A RESPOSTA AFETIVA DOS SUJEITOS ÀS PAISAGENS AVISTADAS DE SUAS JANELAS

Autores

  • Vanessa Casarin Universidade Federal de Santa Catarina
  • Beatriz Kemper Soethe Universidade Federal de Santa Catarina
  • Bianca Carolina Pedrolo Henicka Discente no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maíra Longhinotti Felippe Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2023v8n2ID30771

Palavras-chave:

resposta afetiva, paisagem, vista da janela

Resumo

Por meio de processos perceptivos, cada indivíduo cria uma imagem mental da paisagem que o envolve. Essa imagem mental, então, é associada a sentimentos, emoções e significados baseados em memórias e conhecimentos anteriores. Este trabalho tem como objetivo investigar a resposta afetiva dos sujeitos às paisagens avistadas de suas janelas, analisando de que forma tal relação é construída e quais características influenciam em sua resposta. Por meio de um questionário online com 3 perguntas abertas, foram obtidas respostas qualitativas a respeito do que os indivíduos avistam de suas janelas, quais sentimentos essas paisagens geram, e o que esses mesmos indivíduos gostariam de visualizar caso pudessem escolher. O questionário contou com 40 respostas, a partir das quais foi possível observar que paisagens naturais ou mistas geram uma maior afetividade ambiental positiva quando comparadas as paisagens consideradas predominantemente construídas, e que estas relações normalmente ocorrem em conjunto com outros fenômenos da vida cotidiana. Além disso, vários respondentes indicaram o desejo de melhorias nas paisagens avistadas, cujas características estreitariam ainda mais o sentimento afetivo positivo em relação ao entorno. Fica claro, ao final do estudo, que a paisagem não é apenas uma relação entre exterior e interior, mas também um componente chave na relação simbólico-afetiva do espaço vivenciado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Casarin, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Arquitetura e Urbanismo, docente no Departamento de Arquitetura e Urbanismo e do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Beatriz Kemper Soethe, Universidade Federal de Santa Catarina

Arquiteta e Urbanista, especialista em Neurociência aplicada à Arquitetura, discente no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Maíra Longhinotti Felippe, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Tecnologia da Arquitetura, docente no Departamento de Arquitetura e Urbanismo e do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Referências

BATOOL, A.; RUTHERFORD, P; McGRAW, P; LEDGEWAY, T; ALTOMONTE, S. View preference in urban environments. Lighting Research & Technology, v. 53, n. 7, p. 613–636, nov. 2021. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/1477153520981572. Acesso em dez/2021.

BOMFIM, Z. Áurea C.; DELABRIDA, Z. N. C.; FERREIRA, K. P. M. Emoções e Afetividade Ambiental. In: CAVALCANTE, S.; ELALI, G. A. Psicologia Ambiental: conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. Petrópolis, RJ. 2018. P. 60-74.

CHANG, C.-Y.; CHEN, P.-K. Human Response to Window Views and Indoor Plants in the Workplace. HortScience, v. 40, n. 5, p. 1354–1359, ago. 2005. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/ 295966494_Human_Response_to_Window_Views_and_Indoor_Plants_in_the_Workplace. Acesso em dez/2021.

CULLEN, G. Paisagem urbana. São Paulo: M. Fontes, 1983.

DUNCAN, J. Landscape geography, 1993-94. Progress in Human Geography, v. 19, n. 3, p. 414–422, set. 1995. Disponível em: https://journals.sagepub.com/toc/phg/19/3. Acesso em dez/2021.

FEDRIZZI, B. M.; OWENS, P. Paisagem. In: CAVALCANTE, S.; ELALI, G. A. (org.). Psicologia Ambiental: Conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. Petrópolis: Vozes, 2018. Cap.14. p. 159 - 166.

GIBSON, J. J. The ecological approach to visual perception. Boston: Houghton Mifflin, 1979, 332 p.

GIULIANI, M. V. (2004). O lugar do apego nas relações pessoas-ambiente. In: TASSARA, E. T. O.; RABINOVICH, E. P.; GUEDES, M. C. (Orgs.), Psicologia e ambiente (pp.89-106). São Paulo: Educ.

HIGUCHI, M. I. G.; KUHNEN, A.; BOMFIM, Z. A. C. Cognição ambiental. In: CAVALCANTE, S.; ELALI, G. A. (Org.). Temas Básicos em Psicologia Ambiental. Petrópolis: Vozes, 2011. Cap. 9. p. 105-121.

ITTELSON, W. H. Environmental Perception and Urban Experience. Environment and Behavior, v. 10, n. 2, p. 193–213, jun. 1978. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0013916578102004. Acesso em dez/2021.

