AMBIENTES DE TRABALHO INTERAÇÃO E TERRITORIALIDADE PARA AS GERAÇÕES EMERGENTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2023v8n2ID31051

Palavras-chave:

Escritórios; Gerações emergentes; Ambientes de trabalho

Resumo

Os ambientes voltados para o trabalho são locais de grande importância na vida urbana, onde o indivíduo adulto passa cerca de um terço das horas do dia e desenvolve-se intelectualmente e em suas habilidades sociais. Com a Pandemia da Covid-19, algumas mudanças se fizeram necessárias, exigindo que os profissionais tentassem adaptar locais inadvertidamente, conforme as premissas sanitárias. Esta migração do sistema presencial (escritórios) para o sistema de Home Office, trouxe consigo alguns problemas ergonômicos e técnicos para o cumprimento das tarefas laborais. Com o objetivo de Entender como se manifesta a territorialidade em espaços colaborativos de escritórios durante o período da pandemia por parte das gerações emergentes (Millennials e Geração Z), se deu esta pesquisa. Para tanto inicialmente apresenta-se uma contextualização bibliográfica, embasada na Psicologia Ambiental e na Fenomenologia, a fim de explicarem-se brevemente os conceitos de território, territorialidade e apropriação do espaço. Num segundo momento apresenta-se uma pesquisa de campo com um grupo de trabalhadores das gerações citadas, que utiliza como método a técnica de “Grupo Focal”. O resultado trouxe à tona princípios importantes para os projetistas que pretendem basear seus trabalhos na dinâmica territorial dos novos usuários de escritórios. Com tais valores elucidados, apresentaram-se também alguns diagramas com sugestões para atendimento destas novas demandas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luize Andreazza Bussi, UFSC

Arquiteta e Urbanista, Mestre em Arquitetura pela UFSC - Área de Concentração Projeto - Sub área Relação Pessoa-Ambiente; Especialista em projeto na cidade contemporânea pela PUC-PR (2004); Graduada em Arquitetura & Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1996); Profissional atuante há 25 anos no mercado de Arquitetura e Arquitetura de Interiores (Residencial; Comercial e Corporativa). Professora convidada em cursos de pós graduação nas universidades: FAG; UNOESC; UNINTER; POSITIVO; Professora em Curso Técnico Profissionalizante e em Curso de Extensão CEPDAP/ITESP ; Atividades Recentes: - Desenvolvimento de projetos arquitetônicos e de arquitetura de interiores; - Professora Convidada para ministrar Módulos de Projetos em Turmas de Pós Graduação (desde 2017) - Ministra palestras e workshops sobre Design Biofílico tema que pesquisa desde 2016; - Participa das Principais Mostras de Arquitetura de Interiores; - Participa de Projetos de Responsabilidade Social - Associação Obra Nossa

Maristela Moraes de Almeida, UFSC

Arquiteta e Urbanista graduada na Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, no Rio Grande do Sul, Mestre e Doutora na área de Ergonomia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Natural de Alegrete, RS, reside na Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis. Desde 2010 é docente e pesquisadora no Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC, na área de Projeto Arquitetônico. Entre 1998 e 2010 trabalhou na Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL, onde coordenou a equipe que criou e implantou o Curso de Arquitetura e Urbanismo. Anteriormente, integrou o quadro de técnicos da Secretaria de Obras do Estado do Rio Grande do Sul - SDO, no setor de Estudos e Projetos. Como profissional liberal, realizou projetos arquitetônicos públicos e privados, no Rio Grande do Sul e na região de Florianópolis. Os interesses de pesquisa e prática, se concentram na área das relações entre arquitetura, pessoas e natureza. Professora Associada na Universidade Federal de Santa Catarina, coordena o Grupo de Pesquisa em Arquitetura Ecopoética, sediado no PósARQ/UFSC, em Florianópolis, Santa Catarina - Brasil. (Texto informado pelo autor)

Referências

ALTMAN, I. Environment and Social Behavior: Privacy, Personal Space, Territory, and Crowding. Monterey: Brooks/ Cole, 1975.

AMERICAN SOCIETY OF HEATING, Refrigeration and Air Conditioning Engineers. Disponível em https://www.ashrae.org/technical-resources/ashrae-handbook/ashrae-handbook-online.

ASCHIDAMINI, I M; SAUPE, R. Grupo Focal Estratégia Metodológica Qualitativa: um ensaio teórico. Cogitare Enfermagem, [S.l.], v. 9, n. 1, june 2004. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/1700>. Acesso em jan/2023.

