MATAR O TÉDIO, PASSAR O TEMPO – CRIME E MAL-ESTAR NA TEMPORALIDADE

Autores

  • Gabriela Simões Pereira

DOI:

https://doi.org/10.21680/2318-0277.2017v5n2ID13009

Resumo

Neste ensaio, relaciono a experiência do tempo moderno com o tédio, esse compreendido como um sentimento de mal-estar na temporalidade decorrente da aceleração e da contração do tempo.  Para Walter Benjamin, a experiência moderna do tempo possui como metonímia a figura do relógio e caracteriza-se pelo presente perpétuo sem rememoração, pela sucessão homogênea geradora do desaparecimento do sentido da ação. Defendo que tal experiência leva à claustrofobia devido à perda da autonomia, ao extermínio da espontaneidade, à rotinização da existência humana. Com as contribuições da criminologia cultural, busco pensar o crime como um rompante de transgressão da vida reduzida ao fluxo da mercadoria e à velocidade da informação, em que o tédio surge como motivador de momentos ilícitos e de insurreições político-culturais. Também identifico a relação entre tédio e tempo moderno a partir da análise do conto Passeio Noturno I, do escritor brasileiro Rubem Fonseca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES. O homem de gênio e a melancolia: o problema XXX, 1. Rio de Janeiro: Lacerda Editores, 1998.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Tradução de Ivan Junqueira. São Paulo: Nova Fronteira, 2012.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de História. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. Vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1994.

_____. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Obras escolhidas. V. 3. 3ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

_____. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

BOSI, Alfredo. O conto brasileiro contemporâneo. 2ª ed. São Paulo: Cultrix, 1977.

Enfermeiro alemão é condenado à prisão perpétua por morte de dois pacientes. Correio do Povo, Porto Alegre, 26 fev. 2015. Disponível em: <http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/549971/Enfermeiro-alemao-e-condenado-a-prisao-perpetua-por-morte-de-dois-pacientes>. Acesso em: 14 set. 2016.

FERRELL, Jeff. Cultural criminology. In: Annual Review of Sociology. V. 25, 1999.

_____. Tédio, crime e criminologia: um convite à criminologia cultura. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 2010.

FONSECA, Rubem. Passeio Noturno, Parte I. In: 64 contos de Rubem Fonseca. São Paulo: Cia. das Letras, 2004.

GALEANO, Eduardo. De pernas pro ar: a escola do mundo ao avesso. Porto Alegre: L&PM, 2013.

HORKHEIMER, Max. O eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2002.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1996.

LUKÁCS, Georg. A reificação e a consciência do proletariado. In: História e consciência de classe: Estudos sobre a dialética marxista. São Paulo, Martins Fontes, 2003.

MELANCOLIA I, de Albrecht Dürer (1514). Disponível em: <http://www.albrecht-durer.org/Melencolia-I.html>. Acesso em: 26 jun. 2016

PESSOA, Fernando. Livro dos desassossegos. São Paulo: Cia. Das Letras, 2002

SANTIAGO, Manuela Castro. Las metáforas de la melancolia: um acercamiento deste la filosofia, la literatura y las artes plásticas. Tese de doutorado. Universidad de Huelva, 2012.

VANEIGEM, Raoul. Traité de savoir-vivre à l'usage des jeunes générations. Paris: Gallimard, 1967.

WARHOL, Andy. Sleep. Disponível em: <http://www.warholstars.org/sleep.html>. Acesso em 14 set. 2016.

WEBER, Max. Ética protestante e espírito do capitalismo. São Paulo: Cia. das Letras, 2004.

Downloads

Publicado

17-10-2017

Como Citar

SIMÕES PEREIRA, G. MATAR O TÉDIO, PASSAR O TEMPO – CRIME E MAL-ESTAR NA TEMPORALIDADE. Revista Transgressões, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 3–21, 2017. DOI: 10.21680/2318-0277.2017v5n2ID13009. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/transgressoes/article/view/13009. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos