new directions for pedagogy in architecture and beyond. New York: Routledge Press, 2016.

SIMON, H. A. The Science of the Artificial. Cambridge: The MIT Press, 1996.

STENGERS, I. A Invenção da Ciência Moderna. São Paulo: Editora 34, 2002.

SCHÖN, D. A. Designing: Rules, types and worlds. Design Studies, v. 9, n. 3, 1988, p. 181-190.

SCHÖN, D. A. Educando o professional reflexivo. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Downloads

Publicado

27-05-2022

Como Citar

FERNANDES DE BRITTO, T.; RHEINGANTZ, P. A.; BORDA ALMEIDA DA SILVA, A. PROJETARCOM: UMA REFLEXÃO CRÍTICA FUNDAMENTADA NA TEORIA ATOR-REDE. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 87–97, 2022. DOI: 10.21680/2448-296X.2022v7n2ID27363. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/27363. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

TEORIA E CONCEITO