Nível de conhecimento dos profissionais de contabilidade de Três Lagoas (MS) sobre contabilidade ambiental, gestão e legislação ambiental

Palavras-chave: Contador; Contabilidade e Gestão ambiental; Educação continuada.

Resumo

Objetivo: A preocupação com o meio ambiente é constante e vem, gradativamente, ganhando destaque: político, acadêmico e empresarial. O tema configura-se como relevante, porque para a maioria das empresas a preocupação com o meio ambiente ainda não se transformou em práticas efetivas de gestão ambiental e muitos profissionais da contabilidade têm formação anterior a inserção da contabilidade ambiental como um novo ramo de atuação das ciências contábeis. No entanto, a educação continuada se estabelece como um meio de atualização dos profissionais em relação as mudanças e novas tendências de atuação do profissional contábil. Assim, a pesquisa se propôs analisar o nível de conhecimento dos profissionais de contabilidade de Três Lagoas (MS) sobre contabilidade ambiental, gestão e legislação ambiental.

Metodologia: A pesquisa classifica-se como quantitativa e adota como estratégia de investigação a pesquisa de levantamento de opiniões dos contadores atuantes nos escritórios de contabilidade em Três Lagoas (MS). A aplicação dos questionários seguiu o critério de acessibilidade, obtendo-se um retorno de 68 questionários respondidos. O instrumento de coleta foi construído com questões que identificam o perfil dos contadores e nível de conhecimento sobre a contabilidade ambiental, gestão e legislação ambiental. Ele é composto por 15 itens avaliados pela escala tipo Likert de seis pontos.

Resultados: Os resultados demonstram nível baixo de conhecimento dos contadores sobre contabilidade ambiental, gestão e legislação ambiental, numa média geral de 71,2%. Apenas 32,4% dos respondentes buscam atualização profissional na área ambiental por meio de eventos, palestras ou congressos e 55,9% dos respondentes não tem conhecimento sobre ferramentas de gestão ambiental.

Contribuições do Estudo: O tema demanda maior envolvimento e busca de conhecimento dos contadores, por meio dos programas de educação profissional continuada. Fica a reflexão de que a contabilidade e gestão ambiental são importantes e devem ser cada vez mais abordadas nas práticas contábeis, visto que os impactos ambientais resultam em atos e fatos contábeis, cujo gerenciamento e/ou registro precisam de um profissional em contabilidade formado e atualizado de forma adequada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sirlei Tonello Tisott, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1996), Especialização em Contabilidade Gerencial (2000), mestrado em Desenvolvimento, Gestão e Cidadania pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2005) e doutorado em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015). Atualmente professora adjunto da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS. Atua na área de auditoria contábil, contabilidade e finanças com ênfase em responsabilidade socioambiental e sustentabilidade, prática contábil e contabilidade e gestão ambiental.

Sílvio Paula Ribeiro, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Ciências Sociais Aplicadas – Ciências Contábeis. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Tamires Sousa Araújo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia – UFU. Ciências Sociais Aplicadas – Ciências Contábeis. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Cinthia da Costa Pontes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduanda em Ciências Contábeis. Ciências Sociais Aplicadas – Ciências Contábeis. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Jhonatan Verissímo da Sílva, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduando em Ciências Contábeis. Ciências Sociais Aplicadas – Ciências Contábeis. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

Barbieri, J. C. (2016). Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva.

Bauer, M. M., & Naime, R. (2012). Estado da arte da evidenciação social e ambiental voluntária. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade – REUNIR, 2(2), 39-60.

Beuren, I. M., Longaray, A. A., Raupp, F. M., Sousa, M. A. B., Colauto, R. D., & Porton, R. A. B. (2008). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. São Paulo: Atlas.

Brasil. Legislação ambiental no Brasil é uma das mais completas do mundo. 2018. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/editoria/meio-ambiente/2010/10/legislacao. Acesso em: 19 jun. 2018.

Brasil. Legislação. 2019. Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/legislacao/. Acesso em: 6 ago. 2019.

Calixto, L. (2006). O ensino da contabilidade ambiental nas universidades brasileiras: um estudo exploratório. Revista Universo Contábil, 2(3), 65-78.

