MOBILIDADE E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Análise do entorno e acesso à Linha Sul do Metrô de Fortaleza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2022v7n3ID28718

Palavras-chave:

Mobilidade Urbana; Acessibilidade; Pessoa com Deficiência Visual; Metrô de Fortaleza.

Resumo

O direito de transitar pela cidade com segurança é manifesto a todas as pessoas, sendo assegurado pela Constituição Federal de 1988. Nesse contexto, a mobilidade urbana e uma acessibilidade de qualidade nos equipamentos e serviços de transporte público coletivo são considerados fatores imprescindíveis para a garantia do direito de ir e vir e o acesso à cidade das pessoas com deficiência. Em vista disso, partindo da inquietação sobre os modos de deslocamento da população com deficiência, este trabalho tem como objetivo principal realizar uma análise das condições de acesso e acessibilidade espacial de Pessoas com Deficiência Visual (PcDV) às estações do metrô de Fortaleza e os seus entornos, como forma de compreender o panorama atual de acesso e dos parâmetros da acessibilidade espacial para inclusão dessa população no sistema metroviário, tendo como recorte espacial a Linha Sul do metrô de Fortaleza. Para este estudo, foi realizada uma análise comparativa utilizando-se da ferramenta de sobreposição de mapas, no qual foi verificado o alcance das estações da Linha Sul do metrô em relação a localização de habitações de Pessoas com Deficiência Visual e analisadas as condições de acessibilidade em busca de entender a possibilidade de se locomover com segurança por meio da mobilidade ativa, no caso, através da caminhada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Morano, Arquitetura e Urbanismo - Unifametro

Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialista em Projeto Bioclimático e Sustentável pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UNIFOR. Teve sua dissertação indicada ao Prêmio XII Prêmio Brasileiro Política e Planejamento Urbano Regional de Dissertações de Mestrado (2021). Atua como arquiteta e urbanista nas áreas de Arquitetura, Acessibilidade e Planejamento Urbano.

Maria Raquel do Vale Lima, Universidade Federal do Ceará/ Mestrado PPGAUD

Arquiteta e Urbanismo formada pelo Centro Universitário Estácio do Ceará (2018). Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Urbanismo e Design (PPGAUD - UFC), Linha de Pesquisa Planejamento Urbano e Direito à Cidade. Atuou de 2014 a 2019 na equipe de engenharia, planejamento, controle e manutenção, no Consórcio Metro Service - empresa de manutenção atuando no sistema ferroviário de Fortaleza englobando quatro Linhas Ferroviárias, Metrô Linha Sul, VLT Linha Oeste, VLT de Cariri e VLT de Sobral. Atuou de 2018 a 2019 como Arquiteta e Urbanista do escritório AR Arquitetura e Urbanismo, elaborando projetos arquitetura, urbanismo, paisagismo, interiores residenciais, comerciais e corporativos. Atualmente, é gerente da Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza (SEUMA), onde atua na área de Planejamento Urbano com foco na implementação de projetos e políticas públicas ambientais municipais.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de janeiro, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 16537. Acessibilidade - Sinalização tátil no piso: Diretrizes para elaboração de projetos e instalação. Rio de janeiro, 2016.

ASCHER, F. Os novos princípios do Urbanismo. São Paulo: Romano Guerra, 2010. p. 81-100.

BARBOSA, M. B. P. Wayfinding na jornada da pessoa com deficiência visual no sistema metroferroviário. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura). Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. doi:10.11606/T.16.2016.tde-08032016-163338. Acesso em: 2022-02-28.

BHAT, C. et al. Development of an urban accessibility index: literature review. Austin: University of Texas, 2000.

BRASIL. Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília-DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto Nº 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Brasília. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm>. Acesso em: 22 jan. 2017.

BRASIL, Ministério das Cidades. Política Nacional de Mobilidade Urbana. Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2017.

BRASIL. Lei nº 13.146, de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, 2015.

CAMBIAGHI, S. Desenho Universal: métodos e técnicas para arquitetos e urbanistas. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2007.

CEARÁ. Secretaria de Infraestrutura. Carta Anual de Políticas Públicas e Governança Corporativa. Metrô de Fortaleza.2020. Disponível em: <https://www.metrofor.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/32/2021/01/carta-anual-politicas-publicas.pdf> Acesso em 29 ago.2021.

CAVALCANTE, L. F.; MORANO, R. P.; SANTIAGO, Z. M. P. Cidade caminhável: análise comparativa das condições de mobilidade e acessibilidade pedonal em diferentes áreas na cidade de Fortaleza, Ceará. In: 9 CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO PARA O PLANEJAMENTO URBANO, REGIONAL, INTEGRADO E SUSTENTÁVEL (PLURIS). Anais do... - Pequenas cidades, grandes desafios, múltiplas oportunidades (Digital). Águas de Lindóia, São Paulo: Pluris, 2021.

COSTA LIMA, M. Entre transparência e opacidade: o papel da informação no combate a políticas urbanas excludentes. XVII ENANPUR, São Paulo. 2017.

DISCHINGER, M.; BINS ELY, V. H. M.; PIARDI, S. M. D. G. Promovendo a acessibilidade espacial nos edifícios públicos: Programa de acessibilidade às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida nas edificações de uso público. 01. ed. Florianópolis: MPSC, v. 2000. 2012.

DUARTE, C. R. S.; COHEN, R. Acessibilidade Emocional, In: VII ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO / VIII SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ACESSIBILIDADE INTEGRAL. Anais do .... Fortaleza/São Paulo: Blucher, 2018, p. 6-10, DOI 10.5151/eneac2018-duarte.

