A EPISTEMOLOGIA DO SEGUNDO ARMÁRIO: CANAIS DE GAYS HIV+ NO YOUTUBE COMO ARTEFATOS PEDAGÓGICOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2238-6009.2022v1n60ID30036

Resumo

Este artigo objetiva analisar a experiência do “segundo armário” a partir dos conteúdos de três canais sobre HIV- AIDS do YouTube criados por jovens brasileiros assumidamente soropositivos e gays. Eles são tomados enquanto artefatos culturais, isto é, propositores de currículos e pedagogias culturais. O “segundo armário” é entendido como um regime de visibilidade. Diferente do “armário gay”, o primeiro, focado na sexualidade, este segundo envolve o conhecimento sobre a soropositividade para o HIV. Metodologicamente utilizou-se de etnografia on-line, sendo empregado o preenchimento de fichas, uma espécie de caderno de campo, para cada um dos vídeos assistidos dos três canais e os comentários da audiência de cada um deles. A discussão teórica foi feita a partir de teorias pós-críticas. Conclui-se que a era digital permite a produção curricular-pedagógica do HIV-AIDS ainda marcada por estigmas, mesmo com os avanços no campo dos antirretrovirais. Além disso, conclui-se que essa produção dos artefatos envolve pessoas de diferentes perfis identitários. Chama-se a atenção para a necessidade de um retorno à discussão das vulnerabilidades em meio às conquistas fármaco-tecnológicas e à valorizada visibilidade digital das pessoas vivendo com HIV e de sua audiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

29-12-2022

Como Citar

DUQUE, T.; SEFFNER, F. A EPISTEMOLOGIA DO SEGUNDO ARMÁRIO: CANAIS DE GAYS HIV+ NO YOUTUBE COMO ARTEFATOS PEDAGÓGICOS. Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 60, 2022. DOI: 10.21680/2238-6009.2022v1n60ID30036. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/30036. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê/Dossier