Clemente, A., Kubaski, D., & Taffarel, M. (2011, novembro) Contabilidade Ambiental: uma análise na indústria de papel e celulose do Estado do Paraná. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 18.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Documentos emitidos: pronunciamentos. 2019. Disponível em: http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos. Acesso em: 6 ago. 2019.

Conceição, M. G., Oliveira, N. C., Gomes, S. M. S., Oliveira, N. S., & Gaudêncio, F. (2014). Comparação do nível de conhecimento sobre contabilidade social e ambiental dos estudantes ingressos e formandos do curso de ciências contábeis da Universidade Federal da Bahia. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 1 (2), 3-22.

Conselho Federal de Contabilidade. Educação Profissional Continuada. 2018. Disponível em: https://cfc.org.br/desenvolvimento-profissional-e-institucional/educacao-profissional-continuada/. Acesso em: 15 jun. 2018.

Conselho Federal de Contabilidade. Legislação. 2019. Disponível em: https://cfc.org.br/legislacao/. Acesso em: 6 ago. 2019.

Conselho Federal de Contabilidade. Norma Brasileira de Contabilidade – NBC PG 12, de 24 de novembro de 2017. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 24 nov. 2017. Disponível em: http://www1.cfc.org.br/sisweb/SRE/docs/NBCPG12(R3).pdf. Acesso em: 21 ago. de 2019.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 5 ago. 2019.

Cordeiro, A. M. G., & Chaves, F. M. (2009). Evidenciação do conteúdo ambiental e social nas demonstrações contábeis publicadas na BM&FBovespa no período de 2001 a 2007. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 4(2), 119-130.

Cosenza, J. P., Gomes, R. C., & Devillart, D. G. C. (2015). Habilidades e competências inerentes ao profissional da contabilidade no atual mercado de trabalho brasileiro. Revista Brasileira de Contabilidade, 214, 33-57.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa. Porto Alegre: Artmed.

Deegan, C., & Gordon, B. (1996). A study of the environmental disclosure practices of Australian Corporations. Accounting and Business Research, 26(3), 187-199.

Feil, A. A., Haberkamp, A. M., Azeredo, A. J., Orso, T. M., & Kronbauer, C. (2017). Análise do nível de conhecimento do profissional contábil acerca da contabilidade ambiental e suas variáveis intervenientes. Revista Ambiente Contábil, 9(1), 223-245.

Fenker, E. A., Diehl, C. A., & Alves, T. W. (2013). Um estudo empírico sobre gestão de custos e riscos ambientais em empresas atuantes no Brasil. Revista Ambiente Contábil, 5(2), 190-208.

Freitas, D. P. S., & Oleiro, W. N. (2011). Contabilidade Ambiental: A evidenciação nas demonstrações financeiras das empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade – REUNIR, 1(2), 65-81.

Friedman, A. (2013). Continuing professional development. London: Routhedge.

Hair J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Artmed.

Hussain, M. D., Halim, M. S. A., & Bhuiyan, A. B. (2016). Environmental accounting and sustainable development: an empirical review. International Journal of Business and Technopreneurship, 6(2), 335-350.

Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul. Legislação ambiental. 2019. Disponível em: https://www.imasul.ms.gov.br/legislacao-ambiental/. Acesso em: 6 ago. de 2019.

Islam, S., Miah, S., & Fakir, A. (2015). Environmental accounting and reporting practices in the corporate sector of Bangladesh. Journal of International Business Studies, 2(1), 1-14.

Kaspina, R. (2015). Continuing professional development of accounting and auditing: Russian experience and challenges. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 191, 550-553.

Kronbauer, C. A., & Silva, M. M. (2012). Disclosure ambiental: análise do grau de evidenciação nas demonstrações contábeis das empresas de transporte. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(ed. Especial), 32-46.

Maciel, C. V., Teixeira, U. C., Libonati, J. J., & Rodrigues, R. N. (2009). Contabilidade Ambiental: um estudo exploratório sobre o conhecimento dos profissionais de contabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 6(11), 137-158.

Marôco, J. (2010). Análise de equações estruturais. Perô Pinheiro, Portugal: ReportNumber.