BEJTKOVSKY, J. The Employees of Baby Boomers Generation, Generation X, Generation Y and Generation Z in Selected Czech Corporations as Conceivers of Development and Competitiveness in their Corporation. Journal of Competitiveness. vol.8, Issue 4. 105-123. 2016.disponível em: https://www.cjournal.cz/files/236.pdf. Acesso em jan/2023

BUSSI, L. C. A. Um estudo sobre territorialidade em escritórios colaborativos para gerações emergentes durante a pandemia da COVID-19. Dissertação de Mestrado; orientadora, Maristela Moraes de ALMEIDA; coorientadora Maíra Longhinotti FELIPPE. 2022. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/235118

BRITO, S. Home Office: o desafio de trabalhar distante da empresa. Revista Veja. 2021. Disponível em: https://veja.abril.com.br/cultura/home-office-como-administrar-os-desafios-longe-do-escritorio/. Acesso em jan/2023

BURSTEIN, D. D. Fast Future: How the Millennial Generation is Shaping Our World. Boston: Beacon Press, 2013.

CALDEIRA, V. Ambientes de Trabalho. Revista Arquitetura & Urbanismo; Seção Interseção. Ed nº 133- abril de 2005. Disponível em: https://www.academia.edu/29888162/AMBIENTES_DE_TRABALHO/. Acessado em 01/03/2021. Acesso em jan/2023

CEINAR, I.M.; MARIOTTI, I. The Effects of Covid-19 on Coworking Spaces: Patterns and Future Trends. In: Mariotti, I., Di Vita, S., Akhavan, M. (eds) New Workplaces—Location Patterns, Urban Effects and Development Trajectories. Research for Development. Springer, Cham. https://doi.org/10.1007/978-3-030-63443-8_15. Acesso em jan/2023

CERBONE, D. R. Fenomenologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. (Série Pensamento Moderno).

COCA, E. L. F. Uma revisão sobre o conceito/ categoria de território. Revista de Geografia, UFPE, v.31, n. 31, 2014, p. 102-103. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/viewFile/229130/23529#:~:text=O% 20territ%C3%B3rio%20%C3%A9%20o%20espa%C3%A7o,%C3%A9%20um%20espa%C3%A7o%20de%20conflitualidades. Acesso em jan./2023

DALCOMO, M. P. Um novo humanismo médico, In: NEVES, J. R. C. (Org.) O mundo pós- pandemia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2020, p. 21-30

DALL’AGNOL, C.; TRENCH, M. H. Grupos Focais como estratégia metodológica em pesquisas na enfermagem. Rev. Gaúcha Enfermagem, Porto Alegre, v.20, n.1, p.5-25, jan. 1999

DEBUS M. Manual para excelência em la investigacion mediante grupos focales. Washington: Academy for Educational Development, 1997.

GALLUP State of the American Workplace. [Web Site]. 2017. Disponível em: https://www.gallup.com/workplace/ 238085/state-american-workplace-report-2017.aspx?thank-you-report-form=1. Acesso em jan/2023

GENSLER RESEARCH INSTITUTE US Workplace survey 2019. 2019 [Web Site].Disponível em:https://www.gensler.com/doc/u-s-workplace-survey-2019. Acesso em jan/2023

GIFFORD, R. Environmental Psychology, principles and practice. Boston: Allyn & Bacon, 1987.

GIFFORD, R.; STEG, L.; RESER, J. Environmental Psychology,2011.Blackwell Publishing Ltd. Disponível em: https://web.uvic.ca/~esplab/sites/default/files/Gifford%2C%20Steg%2C%20Reser%202011%20IAAP.pdf. Acesso em jan/2023

GOMES, A. C. V. História, historiadores e a pandemia de Covid-19. Topoi (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 22, n. 48, p. 588-621, set./dez. 2021 | www.revistatopoi.org

HALL, E. T. A Dimensão Oculta. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

LANG, I. J. Privacy, Territoriality, and Personal Space- Proxemic Theory. New York, VanNostrand Reinhold Co, 1987.

MARCON, C. R.; ZANNIN, P. H. T. O conforto acústico em escritórios panorâmicos: estudo de caso em um escritório real. Revista Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 93-105, jan./mar. 2009. ISSN 1678-8621

MARQUEZE, E. C.; MORENO, C. R. C. Satisfação no trabalho: uma breve revisão. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v.30, n.112, p. 69-79. 2005 Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbso/a/M8DvvS9XBrtqBryT6yGYg5n/ ?lang=pt&format=pdf. Acesso em jan/2023

MAZZA, V. A.; OLIVEIRA MELO, N. S. F.; CHIESA, A. M. O Grupo focal como Técnica de Coleta de Dados na Pesquisa Qualitativa: Relato de Experiência. Revista Cogitare Enfermagem, 2009 Jan/Mar; 14(1):183-8.

MERLEAU- PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, (1908-1961) 1999.

MOORE, G. T. Estudos do Comportamento Ambiental. in SNYDER, J. C. CATANESE, A. Introdução à Arquitetura. Rio de Janeiro: Campus, 1984 (Capitulo 3).

NEWMAN, O. Defensible space: Crime prevention through urban design. New York: Macmillan,1972.

NOBREGA, T.P. Corpo, Percepção e Conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicología, N. 13, Vol. 2., P.141-148, 2008. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/epsic/a/4WhJkzJ77wqK6XCvHFwsqSD/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em jan/2023

ORNSTEIN, S. W. Ambiente Construído e Comportamento: A Avaliação Pós- Ocupação e a Qualidade Ambiental. São Paulo: Nobel, 1995

PINHEIRO, J. Q.; ELALI, G. A. Comportamento socioespacial humano. In: CAVALCANTE, S.; ELALI, G. (Orgs.). Temas Básicos em Psicologia Ambiental. Petropolis: vozes, 2011,. Capítulo 11. Pág. 144-158

PROSHANSKY, H; FABBIAN, A; KAMINOFF, R. PlaceIdentity: Physical World Socialization of the self. Journal of Environmental Psychology. vol. 3, 1983, p. 57-83. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/ science/article/abs/pii/S0272494483800218. Acesso em jan/2023.

RHEINGHANTZ, P. A.; BRASILEIRO, A.; ALCANTARA, D.; AZEVEDO, G. A.; QUEIROZ, M. Observando a qualidade do lugar: Procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Rio de Janeiro: PROARQ / UFRJ, 2008

SALTORATTO, G.M., GASCHLER, T., AGUIAR, V.S.M. OLIVEIRA, M.C. 2019. Geração z e os seus impactos na cultura organizacional. Revista Produção (Online). 19, 3 (set. 2019), 1027–1047. Disponível em: https://www.producaoonline.org.br/rpo/article/view/3600/1834. Acesso em jan/2023

SOMMER, R. Espaço Pessoal. São Paulo: EPU/ USPE, 1973.

TAPSCOTT, Don. A Hora Da Geração Digital: Como Os Jovens Que Cresceram Usando a Internet Estão Mudando Tudo, Das Empresas Aos Governos. Rio de Janeiro: Agir Negócios, 2010.

TOMAZ, R. A. Geração dos Millennials e as novas possibilidades de Subjetivação. Revista Communicare v.13. n.1, p.99-110. (MIOLO.indb 99). Disponível em: https://www.academia.edu/12313274/A_gera%C3%A7%C3%A3o _dos_Millennials_e_as_novas_possibilidades_de_subjetiva%C3%A7%C3%A3o. Acesso em jan/2023.

TRIGO, T. R.; TENG, C. T.; HALLAK, J.E.C. Síndrome de burnout ou estafa profissional e os transtornos psiquiátricos. Rev. Psiq. Clín. v.34, n.5, p.223-233. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rpc/ a/6CTppSZ6X5ZZLY5bXPPFB7S/?format=pdf&lang=pt. Acesso em jan/2023

TUAN, Yi-Fu. Rootedness versus sense of place. Landscape. Vol. 24. Pages. 3-8, 1980. Disponível em: https://rl.talis.com/3/stirling/items/3C2FE142-AE78-61F4-5C60-5A6961D4CE2B.html. Acesso em jan/2023

VERZONI, A.; LISBOA, C. Formas de subjetivação contemporâneas e as especificidades da geração Y. Revista Subjetividades., Fortaleza, v. 15, n. 3, p. 457-466, dez. 2015. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S235907692015000300014&lng=pt&nrm=iso. Acesso em jan/2023.

VISCHER, J.C. Towards a user-centred theory of the built environment. Building Research & Information, vol36, n.3, p. 231–240. ISSN: 0961-3218 (Print) 1466-4321 (Online) Disponível em: <https://www.tandfonline.com/loi/rbri20>. Acesso em jan/2023

VISCHER, J. C.; WIFI, M. The Effect of Workplace Design on Quality of Life at Work. 2015. In: FLEURY-BAHI, G.; POL, E.; NAVARRO, O. (Eds). Handbook of Environmental Psychology and Quality of Life Research. London: Springer, p 1-18.

ZANATTA, A. A; SANTOS JR.; PERINI. C.C.; FISCHER, M. L. Biofilia: produção de vida ativa em cuidados paliativos. Revista Saúde Debate. v. 43, n. 122, p. 949-965, jul-set, 2019. DOI: 10.1590/0103-1104201912223. Acesso em: 03/mai/2021.

ZUMTHOR, P. Atmosferas. Entornos Arquitectônicos- As coisas que me rodeiam. Barcelona: Gustavo Gili, 2009.

Downloads

Publicado

24-05-2023

Como Citar

BUSSI, L. A. .; ALMEIDA, M. M. de . AMBIENTES DE TRABALHO INTERAÇÃO E TERRITORIALIDADE PARA AS GERAÇÕES EMERGENTES. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 95–108, 2023. DOI: 10.21680/2448-296X.2023v8n2ID31051. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/31051. Acesso em: 15 jul. 2024.