Turismo e Religiosidade:

os fazeres festivos amazônicos em tempos da pandemia de Covid-19

Autores

  • Maria Augusta Freitas Costa Canal Professora Adjunta da Faculdade de Turismo da Universidade Federal do Pará – UFPA, Belém/PA, Brasil
  • Milene de Cássia Santos de Castro Doutoranda em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI, Itajaí/SC, Brasil http://orcid.org/0000-0002-5887-2261
  • Hygo da Silva Palheta Especialista em Empreendedorismo e Competitividade em Negócios Turísticos pela Universidade Federal do Pará – UFPA, Belém/PA, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.21680/2357-8211.2022v10n1ID26309

Resumo

A festa enquanto objeto de análise do turismo apresenta-se como evento compreendido como vetor multiplicador de negócios, capaz de atrair fluxo de turistas e impactar a dinâmica social. Numa dimensão mais abrangente, a festa permite evidenciar elementos vivenciados no fazer festivo que revelam dimensões das relações de territorialidades humanas, aspectos vinculantes da viagem turística como processo de descoberta e do encontro com o outro. Na Amazônia a festa aparece como expressão da religiosidade de suas territorialidades, oportunizando aos turistas e visitantes a possibilidade de realização de turismo religioso por meio da vivência da experiência turística através do fazer festivo. Objetivamos discutir a religiosidade devota do fazer festivo na Amazônia em espaços de turismo cultural religioso, refletindo sobre as modificações e adaptações desse fazer devido à pandemia de COVID-19. Assim, o     recorte da pesquisa se dimensiona pelas festas paraenses: do Sairé e da Marujada, tendo por base a metodologia qualitativa com: levantamento bibliográfico e documental, trabalhos de campo com observação dirigida e entrevistas semiestruturadas.

Palavras-chave: Festa. Religiosidade. Turismo Religioso. Covid-19. Pará.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Augusta Freitas Costa Canal , Professora Adjunta da Faculdade de Turismo da Universidade Federal do Pará – UFPA, Belém/PA, Brasil

Doutora em Geografia pela UNESP-Presidente Prudente. Professora Adjunta II da Faculdade de Turismo- ICSA\UFPA. Coordenadora da linha de Pesquisa: Festa, territorialidade humana e turismo no urbano amazônico (GRUPO DE PesquisaLaboratório de Dinâmicas Urbanas e Questões Pertinentes ao Turismo). Integrate do Grupo de Pesquisa e Extensão e Geografia do Turismo na Amazônia do Programa de Pós Graduação em Geografia do IFCH-UFPA.

Milene de Cássia Santos de Castro, Doutoranda em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI, Itajaí/SC, Brasil

Bacharel em turismo pela Universidade federal do Pará.

Mestranda em turismo e desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná.

Doutoranda em Turismo e Hotelaria pela Universidade do Vale do Itajaí 

Hygo da Silva Palheta , Especialista em Empreendedorismo e Competitividade em Negócios Turísticos pela Universidade Federal do Pará – UFPA, Belém/PA, Brasil

Bacharel em Turismo (UFPA), Especialista em Empreendedorismo e Competitividade em Negócios Turísticos (UFPA).

Downloads

Publicado

30-03-2022

Como Citar

AUGUSTA FREITAS COSTA CANAL , M.; SANTOS DE CASTRO, M. de C.; DA SILVA PALHETA , H. Turismo e Religiosidade:: os fazeres festivos amazônicos em tempos da pandemia de Covid-19. Revista de Turismo Contemporâneo, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 27–48, 2022. DOI: 10.21680/2357-8211.2022v10n1ID26309. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/turismocontemporaneo/article/view/26309. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos