As Trilhas de longo curso no Piauí: relatos sobre o processo de implementação nos Parques Nacionais

Autores

Palavras-chave:

Parques Nacionais, Piauí, Unidades de Conservação

Resumo

O objetivo desta pesquisa é analisar de que forma a implantação de trilhas de longo curso impactam as unidades de conservação do estado do Piauí e, se elas podem ser consideradas um produto turístico sustentável. A metodologia do estudo possui caráter exploratório e descritivo, no qual é apoiado pela pesquisa bibliográfica. É de cunho qualitativo e se baseou na coleta de dados, por meio de entrevistas semiestruturadas com os gestores de dois Parques Nacionais, localizados no Piauí: Sete Cidades e Serra da Capivara. Em 2018 foi oficializada a Rede Nacional de Trilhas de Longo Curso e Conectividade, com objetivo de incentivar a recreação ao ar livre. O projeto é resultado do trabalho conjunto pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ministério do Turismo (MTUR) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Neste sentido, pode-se concluir que existe no Piauí, o interesse entre os gestores públicos na implantação de uma trilha de longo curso para conectar os Parques Nacionais e valorizar a cultura e biodiversidade no estado. Vale destacar que o sistema brasileiro de trilhas de longo curso se apresenta como projeto     promissor e de baixo orçamento, que busca a valorização, integração e exibição de Unidades de Conservação presentes em cada estado do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Solano de Souza Braga, UFOP

Professor no curso de bacharelado turismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), com regime de trabalho em D.E. professor permanente do mestrado em Turismo e Patrimônio do PPGTURPATRI. Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA/Universidade Federal do Piauí (2021), Mestre em Geografia - Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais - IGC/UFMG (2011); Licenciatura em Geografia - UNIVERSO (2014); Licenciatura em Turismo e Hospitalidade pelo Programa de Formação Pedagógica de Docentes - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG (2008), Bacharelado em Turismo - IGC/UFMG (2006). Experiência na área de Turismo, com ênfase em planejamento, pesquisa e extensão, atuando principalmente nos seguintes temas: ecoturismo, planejamento, levantamento e monitoramento da oferta e demanda turística, estudos de impacto ambiental, ecoturismo, análise ambiental e docência em turismo e geografia. Integrante dos grupos de pesquisa: Grupo Integrado de Pesquisas sobre a Serra do Espinhaço (GIPE) - UFMG / UFVJM, NATUR - Turismo, Patrimônio e Natureza - UFOP e do Núcleo de Pesquisa Coletivo Nordestino de Atenção ao Tempo Livre e Lazer (CONTEMPLAR) - UFDPar.

Marian Helen da Silva Gomes Rodrigues, ICMBio

Doutorado em Quaternário, Materiais e Culturas pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro-PT (2016). Mestrado em Arqueologia Pré-Histórica e Arte Rupestre pela Universidade Trás Os Montes e Alto Douro e IPT/Portugal (2011), diplomas revalidados pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (USP). Graduação em Letras/Português pela Universidade Estadual do Piauí (2003). Pesquisadora associada ao Instituto Terra e Memória (PT) e Centro de Geociências da Universidade de Coimbra. Sócia-Fundadora do Instituto Olho D' Água. Chefe do Parque Nacional da Serra da Capivara/ICMBio. Tem experiência na área de Arqueologia, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão ambiental e cultural, arqueologia, educação, comunidades tradicionais e sustentabilidade cultural. 

Waldemar Justo do Nascimento Neto, ICMBio

Biólogo pela Universidade Federal do Piauí- CRBio 107.633/05-P. Atualmente chefe do Parque nacional de Sete Cidades, ICMBio. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela UFPB.

Referências

AAKER, David A. Construindo marcas fortes. Porto Alegre: Bookman, 2007.

ANDER-EGG, E. Introducción a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. 7. ed. Buenos Aires: Humanitas, 1978.

ANDRADE, Waldir Joel de; ROCHA, Reginaldo Fernandes da. Manejo de trilhas: um manual para gestores. Instituto Florestal, São Paulo, 2008.

BRAGA, Solano S. Caracterização e Avaliação Dos Territórios e Atrativos turísticos do Litoral Piauiense. Tese (Doutorado Em Desenvolvimento e Meio Ambiente (DDMA) da associação plena em rede das instituições: UFC, UFPI, UFRN, UESC, UFS,UFPB e UFPE). Universidade Federal do Piauí. Teresina. 2021.

ANDRADE, José Vicente. Turismo Fundamentos e dimensões. 8º ed - São Paulo, Ática, 2002.

ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de; TACHIZAWA, Takeshy; CARVALHO, Ana Barreiros de. Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. In: Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. 2002. p. 232-232.

BOCCATO, Vera Regina Casari. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

BOO, Elizabeth. The ecotourism boom: planning for development and management. Wildlands and Human Needs Program, 1992.

BORGES, Junia Lúcio de Castro; PERINOTTO, André Riani; BRAGA, Solano de Souza. O uso de técnicas de Crowdsourcing, Big Data e análise de Redes aplicadas à Demanda Turística. Revista Marketing & Tourism Review. 2024.