ELALI, G. V. M. A.; DINIZ, J. P. G. A gradação da acessibilidade física como elemento de orientação e segurança psicológica. In: COSTA, A. D. L.; ARAÚJO, N. M. C. (Org.). Acessibilidade no ambiente construído: questões contemporâneas. João Pessoa, Paraíba: IFPB, 2013, pp. 57-76.

FORTALEZA. Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos. Plano de Acessibilidade Sustentável de Fortaleza. Fortaleza, 2020. Disponível em: <https://pasfor.com.br/#o-que-e-pasfor> Acesso em 09 mar. 2022.

FREITAS, C.; GOMES, V.; BORGES, M. Planejamento urbano com uso de sistema de informação geográfica: o caso de Feira de Santana-BA. Universitas: Arquitetura e Comunicação Social, v.10, n.1, 2013, pp. 35-45.

GEHL, J. Cidades Para Pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª edição - São Paulo: Atlas, 2008.

GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 3, 1995, pp. 20-29.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 17 jan. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2010. Nota técnica 01/2018. Releitura dos dados de pessoas com deficiência no Censo Demográfico 2010 à luz das recomendações do Grupo de Washington. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

IPIÑA GARCÍA, O. I. Accesibilidad y sensibilización ciudadana en el espacio público. Bitácora Urbano Territorial, 29 (1): 155-161, 2019.

KARIMI, H.; AKINCI, B. CAD and GIS integration. Florida: CRC Press, 2010.

LIMA, M. R. V. Análise das condições de acessibilidade espacial com enfoque no desenho universal sob a perspectiva das pessoas com deficiência motora e visual: o caso dos terminais e estações de transporte de Fortaleza. Projeto de pesquisa (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Design, Universidade Federal do Ceará, 2022

MALAVASI, L. M. Escala de mobilidade ativa em ambiente comunitário (news - versão brasileira): validade e fidedignidade. Dissertação Mestrado em Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina. 2006.

MORANO, R. Caminhos Invisíveis: Análise de Percursos Cotidianos de Pessoas com Deficiência Visual em Fortaleza. Dissertação (mestrado). Programa de Pós-graduação em Arquitetura, Urbanismo e Design, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.

MORANO, R. P. ; SANTIAGO, Z. Cidade e deficiência Visual: condições de acessibilidade no pólo turístico-comercial da Avenida Monsenhor Tabosa – fortaleza – Ceará- Brasil. In: PLURIS 2018 – 8º Congresso Luso-Brasileiro para o Planeamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável. Anais do ... Coimbra, PT: Pluris, 2018, s/p. Disponível em: https://www.dec.uc.pt/pluris2018/. Acesso em: 15 jan. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Mental Health Atlas. Geneva: World Health Organization, 2011.

PEREIRA, G. C.; SILVA, B. C. N. Geoprocessamento e urbanismo. In: GERARDI, L. H. O.; MENDES, I. A. (Org.). Teoria, técnica, espaço e atividades - Temas de geografia contemporânea. Rio Claro: UNESP / AGTEO, 2001, pp 97-137.

PREISER, W., OSTROFF, E. (Eds.). Universal Design Handbook. New York: McGraw Hill, 2001.

PREISER, W.; HARDY, A.; WILHELM, J. Adaptive Architecture: Changing Parameters and Practice. New York: Routledge, 2017.

ROCHA, C. B.; SANTIAGO, Z. M. P.; RIBEIRO, F. L. Espaço público e espaço edificado: uma análise dos equipamentos sociais agregados às praças do centro de fortaleza sob o enfoque da acessibilidade universal. In: VII ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO / VIII SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ACESSIBILIDADE INTEGRAL. Anais do ENEAC 2018. Fortaleza / São Paulo: Blücher Design Proceedings, 2018. pp. 222-234.

SANTIAGO, Z. M. P. Urbanismo Inclusivo como Meta no Novo Milênio. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE SOCIOLOGIA (ALAS). Anais do ... Santiago, Chile, 2013, s/p.

BRASILEIRO PLANEAMENTO, URBANO, REGIONAL INTEGRADO SUSTENTÁVEL. Anais do ... Braga, Portugal: Universidade do Minho, 2006.

SILVEIRA, M. C. Cidade Acessível é Direitos Humanos ‖. (Projeto de pesquisa). Joinville/SC, 15 de dezembro de 2010.

VASCONCELLOS, E. A. Mobilidade cotidiana, segregação urbana e exclusão. In: BALBIM, R.; KRAUSE, C.; LINK, C. C. (Org.). Cidade e movimento: mobilidades e interações no desenvolvimento urbano. Brasília: IPEA / ITDP, 2016, pp. 57-80.

VASCONCELLOS, Eduardo Alcântara de. Andar nas cidades do Brasil. In: ANDRADE, V.; LINKE, C. C. (Orgs.). Cidades de pedestres: a caminhabilidade no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Babilônia Cultura Editorial, 2017.

Downloads

Publicado

28-09-2022

Como Citar

SANTIAGO, Z.; MORANO, R. .; DO VALE LIMA, M. R. MOBILIDADE E PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: Análise do entorno e acesso à Linha Sul do Metrô de Fortaleza. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 210–225, 2022. DOI: 10.21680/2448-296X.2022v7n3ID28718. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/28718. Acesso em: 6 dez. 2022.