AGRADABILIDADE PERCEBIDA POR IDOSOS EM FACHADAS DE CASAS

Autores

  • Marina Holanda Kunst
  • Lourival Costa Filho UFPE

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2023v8n2ID28972

Palavras-chave:

Idoso, Fachada de casas, Avaliação afetiva, Agradabilidade, Teoria das Facetas

Resumo

É sabido que o processo de envelhecimento é algo natural que perpassa a vida do ser humano, em que o indivíduo apresenta mudanças físicas, psicológicas e sociais. Nesta fase, entende-se que a pessoa já alcançou vários objetivos pessoais e profissionais. Contudo, também já sofreu algumas perdas. Considerando que a percepção das características ambientais pode afetar a experiência afetiva das pessoas idosas com os lugares, este artigo apresenta uma pesquisa que teve como objetivo geral prover informações empíricas sobre os efeitos das características de complexidade, de contraste e de naturalidade na agradabilidade percebida por idosos em fachadas de casas. A Teoria das Facetas foi adotada no desenho da investigação empírica, que utilizou um questionário online criado e disponibilizado no “Google Forms”, composto por 12 imagens de cenas de fachadas de casas, para coletar os dados, e avaliados pela técnica de Análise da Estrutura de Similaridade, com o auxílio do programa informacional HUDAP, para interpretá-los. Apurou-se que fachadas de casas com complexidade moderada e naturalidade presente são percebidas como mais agradáveis pelos idosos entrevistados, e que o contraste alto tem maior influência nesse tipo de avaliação. Foi ainda apurado que não há consenso desses resultados entre idosos participantes do sexo masculino e feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, S. R. de; COSTA FILHO, L. Predição e avaliação da preferência percebida em salas de aula. In: VIII Encontro Nacional sobre Ergonomia do Ambiente Construído, IX Seminário Brasileiro de Acessibilidade Integral. Anais... Natal, 2020.

AMAR, R.; LEVY, S. SSA: Similarity Structure Analysis. In: MICHALOS, A. Encyclopedia of Quality of Life and Well-Being Research. Springer, Dordrecht. 2014.

BILSKY, W. A Teoria das Facetas: noções básicas. Estudos de Psicologia, v. 8, n. 3, p. 357-365, 2003.

BORG, Ingwer; LINGOES, James. SSA as Multidimensional Scaling. In: BORG, I., LINGOES, J. Multidimensional Similarity Structure Analysis. Springer, New York, p. 236-24, 1987.

COSTA FILHO, L. O enfoque da teoria das facetas na avaliação de lugares. In: V Encontro Nacional sobre Ergonomia do Ambiente Construído, VI Seminário Brasileiro de Acessibilidade Integral. Anais... Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2014.

CONTIERO, L. Experiência cansada. In: VII CIEH: Envelhecimento Baseado em Evidências: Tendências e Inovações. Anais... Campina Grande: Realize Editora, 2021.

DETANICO, F. B.; SCHWAB, F. A.; PIZZATO, G. Z. de A.; TEIXEIRA, F. G.; JACQUES, J. J. de; OLIVEIRA, B. F. de. Emoções positivas no uso do espaço construído de um campus universitário associadas aos atributos do design Biofílico. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 19, n. 4, p. 37-53, 2019.

HACKETT, P. M. W. Facet Theory and the mapping sentence: evolving philosophy, use and application. New York: Palgrave Macmillan, 2014.

KAHANA, E. A congruence model of person-environment interaction. In: LAWTON, M. P.; WINDLEY, P. G.; BYERTS, T. O. Aging and the environment: Theoretical approaches. New York: Springer, p. 97-121, 1982.

KAPLAN, S. Perception and landscape: conceptions and misconceptions. In: NASAR, J. Environmental aesthetics: theory, research, and application. New York: Cambridge University Press, p. 45-55, 1988.

KUNST, M. H.; BRANDÃO, J.; PAIVA, M. M.; VILLAROUCO, V. Análise das dimensões dos espaços de um conjunto habitacional para idosos. Revista Projetar: Projeto e Percepção do Ambiente, online, v. 6, n. 1, p. 85-99, 2021.

KUNST, M. H.; SOARES, M. M.; COSTA FILHO, L. Qualidade e satisfação residencial percebida pelo idoso. In: 18º ErgoDesign & USIHC 2022. Anais... UFCG: Online. 2022.

MACIEL, M. G.; JUNIO, P. R. V.; MOURA, G. A. de; MONTEAGUDO, M; J. Análise das autoavaliações de saúde e do bem-estar subjetivo em pessoas idosas fisicamente ativas e inativas. In: VII CIEH: Envelhecimento Baseado em Evidências: Tendências e Inovações. Anais... Campina Grande: Realize Editora, 2021.

NASAR, J. Assessing perceptions of environments for active living. Am J Prev Med., v. 34, n. 4, p. 357-63, 2008a.

_________. The evaluative image of places. In: NASAR, J. Environmental aesthetics: theory, research, and application. New York: Cambridge University Press, p. 117-168, 1988.

_________. Urban Design Aesthetics: The Evaluative Qualities of Building Exteriors. Environment and Behavior, v. 26, n. 3, pp. 377–401, 1994.

_________. Visual Quality by Design. Holland MI: American Society of Interior Designers, Haworth Inc., 2008b.

NASAR, J. L.; KANG, J. House style preference and meanings across taste cultures. Landscape and Urban Planning. v. 44, n. 1, p. 33-42, 1999.

RUSSELL, J. A. Affective appraisals of environment. In: NASAR, J. Environmental aesthetics: theory, research, and application. New York: Cambridge University Press, p. 120-129, 1988.

SILVA, T.; COSTA FILHO, L.; VILLAROUCO, V. Avaliação da preferência percebida em áreas de convivência para idosos. In: 18º Ergodesign & USIHC 2022. Anais... UFCG: Online. 2022.

SILVEIRA, J. G. da; SOUSA, M. C.; LEDER, S. M. A percepção da ambiência térmica e as estratégias de adaptação: estudo de caso com idosos no clima tropical. Revista Ambiente construído, Porto Alegre, v. 20, n. 4, p. 99-121, 2020.

SHYE, S.; ELIZUR, D.; HOFFMAN, M. Introduction to Facet Theory: Content design and intrinsic data analysis in behavioral research. London: Sage, 1994.

TROFIMENKO, N. Para uma maior vivência nos espaços de transição: centro multifuncional sénior inserido na paisagem de Alburrica. Dissertação (Mestrado em Arquitetura), Universidade de Lisboa, Lisboa, 2018.

Downloads

Publicado

24-05-2023

Como Citar

KUNST, M. H.; COSTA FILHO, L. AGRADABILIDADE PERCEBIDA POR IDOSOS EM FACHADAS DE CASAS. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 124–137, 2023. DOI: 10.21680/2448-296X.2023v8n2ID28972. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/28972. Acesso em: 24 jul. 2024.