"Dentro da hierarquia do mundo criminoso, ela é a mais vulnerável. Só que no sistema, ela é a mais invisível." São palavras de Pietra Pfaller, coordenadora da Pastoral Carcerária. Neste sentido, afirma-se que o cárcere foi pensado para homens, atingindo as mulheres presas de modo muito mais cruel e desumano. Com efeito, a solidão da mulher encarcerada, decorrente do abandono por parte do seu núcleo familiar ou do seu companheiro, enseja todo um complexo de relações afetivas e sexuais entre as detentas, relações estas que são tão invisibilizadas quanto as próprias mulheres encarceradas. No entanto, esta busca por afeto entre detentas guarda certa complexidade, dada a configuração estabelecidas por elas mesmas, agrupando e até mesmo segregando umas as outras de acordo com os comportamentos sexuais e afetivos.

Publicado: 10-06-2019

Editorial

Poesias