MULHERES E CRIMINALIDADE: ASPECTOS DE UMA INCLUSÃO ENVIESADA

Autores

  • Sabrina Lima Silva

DOI:

https://doi.org/10.21680/2318-0277.2017v5n2ID13014

Resumo

No Estado do Rio Grande do Norte, houve um aumento de 28% no número de mulheres assassinadas por envolvimento em condutas ilícitas, no período correspondente aos meses de Janeiro a Junho do ano de 2017, em comparação com o mesmo período do ano passado. Tal fenômeno nos estimula a pesquisar quais seriam as principais causas para o crescente índice de femícidios no Estado, estabelecendo um contrapondo entre gênero e criminalidade, avaliando o primeiro semestre do ano em curso. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Rosemary de O. Mulheres Que Matam. Universo Imaginário do Crime Feminino. Rio de Janeiro – Relumé - Dumará,

BEHRING, Elaine Rossetti. Fundamentos de política social. In: MOTA, Ana Elisabete [et.al.], (orgs.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 2 ed. São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2007.

BRANDÃO, Thadeu. HERMES, Ivenio. Observatório da Violência Letal e Intencional do Rio Grande do Norte feminicídios. Ed. 03, ano II. Natal, 2017.

CAMURÇA, Silvia & GOUVEIA, Taciana. O Que é Gênero? In: Cadernos SOS Corpo e Cidadania. 4ª edição. Recife, PE - SOS Corpo e Cidadania. 2004

CHERNICHARO, Luciana Peluzio. Sobre Mulheres e Prisões: Seletividade de Gênero e Crime de Tráfico de Drogas no Brasil. 2014. Disponível em: <http://www.neip.info/upd_blob/0001/1565.pdf>. Acesso em 18 de setembro de 2017.

CONECTAS DIREITOS HUMANOS. Mulheres e encarceradas: dupla punição. Disponível em: <http://conectas.org/pt/acoes/justica/noticia/28793-mulheres-e-encarceradas-dupla-punicao >. Acesso em 16 de setembro de 2017.

COSTA, Joana. MEDEIROS, Marcelo. O que entendemos por feminização da Pobreza?. Centro Internacional da Pobreza. Nº 55. Brasília, 2008. Disponível em: <http://www.ipc-undp.org/pub/port/IPCOnePager58.pdf>. Acesso em: 28 de agosto de 2017.

COSTA ET al. Joana. A Face Feminina da Pobreza: Sobre Representação e Feminização da Pobreza no Brasil. Brasília, 2005. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=4726 >. Acesso em 28 de agosto de 2017.

DEL OMO, Rosa. Reclusión de mujeres por delitos de drogas – reflexiones iniciales. Reunión del Grupo de Consulta sobre el Impacto del Abuso de Drogas en la Mujer y la Familia. Organización de los Estados Americanos O.E.A. Montivedéo, Uruguay, 1996.

ESPINOZA, Olga. A Mulher Encarcerada em Face do Poder Punitivo. São Paulo: IBCCrim, 2004.

GALDINO. Felipe. Mulheres Ganham Espaço no Mundo do Crime e Preocupam Polícia. Novo Notícias. Natal, 2017. < https://www.novonoticias.com/cotidiano/mulheres-ganham-espaco-no-mundo-do-crime-e-preocupam-policia >. Acesso em 11 de setembro de 2017.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça, Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Revista Tempo Social. V. 26, nº 1. São Paulo, 2014. <https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/84979/87743>. Acesso em 16 de setembro de 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTISTICA. Censo Demográfico Brasileiro 2010: Educação: Amostra. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/estadosat/temas.php?sigla=rn&tema=censodemog2010_educ >. acesso em 07 de dezembro de 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTISTICA. Censo demográfico brasileiro 2010. Sistema Nacional de educação de gênero: análise de resultados. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/estadosat/temas.php?sigla=rn&tema=censodemog2010_snig

>. acesso em 07 de dezembro de 2016.

KARAM, Maria Lucia. Drogas: legislação brasileira e violações a direitos fundamentais, 2010. Disponível em: Rio de Janeiro: LEAP/UFRJ, 2010. KOLLONTAI, A Nova Mulher e a Moral Sexual. 3. ed. São Paulo: Global, 1979.

MARTINS, José de Souza. Exclusão Social e a Nova Desigualdade. 3 ed. São Paulo: Paulos, 1997.

MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. O Manifesto Comunista. 3ª edição, São Paulo, Global, 1989.

PIMENTEL. Matheus. O que mudou na Argentina após 1 ano de Maurício Macre. Nexo Jornal. 2016. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/12/09/O-que-mudou-na-Argentina-ap%C3%B3s-1-ano-de-Mauricio-Macri>. Acesso em 16 de setembro de 2017.

RODRIGUES, Paulo Jorge. ET al. O trabalho feminino durante a revolução industrial. XII semana da mulher. São Paulo, 2015. Disponível em: <https://www.marilia.unesp.br/Home/Eventos/2015/xiisemanadamulher11189/o-trabalho-feminino_paulo-jorge-rodrigues.pdf>. Acesso em 29 de agosto de 2017.

RUFFATO, Luiz. O golpe contra Dilma Roussef. El País. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2016/08/31/opinion/1472650538_750062.html>. Acesso em: 24 de setembro de 2017.

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL. Relatório Estatítico de Crimes Violentos Letais e Intencionais de Janeiro a Junnho de 2017. Natal, 2017.

SILVA, Sabrina de Lima. Dupla punição: Mulheres Encarceradas por Delito de Tráfico de Drogas. Monografia. Natal: UFRN, 2015.

SANDENBERG, Cecília M.B. Conceituando “emponderamento” na perspectiva feminista. I Seminário Internacional: Trilhas do Empoderamento de Mulheres – Projeto TEMPO, Salvador: UFBA, 2009. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/6848/1/Conceituando%20Empoderamento%20na%20Perspectiva%20Feminista.pdf> Acesso em: 29 de agosto de 2017.

WAISELFSZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2016 Homicídios Por Arma de Fogo no Brasil. Brasília. Flacso, 2016.

Downloads

Publicado

17-10-2017

Como Citar

LIMA SILVA, S. MULHERES E CRIMINALIDADE: ASPECTOS DE UMA INCLUSÃO ENVIESADA. Revista Transgressões, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 104–118, 2017. DOI: 10.21680/2318-0277.2017v5n2ID13014. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/transgressoes/article/view/13014. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos