ENTRE CÍRCULOS

PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DOS ESPAÇOS URBANOS LÚDICOS PARA OS AUTISTAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2022v7n3ID29074

Palavras-chave:

autismo; arquitetura; urbanismo; lúdico; inclusão.

Resumo

O tratamento de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um tema de saúde coletiva que congrega diversas áreas de conhecimento. O objetivo deste artigo é conhecer a percepção dos profissionais de saúde sobre a importância dos espaços urbanos lúdicos para crianças com TEA. Em entrevistas sobre o assunto, terapeutas expressaram preocupação com a falta de ambientes inclusivos nas cidades. Para eles, a arquitetura poderia servir como capa protetora, mediando o contato de seus pacientes com o exterior, de forma gradual e convidativa. O autismo infantil e a cidade vista como um grande playground foram objetos da revisão bibliográfica deste trabalho. A aplicação do método da análise de conteúdo permitiu a organização de noventa extensas respostas, sintetizadas em quadros e gráficos. As questões tentam verificar se e como os ambientes lúdicos poderiam ajudar crianças com TEA a compreender as diferenças entre o seu EU e o MUNDO à sua volta. Os resultados apontam para a necessidade de arquitetos e urbanistas, trabalhando em equipes interdisciplinares com profissionais de saúde, em prol da na concepção de ambientes acolhedores voltados a cidades mais inclusivas e amigáveis para todos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lizandra Vergara, UFSC

  • Arquiteta e Urbanista e Engenheira de Segurança do trabalho
  • Ergonomista Pesquisadora (nível Sênior) certificada pela ABERGO – Associação Brasileira de Ergonomia (2019 – 2024)
  • Coordenador de área (Ergonomia) – PPGEP/UFSC (2019 – 2021)
  • Supervisor – LABERGO/UFSC (2020 – atual) (https://labergo.paginas.ufsc.br/)
  • Líder do Grupo de Pesquisa GMETTA (UFSC/CNPq) – Grupo Multidisciplinar de Ergonomia do Trabalho e Tecnologias Aplicadas (2014 – atual). (https://gmetta.paginas.ufsc.br/ )

Referências

BACHELARD, Gastón. A poética do espaço. São Paulo: Brasiliense, 2000.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa Portugal: Edições 70, 1977

CAVALCANTE, Neusa; TRONCOSO, Marcia; Autismo e Conforto Ambiental, p. 1425-1434 . In: . São Paulo: Blucher, 2017. ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/16ergodesign-0141

GEHL, Jan. Cidades para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GRANDIN, Temple; PANEK, Richard. O cérebro autista: pensando através do espectro. Rio de Janeiro: Record 2016.

HOLL, Steven. Questiones de percepción: fenomelogia de la arquitectura. Barcelona: Gustavo Gili, 2011.

MOSTAFA, Magda. An architecture for autism: concepts of design intervention for the autistic user. Archnet-IJAR. International Journal of Architectural Research, vol. 2, issue 1, março 2008.

OUDENAMPSEN, Merijn. A cidade como playground. Belo Horizonte: Revista Piseagrama nº. 03, 2011, p. 52-55.

PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a arquitetura e os sentidos. Porto Alegre: Bookman, 2011

REDIN, Euclides; MÜLLER Fernanda; REDIN Marita Martins. Infâncias: cidades e escolas amigas das crianças. Porto Alegre: Mediação, 2007.

ROSA, Marcos. Revisitando os playgrounds de Aldo van Eyck, 1947- 2011.Vitruvius. 074.02ano 07, abr. 2013.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: A Perspectiva de Experiência. São Paulo: Difel, 1983.

WILLIAMS, Donna. Meu Mundo Misterioso: testemunho excepcional de uma jovem autista. Brasília/ DF: Thesaurus, 2012.

Downloads

Publicado

28-09-2022

Como Citar

TRONCOSO, M. U.; GARCIA LUPI VERGARA, L. ENTRE CÍRCULOS: PERCEPÇÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DOS ESPAÇOS URBANOS LÚDICOS PARA OS AUTISTAS. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 198–209, 2022. DOI: 10.21680/2448-296X.2022v7n3ID29074. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/29074. Acesso em: 6 dez. 2022.