BRASIL. Lei n° 9.985/2000 - Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima. Manual de sinalização de trilhas [recurso eletrônico] / Fabio França Silva Araújo... [et al.]. – 3. ed. – Brasília: MMA/ICMBio, 2023.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima Plano De Manejo Do Parque Nacional de Sete Cidades. Brasília, 1979. Disponível em: https://www.gov.br/icmbio/ Acesso em: Novembro de 2023.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima. Plano De Manejo Do Parque Nacional Serra Da Capivara. Brasília, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/icmbio/ Acesso em: Novembro de 2023.

BRASIL. Ministério do meio ambiente; Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Manual de Sinalização de trilhas. 2.ed. Brasília-DF: MTur, 2019.

BRASIL. Ministério do Turismo. Estudo da Demanda Internacional. Brasília: MTur, 2018.Disponívelem:http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-54 03/demanda-turística-internacional.html acesso em: maio de 2021. Acesso em: Maio de 2021.

SHIN, D., CURTIS, M., HUISINGH, D., & ZWETSLOOT, GI. Desenvolvimento de um modelo de política de sustentabilidade para promoção de produção mais limpa: uma abordagem de integração de conhecimento. Revista de produção mais limpa , v. 16, n. 17, pág. 1823-1837, 2008.. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S095965260 Acesso em: maio de 2021.

FUMDHAM – Fundação do Museu do Homem Americano. Disponível em: http://www.fumdham.org.br/ . Acesso 21 Nov. 2021.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Ediitora Atlas SA, 2008.

GRAEDEL, Thomas E. Projetando o produto verde ideal: LCA/SCLA ao contrário. The International Journal of Life Cycle Assessment , v. 25-31, 1997.

IVANOV, Marlete Moreira Mendes; LEMOS, Jesus Rodrigues. Unidades de conservação do estado do Piauí. EDUFPI, Teresina, 2020.

KELLER, Kevin Lane; MACHADO, Marcos. Gestão estratégica de marcas. São Paulo: Prentice Hall do Brasil, 2006.

LIMA, Angela Neves Bulbol de. Princípios influenciadores para estratégias sustentáveis de ecoturismo. Dissertação de Mestrado, PRODERE, UFAM, 2005.

MICHEL, Maria Helena. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo: Atlas, 2005.

MINAYO, Marília Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade.Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MOTTA, Sérgio L. S. Proposta de categorização de consumidores da cidade de São Paulo à luz da atitude em relação à compra e uso de bens ecologicamente corretos. In: SEMEAD - Seminários em Administração, VII, Anais. São Paulo, SEMEAD, 2004.

PAGANI, M. I., SCHIAVETTI, A., MORAES, M. D., & TOREZAN, F. H. As trilhas interpretativas da natureza e o ecoturismo. Turismo: impactos socioambientais, v. 3, p. 151-163, 1996.

RUIZ, João Álvaro. Metodologia Científica: guia para eficiência nos estudos. São Paulo, SP: Atlas, 2009; 2013.

SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento crescer sem destruir. Vértice, 1986.

SERRANO, C. “Diretrizes estaduais para o ecoturismo”. Em Boletim do IEB. São Paulo: IEB, 2001.

SCHELHAS, J. Construção e manutenção de trilhas. São Paulo: Instituto Florestal. 1996. Boletim número IV.

SEBRAE. Unidades de Conservação batem recorde com 21,6 milhões de visitas. 2023. Disponível em: https://ecoturismo.sebrae.com.br/noticias/206-unidades-de-conservacao-batem-recorde-com-21-6-milhoes-de-visitas Acesso 11 Mar. 2024.

SILVA, Roosevelt Humberto. Turismo, desenvolvimento sustentável e cultura: o caso de Cabaceiras. 2008. 122f. (Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Centro de Humanidades, Universidade Federal de Campina Grande - Paraíba - Brasil, 2008b.

SOUZA, Ramon; MENDES, Marlete. Caracterização das Unidades de Conservação do Estado do Piauí. In: Unidade de Conservação do Estado do Piauí. Marlete Ivanov (Org). Teresina, 2020.

SWARBROOKE, J. et al. Turismo de Aventura: conceitos e estudos de caso. Tradução Marise Philbois Toledo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

TAYRA, Flávio; RIBEIRO, Helena. Além das questões técnicas e econômicas: uma revisão de valores para o desenvolvimento sustentável. Pensamento & Realidade, v. 16, 2005.

THORSELL, J.W. Managing Protected Areas in Eastern Africa: A Training Manual. College of African Wildlife Management, Mweka, Tanzania: p. 105. (1984).

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WEARING, Stephen; NEIL, John. Ecoturismo: impactos, potencialidades e possibilidades. Barueri, SP: Manole, 2001.

WHEELER, Alina. Design de identidade da marca: um guia completo para a criação, construção e manutenção de marcas fortes. Porto Alegre: Bookman, 2008.

NEIMAN, Zyzman. Meio ambiente, educaçäo e ecoturismo. In: Meio ambiente, educaçäo e ecoturismo. 2002. p. 181-181.

Downloads

Publicado

05-06-2024

Como Citar

ARAUJO DE OLIVEIRA, M.; BRAGA, S. de S.; DA SILVA GOMES RODRIGUES, M. H. .; DO NASCIMENTO NETO, . W. J. . As Trilhas de longo curso no Piauí: relatos sobre o processo de implementação nos Parques Nacionais. Turismo, Sociedade & Território, [S. l.], v. 6, n. 1, 2024. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revtursoter/article/view/34585. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos