Desempenho dos maiores bancos brasileiros: um estudo sobre o impacto da crise subprime

Palavras-chave: Desempenho; Bancos; Crise Subprime.

Resumo

Objetivo: Analisar o impacto da crise subprime no desempenho dos maiores bancos brasileiros, utilizando indicadores contábeis que permitem mensurar o comportamento dos índices de inadimplência, a evolução das despesas com Provisão para Devedores Duvidosos (PDD), do volume de ativos totais e dos índices de rentabilidade.

Metodologia: Informações dos cinco maiores bancos estabelecidos no Brasil (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander), no período entre 2008 e 2016, foram coletadas e analisadas. Os dados foram obtidos através de consultas no site do BCB e nos sites dos bancos. Os resultados obtidos foram sumarizados em gráficos e tabelas.

Resultados: O desempenho dos bancos foi afetado pelo aumento no volume de despesas com PDD no período, resultado de uma estratégia conservadora adotada pelas instituições. Identificou-se um aumento no volume de inadimplência, mas os bancos foram cautelosos mantendo níveis de PDD em volumes compatíveis ao crescimento das concessões de crédito. Todos os bancos apresentaram um crescimento no valor dos seus ativos totais. Em termos de rentabilidade, as instituições obtiveram desempenhos distintos. Destaca-se os valores expressivos de lucros auferidos pelos Bancos Bradesco e Itaú Unibanco no ano de 2015.

Contribuições do Estudo: A implantação de uma política monetária expansionista influenciou positivamente no desempenho dos bancos, principalmente nas instituições com controle estatal. A pesquisa evidencia que a crise subprime afetou o desempenho dos bancos, como consequência das ações conservadoras adotadas, a fim de proteger o Sistema Financeiro Nacional. A pesquisa contribui com a literatura, primeiramente, ao apresentar dados empíricos sobre os efeitos da crise subprime nas principais instituições bancárias brasileiras, e também por discutir os resultados à luz da teoria e da conjuntura econômica do período, permitindo diferentes interpretações sobre o impacto desse fenômeno. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiana Maria Coeli, Cooperativa de Crédito Poupança e Investimento Sicredi Pioneira - RS.

Graduada em Ciências Contábeis (UNISINOS).

Vanessa Martins Pires, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Doutora em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Referências

Annibal, C. A. (2009). Inadimplência do setor bancário brasileiro: uma avaliação de suas medidas. Trabalhos para Discussão, Brasília, DF, n. 192, p. 1-36.

Arai, C. (2015). Análise de crédito e risco. São Paulo: Pearson Education do Brasil. Livro eletrônico.

Assaf Neto, A. (2010). Mercado financeiro. 9. ed. São Paulo: Atlas.

Assaf Neto, A. (2015). Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro: comércio e serviços, indústrias, bancos comerciais e múltiplos (11. ed). São Paulo: Editora Atlas.

BCB. (1999). Resolução 2.682/1999. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/1999/pdf/res_2682_v2_L.pdf. Acesso em 25 de abril de 2020.

BCB. (2017). Relatório de Estabilidade Financeira, Brasília, DF, v. 16, n. 1, p. 05-69. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/htms/estabilidade/2017_10/refPub.pdf. Acesso em 18 de maio de 2020.

BCB. (2019). Relatório de Estabilidade Financeira. Brasília, DF, v. 18, n. 2. Disponível em. https://www.bcb.gov.br/content/publicacoes/ref/201910/RELESTAB201910-refPub.pdf. Acesso em 17 de abril de 2020.

BCB. (2020). IF.data. Disponível em: www3.bcb.gov.br/ifdata/.Acesso em 18 de maio de 2020.

Borça Júnior, G. R., & Torres Filho, E. T. (2008). Analisando a crise do subprime. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 15, n. 30, p. 129-159.

Bradesco. (2016). Relações com Investidores. Disponível em: < https://www.bradescori.com.br/siteBradescoRI/Uploads/Arquivos/Relatorios/166/166_1_pressrelease%204T16.pdf>. Acesso em: 02 maio 2020.

BRASIL. (2017). Operações de crédito no Brasil: 29 de março de 2017. Ministério da Fazenda. Secretária de Política Econômica. Brasília, DF, fev. 2017. Disponível em: <http://www.fazenda.gov.br/centrais-de-conteudos/publicacoes/conjuntura-economica/juros-e-credito/2018/informativo-economico-mapa-do-credito-de-dezembro-17/view. Acesso em 20 de maio de 2020.

Brito, G. A. S., & Assaf Neto, A. (2008). Modelo de classificação de risco de crédito de empresas. Revista Contabilidade & Finanças, 19(46), 18-29. https://doi.org/10.1590/S1519-70772008000100003

Carvalho, F. J. C. de. (2005). Uma contribuição ao debate em torno da eficácia da política monetária e algumas implicações para o caso do Brasil. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 25, n. 4, p. 323-336, out./dez. 2005. https://doi.org/10.1590/S0101-31572005000400001

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes. Disponível em: http://www.cpc.org.br/CPC/Documentos-Emitidos/Pronunciamentos/Pronunciamento?Id=56. Acesso em 28 de maio de 2021.

Costa, D. M. D., Ramos, K. S., Eufrásio, G. B., Estevão, J. A., & Azevedo, D. M. C. (2010). Os efeitos da crise do mercado imobiliário americano subprime sobre o desempenho econômico-financeiro das empresas de capital aberto no Brasil. XVII Congresso Brasileiro de Custos – Belo Horizonte - MG, Brasil, 3 a 5 de novembro de 2010. Disponível em: https://anaiscbc.emnuvens.com.br/anais/article/view/639/639

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). (2014). Desempenho dos bancos 2014: fraco crescimento do crédito, corte de postos de trabalho e elevação nos resultados de tesouraria são os destaques de 2014 nos maiores bancos do país. São Paulo. Disponível em: https://www.dieese.org.br/desempenhodosbancos/2015/desempenhoBancos2014.html. Acesso em 20 de maio de 2020.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). (2015). Desempenho dos bancos 2015: bancos freiam crédito, reduzem agências e cortam postos de trabalho, mas lucros seguem elevados. São Paulo. Disponível em: https://www.dieese.org.br/desempenhodosbancos/2015/desempenhoBancos2015.html. Acesso em 20 de maio de 2020.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). (2016). Desempenho dos bancos 2016: Lucros permanecem elevados, mas bancos promovem intensa reestruturação. São Paulo. Disponível em: https://www.dieese.org.br/desempenhodosbancos/2016/desemprenhoDosBancos2016.html. Acesso em 20 de maio de 2020.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). (2017). Desempenho dos bancos 2017: Lucros dos 5 maiores bancos do país batem recordes em ano difícil para a economia brasileira. Disponível em: https://www.dieese.org.br/desempenhodosbancos/2018/desemprenhoDosBancos2017.html. Acesso em 25 de maio de 2021.

De Paula, L. F. de, & Ferrari Filho, F. (2011). Desdobramentos da crise financeira internacional. Rev. Econ. Polit., v.31, nº.2, p. 315-335. https://doi.org/10.1590/S0101-31572011000200009.

Dulci, O. S. (2009). Economia e Política na Crise Global. Revista Estudos Avançados, v. 23, n°. 65, p. 105-119. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10441/12167.

FEBRABAN. (2016). Painel Econômico e Financeiro. 2. ed. Dez/2016. Disponível em: <https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/-L06_painel_port.pdf>. Acesso em: 18 de maio de 2020.

Ferraz, F. C. (2013). Crise financeira global: impactos na economia brasileira, política econômica e resultados. 104 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Programa de Pós-Graduação em Economia, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://fernandonogueiracosta.files.wordpress.com/2015/01/ferraz-fernando-cardoso-ferraz-crise-financeira-global-impactos-na-economia-brasileira.pdf. Acesso em 18 de maio de 2020.

Fortuna, E. (2010). Mercado financeiro: produtos e serviços. 17. ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Gonçalo da Silva, A. (2014). O comportamento dos indicadores de crédito no Brasil entre 2011 e 2014. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharel em Ciências Econômicas) - Curso de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Paraná (UFP), Curitiba, 2014.

Hall, R. J., Beck, F., & Toledo Filho, J. R. (2013). Análise do impacto da crise subprime nas empresas do agronegócio listadas na BM&F Bovespa. Custos e Agronegócio on line, v. 9, n°. 1, Jan/Mar. Disponível em: http://www.custoseagronegocioonline.com.br/numero1v9/Subprime.pdf

Houaiss, Antônio. (2001). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Ed. Objetiva.

Lima, S. M., Oliveira, M. E. L., & Rodrigues, M. S. (2017). A Crise e o Desempenho Econômico Financeiro das Empresas da Construção Civil. Revista Gestão em Análise, v.6, n°. ½, p. 196-210. doi:10.12662/2359-618xregea.v6i1/2.p196-210.2017

Mesquita, M., & Torós, M. (2010). Considerações sobre a atuação do Banco Central na crise de 2008. Trabalhos para Discussão, Brasília, DF, n. 202, p. 1-39. Disponível em: <https://www.bcb.gov.br/pec/wps/port/wps202.pdf>. Acesso em: 18 de maio de 2020.

Niyama, J. K., & Gomes, A. L. O. (2012). Contabilidade das instituições financeiras. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Oliveira, C. V. C., Hall, R. J., Viana, J. J. S., & Silva, T. B. J. S. (2018). Impacto da Crise Subprime na Competitividade do Setor Siderúrgico-Metalúrgico Listado na B3. Congresso Internacional de Administração, 13 a 17 de Agosto de 2018, Sucre, Bolívia. Disponível em: https://admpg2018.com.br/anais/2018/arquivos/05022018_210551_5aea5bbf1abca.pdf

Rech, C. H. B. (2010). Estrutura e funcionamento do sistema financeiro nacional: do escambo ao acordo de Basileia. São Leopoldo: Ed. UNISINOS. Livro eletrônico.

Rodrigues, C. M. (2012). Análise de crédito e risco. Curitiba: InterSaberes (Série gestão financeira). Livro eletrônico.

Ruppelt, M., Missagia, A. B., Santos, B. M., & Silveira, F. (2018). Análise da crise do Subprime e os derivativos de crédito nos Estados Unidos da América. Revista Brasileira de Geografia Econômica, v. 7, nº. 13, p. 1-29, 2018. https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.4342

Salomão, K. (2016). Os 20 maiores bancos do Brasil em valor de ativos. Exame, São Paulo, 13 set. 2016. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/negocios/os-20-maiores-bancos-do-brasil-em-valor-de-ativos/>. Acesso em 18 de maio de 2020.

Securato, J. R. (2012). Crédito: análise e avaliação do risco: pessoas físicas e jurídicas. 2. ed. São Paulo: Saint Paul.

Silva, C. (2010). Uma breve análise do contágio da crise subprime americana para a economia brasileira. A Economia Em Revista - AERE, v. 18 nº. 1, p. 123-137. https://doi.org/10.4025/aere.v18i1.12942

Silva, J. P. (2008). Gestão e Análise de Risco de Crédito. 6ª edição. São Paulo: Atlas.

Silva, J. P. (2014). Gestão e análise de risco de crédito. 8. ed. Adaptada à Nova Lei de Recuperação e Falências. São Paulo: Atlas.

Tzuru, S. K., & Centa, S. A. (2009). Crédito no varejo para pessoas físicas e jurídicas. 2. ed. Curitiba: Ibpex.

Vizi, B. (2011). Depois da crise - Desafios faz uma retrospectiva, revendo os impactos, os canais de transmissão, e as consequências da turbulência que modificou, e ainda modifica, a economia global. Desafios do Desenvolvimento, Brasília, DF, ano 8, ed. 34, 10 fev. 2011. Disponível em: http://desafios.ipea.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1407&catid=42&Itemid=40. Acesso em 18 de maio de 2020.

Wagner, A. U., & Pires, V. M. (2020). Utilização de Métodos Formais para Avaliação de Investimentos: Um Estudo com Empresas Gaúchas do Setor Automotivo. Revista Razão Contábil & Finanças, v. 11, n. 1, jan-jun. Disponível em: http://institutoateneu.com.br/ojs/index.php/RRCF/article/view/254/260.

Publicado
06-01-2022
Como Citar
COELI, C. M.; MARTINS PIRES, V. Desempenho dos maiores bancos brasileiros: um estudo sobre o impacto da crise subprime. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 14, n. 1, p. 245-271, 6 jan. 2022.
Seção
Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)