Martendal, A., Uhlmann, V. O., Vieira, E. M. F., & Pfitscher, E. D. (2013). Contabilidade ambiental: nível de conhecimento dos profissionais contábeis da grande Florianópolis. Enfoque: Reflexão Contábil, 32(1), 29-47.

Moreira, A. B. O., Jacovine, L. A. G., Silva, M. L., & Valverde, S. R. (2009). Contabilidade ambiental: evidenciação das questões ambientais em contábeis pelas empresas florestais de capital. Revista Mineira de Contabilidade, 3(35), 30-40.

Mussoi, A., & Van Bellen, H. M. V. (2010). Evidenciação ambiental: uma comparação do nível de evidenciação entre os relatórios de empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(9), 55-78.

Oliveira, F. S., & Nascimento, E. M. (2018). Percepção dos profissionais da contabilidade mineiros sobre o programa de educação profissional continuada. Revista Brasileira de Contabilidade, 231, 80-95.

Rosa, F. S., Ensslin, S. R., Ensslin, L., & Lunkes, R. J. (2011). Gestão da evidenciação ambiental: um estudo sobre as potencialidades e oportunidades do tema. Engenharia Sanitária e Ambiental, 16(1), 157-166.

Rosa, F. S., Guesser, T., Hein, N., Pfitscher, E. D., & Lunkes, R. J. (2015). Environmental impact management of brazilian companies: analyzing factors that influence disclosure of waste, emissions, effluents and other impacts. Journal of Cleaner Production, 96, 148-160.

Shakkour, A., Alaodat, H., Alqisi, E., & Alghazawi, A. (2018). The role of environmental accounting in sustainable development: empirical study. Journal of Applied Finance & Banking, 8(1), 71-87.

Silva, J. C. P., & Rios, R. P. (2014). Contabilidade Ambiental: O grau de conhecimento dos contadores do sul e sudeste do estado do Pará. Revista Eletrônica Gestão e Negócios, 5(1), p. 1-19.

Souza, A. L. R., Alvarez, G., & Andrade, J. C. S. (2013). Mercado regulado de carbono no Brasil: um ensaio sobre divergências contábil e tributária dos créditos de carbono. Revista Organizações e Sociedade, 20(67), 675-697.

Souza, F. J. V., Barros, C. C., Câmara, R. P. B., Araújo, F. R., & Silva, M. C. (2014). Evidenciação ambiental: um estudo a partir de 16 empresas pertencentes aos programas Novo Mercado e Em Boa Companhia da BM&FBovespa. ConTexto, 14(27), 43-54.

Tinoco, J. E. P., & Kraemer, E. P. (2011). Contabilidade e gestão ambiental. São Paulo: Atlas.

Tinoco, J. E. P., & Robles, L. T. (2006). A contabilidade da gestão ambiental e sua dimensão para a transparência empresarial: estudo de caso de quatro empresas brasileiras com atuação global. Revista de Administração Pública, 40(6), 1077-1096.

Três Lagoas. Legislação meio ambiente. Três Lagoas. 2019. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/prefeitura/ms/tres-lagoas/categorias/meio-ambiente. Acesso em: 6 ago. de 2019.

Ván, H. (2012). Environmental accounting – a new challenge for the accounting system. Public Finance Quarterly, 57(4), 437-452.

Yuliarini, S., Othman, Z., & Ismail, K. N. I. (2017). Environmental accounting practices: a regulatory and internal management perspective. Journal of Economic & Financial Studies, 5(3), 1-11.

Zayas, E. L. B. (Org.) (2012). O paradigma da educação continuada. Tradução de Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Penso.

Publicado
02-07-2021
Como Citar
TISOTT, S. T.; RIBEIRO, S. P.; ARAÚJO, T. S.; PONTES, C. DA C.; SÍLVA, J. V. DA. Nível de conhecimento dos profissionais de contabilidade de Três Lagoas (MS) sobre contabilidade ambiental, gestão e legislação ambiental . REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 13, n. 2, p. 208-230, 2 jul. 2021.
Seção
Seção 3: Pesquisas de Campo sobre Contabilidade (Survey) (S3)