JORGE, L. A. O desenho da janela. São Paulo: Annablume, 1995.

KOHLSDORF, M. E. A apreensão da forma da cidade. Brasília, DF: Ed. UNB, c1996. 253 p.

LIN, T.-Y.; LE, A.-V.; CHAN, Y.-C. Evaluation of window view preference using quantitative and qualitative factors of window view content. Building and Environment, v. 213, p. 108886, abr. 2022. Disponivel em: https://www.x-mol.net/paper/article/1493961899029909504. Acesso em dez/2021.

LYNCH, K. A imagem da cidade. São Paulo: M. Fontes, 1960.

MASOUDINEJAD, S.; HARTIG, T. Window View to the Sky as a Restorative Resource for Residents in Densely Populated Cities. Environment and Behavior, v. 52, n. 4, p. 401–436, maio 2020. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0013916518807274. Aceso em dez/2021.

MOSER, G. Espaço rural, natureza e paisagem. In: MOSER, G. Psicologia ambiental: pessoa e ambiente. Campinas: Alínea, 2018. Cap. 8. p. 217-232.

PALKA, E. J. Coming to Grips with the Concept of Landscape. Landscape Journal, v. 14, n. 1, p. 63–73, 1995. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01426390802371202?journalCode=clar20. Acesso em dez/2021.

PINHEIRO, J. Q. Psicologia Ambiental brasileira no início do século XXI: Sustentável? In: YAMAMOTO, O. H.; GOUVEIA, V. V. (Orgs.). Construindo a Psicologia brasileira: Desafios da ciência e prática psicológica (pp. 279-313). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003

RHEINGANTZ, P. A.; AZEVEDO, G. A; BRASILEIRO, A; ALCANTARA, D.; QUEIROZ, M. Observando a qualidade do lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Pós-Graduação em Arquitetura, 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Paulo-Rheingantz/publication/308740248_Observando_a_Qualidade_do_Lugar _procedimentos_para_a_avaliacao_pos-ocupacao/links/58d27efb458515b8d2870ab2/Observando-a-Qualidade-do-Lugar-procedimentos-para-a-avaliacao-pos-ocupacao.pdf. Acesso em out/2021.

STERNBERG, R. J. Psicologia cognitiva. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2008. 582 p.

SOMMER, B.; SOMMER, R. A Practical Guide to Behavioral Research: Tools and Techniques. Nova York: Oxford University Press, 2002. Cap. 9. p. 135-158.

SOP SHIN, W. The influence of forest view through a window on job satisfaction and job stress. Scandinavian Journal of Forest Research, v. 22, n. 3, p. 248–253, jun. 2007. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/ 10.1080/02827580701262733. Acesso em out/2021.

TENNESSEN, C. M.; CIMPRICH, B. Views to nature: Effects on attention. Journal of Environmental Psychology, v. 15, n. 1, p. 77–85, mar. 1995. Disponível em https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0272494495900160. Acesso em out/2021.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina, EDUEL, 2012.

ULRICH, R. S. Aesthetic and Affective Response to Natural Environment. In: ULRICH, R. S. Behavior and the natural environment. New York: Plenum Press. 1983. P. 85-125

VILLAROUCO, V.; FERRER, N.; PAIVA, M. M.; FONSECA, J.; GUEDES, A. P. Neuroarquitetura, a neurociência no ambiente construído. Rio de Janeiro, 2021

WHITE, M; SMITH, A; HUMPHRYES, K; PAHL, S; SNELLING, D; DEPLEDGE, M; Blue space: The importance of water for preference, affect, and restorativeness ratings of natural and built scenes. Journal of Environmental Psychology, v. 30, n. 4, p. 482–493, dez. 2010. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/ pii/S0272494410000496. Acesso em dez/2021.

ZUBE, E. H.; SELL, J. L.; TAYLOR, J. G. Landscape perception: Research, application and theory. Landscape Planning, v. 9, n. 1, p. 1–33, jul. 1982. Disponível em: ttps://www.academia.edu/16733876/ Landscape_perception_Research_application_and_theory. Acesso de dez/2021.

Downloads

Publicado

24-05-2023

Como Citar

CASARIN, V.; KEMPER SOETHE, B.; PEDROLO HENICKA, B. C.; LONGHINOTTI FELIPPE, M. A RESPOSTA AFETIVA DOS SUJEITOS ÀS PAISAGENS AVISTADAS DE SUAS JANELAS. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 109–123, 2023. DOI: 10.21680/2448-296X.2023v8n2ID30771. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/30771. Acesso em: 15 jul. 2024.