Disclosure nos relatórios de sustentabilidade de empresas do novo mercado da Bovespa em consonância com os objetivos de desenvolvimento sustentável publicados pela ONU

Palavras-chave: Relatório de Sustentabilidade. Objetivos ONU. Disclosure.

Resumo

Objetivo: O objetivo do estudo foi analisar se os relatórios de sustentabilidade divulgados pelas empresas, listadas no segmento do novo mercado da BOVESPA, estão alinhados com os objetivos de desenvolvimento sustentável publicados pela ONU.

Metodologia: Foi utilizada uma metodologia de abordagem descritiva, com acesso documental nos relatórios publicados pelas empresas no ano de 2016 e análise qualitativa dos resultados.

Resultados: Os achados da pesquisa, mostra que uma empresa apresenta evidências dos 17 objetivos propostos pela ONU e 7 das 29 empresas estudadas obtiveram mais de 50% de incidência das informações. Infere-se que as empresas não estão em consonância com os objetivos da ONU, pois nem todas as organizações estudadas evidenciam, as ações que tomam no decorrer do ano para cumprir os objetivos, a grande maioria somente cita os indicadores, ou menciona que está disposta a fazer, sem efetivamente dizer o que está sendo feito para a busca de um desenvolvimento sustentável.

Contribuições do Estudo: O trabalho é relevante, pois na atualidade as empresas buscam cada vez mais espaço no mercado, tornando as práticas organizacionais mais importantes tendo em vista a busca por recursos e consumidores. Com isso, há uma pressão maior para que as empresas atendam de forma sistemática, as dimensões econômica, social e ambiental da sustentabilidade, e como ferramenta para melhorar esse entendimento, é importante conhecer se as publicações dos relatórios de sustentabilidade das empresas estão em consonância com os objetivos da ONU. Contudo, os achados permitem compreender que há desafios importantes na divulgação de informações, pois, limites impostos pelas características, segmento do negócio e estrutura organizacional fazem com que determinados indicadores não sejam abordados pelas empresas. Em situações específicas, a organização não possui de fato, dados a serem compartilhados em relação a determinado objetivo, por isso, os dados quantitativos de divulgação, precisam ser avaliados com cautela.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Al-Tuwaijri, S. A.; Christensen, T. E. & Hughes Ii, K. E. (2004). The relations among environmental disclosure, environmental performance, and economic performance: a simultaneous equations approach. Accounting, Organizations and Society, 5-6, 447-471.

Alves, A.J. (1991). O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 77, 53-61.

Barbosa, G. S. (2018). O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões 4ª Edição, nº 4(1).

Bardin, L. (2011).Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70.

BM&EFBovespa.(2018).Segmento de listagem, Novo Mercado. Recuperado em 09 de março de 2018 de: http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/listagem/acoes/segmentos-de-listagem/novo-mercado/.

BM&EFBovespa. (2018).Relatório Anual B3.Recuperado em 02 de junho de 2018 de:http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/institucional/sustentabilidade/na-bolsa/relatorios/relatorio-anual-bm-fbovespa.htm

Bovespa.(2018).BVSA – Bolsa de Valores Socioambientais. Recuperado em 02 de junho de 2018 de: https://www.bvsa.org.br/quemsomos.

Brito, N. R. O. (1985). A eficiência informacional fraca no mercado à vista da BVRJ no período 1980/1984. Rio de Janeiro: COPPEAD/UFRJ (Relatório Técnico n. 78).

Calixto, L.; Lima, M. B. & Barbosa, R.R.(2007). Disseminação de informações ambientais voluntárias: relatórios contábeis versus internet. Recuperado em 24 de maio de 2018 de: http://www.redalyc.org/html/2571/257119526008.

Campos, L. M. S., Sehnem, S., Oliveira, M. A. S., Rossetto, A. M., Coelho, A. L. & Dalfovo, M. S. (2011). Relatório de sustentabilidade: perfil das organizações brasileiras e estrangeiras segundo o padrão da Global Reporting Initiative. Gest. Pro.

Cavalcante, F.. Misumi, J. & Rudge, L. (2005). Mercado de Capitais: O que é, como funciona. 6ª ed. São Paulo: Elsevier.

Cavalcanti, C. (2003). Desenvolvimento e Natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo. Editora Atlas S.A.

Gonçalves, M. N., Sanches, S. L. R., Ribeiro, R. R. M. & Vicentin, R. M. (2016).Disclosure x sustentabilidade: um estudo das demonstrações contábeis das companhias listadas pela Brazil Stars Index. Belo Horizonte, 34(4), 42-57.

Gri, Global Reporting Initiative. (2007). Diretrizes para relatório de sustentabilidade. São Paulo. Recuperado em 03 de abril de 2018 de: https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/Portuguese-G3-Reporting-Guidelines.pdf.

Halme, M. & Morten, H.(1997).The influence of corporate governance, industry and country factrs on environmental reporting. Scandicanvian Journal of Management, v. 13, n. 2, p. 137-157.

Jacomossi,F. A., Moreira, C.R. & Gomes, R. L.(2015).O isomorfismo nos relatórios de sustentabilidade: uma análise das empresas brasileiras que compõem o Dow Jones Sustainability Index. Revista de Gestão Ambiental Sustentabilidade 2015. Recuperado em 12 de março de 2018 de: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=471647051004.

Lei 6.404, de 15 de dezembro de 1976. (1976). Diário Oficial da União. Recuperado em 02 de junho de 2018 de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404consol.htm

Lei 11.638, de 28 de dezembro de 2007. (2007).Diário Oficial da União. Recuperado em 02 de junho de 2018 de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11638.htm

Marion, J. C. (1997). Contabilidade empresarial. 6.ed. São Paulo: Atlas.

ONUBR (2018).17 Objetivos para transformar nosso mundo. Recuperado em 09 de março de 2018 de: https://nacoesunidas.org/pos2015/.

Oliveira, G. & Pacheco, M. (2006). Mercado Financeiro: Objetivo e Profissional. 1ª ed. São Paulo: Fundamento.

Rao, K. K.; Tilt, C. A. & Lester, L. H. (2012). Corporate governance and environ mental reporting: na Australian study. Corporate Governance, 12(2), 143-163.

Receita Federal. (2018).Objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS).Recuperado em 03 de abril de 2018 de: http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/politica-externa/desenvolvimento-sustentavel-e-meio-ambiente/134-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel-ods.

Ricardo, V. S., Barcellos S.S. & Bortolon, P. M. (2017). Relatório de Sustentabilidade ou Relato Integrado Das Empresas Listadas Na Bm&Fbovespa: Fatores Determinantes De Divulgação. Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, 1(1), 90-104.

Rigo, V. P.& Rosa, F. S. (2014). Influência dos Aspectos da Governança Corporativa na Evidenciação Ambiental. XVI ENGEMA.

Sá-Silva, J. R.; Almeida, C.D. & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1).

Sachs, I. (2009). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Sartori, S., Latronico, F. & Campos, L. M. S. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: Uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade, São Paulo, 17(1), 1-22.

Tinoco, J. E. P & Kraemer, M. E. P. (2004). Contabilidade e gestão ambiental. São Paulo: Atlas.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure, Journal of Accounting and Economics, v. 32(1-3), 97-180.

Publicado
03-01-2020
Como Citar
DOS REIS, L.; RIGO, V. P.; FARINON, K. Disclosure nos relatórios de sustentabilidade de empresas do novo mercado da Bovespa em consonância com os objetivos de desenvolvimento sustentável publicados pela ONU. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 1, p. 88-108, 3 jan. 2020.
Seção
Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)